Crítica: Dumplin' (2018) - Original Netflix - Cinem(ação)
Dumplin'

Crítica: Dumplin’ (2018) – Original Netflix

Dumplin’ (algo como “fofinha”) é estrelado pela eterna Rachel, Jennifer Aniston.O foco do longa é Willowdean(Danielle Macdonald, que fez Bird Box). A jovem é uma menina gordinha que foi criada pela tia, também acima do peso, enquanto a mãe (Aniston) vivia com a cabeça em organizar concursos de Miss. A tia morre (e não acontece com cinco minutos de filme, não é spoiler), então mãe e filha tem que se entender.

Na apresentação do universo vemos uma história engajante onde a menina aprende a se auto-afirmar e não ligar para ofensas. Temos uma camada a mais envolvendo música e a amizade com Ellen (Odeya Rush). O começo de
Dumplin
‘ tem uma personagem com momentos doces (as cenas da infância), comentários ácidos (na boia junto com a amiga) e boas sacadas (a solução para atender rápido um pedido). Tínhamos, portanto, um caminho que usava sim alguns clichês, mas se distanciava deles a medida que os desvirtuava.

Infelizmente, o longa dirigido por Anne Fletcher (Ela Dança, Eu Danço) muda o foco e quase não vemos mais aquela essência. O que poderia ser uma reflexão sobre o mundo das miss vira um quase altar para tal, com personagens rasos e chatos (o que é aquela personagens feminista? Um desserviço à causa. Ela tem zero função e após uma ou duas piadas, o próprio filme não sabe o que fazer com ela).

Dumplin'

A amizade de Will com Ellen é jogada de lado em boa parte do filme. A boa química que ambas vinham tendo é substituída por outras amigas com bem menos carisma. A auto-confiança da protagonista dá lugar a seguidas doses de insegurança, felizmente o não há uma famigerada cena dela tropeçando para demonstrar esse sentimento, único “elogio”… um broxe tem um arco bobo e antecipável. Mas pior ainda é a cena em um bar Drag. Apesar das personagens ali serem simpáticas, todos os movimentos são batidos: se limitam a função de salvar o dia ou ficar sorrindo.

Depois de uma barriga gigante no segundo ato, os minutos finais se dedicam ao concurso de miss. Apesar do largo tempo dedicado ao evento, foi um tanto econômico em mostrar as demais participantes. Deixando tudo esquemático.

A relação mãe e filha tem alguma evolução, mas dentro de um espectro previsível. Jennifer Aniston está mais uma vez no automático com mais ou menos os trejeitos de sempre. Já Danielle Macdonald tem potencial, pena que o roteiro não a ajudou.

Sem dar spoiler, a última cena de Dumplin’ é o suprassumo do clichê do gênero. É um reverência que esse tipo de filme presta que tenta dar um ar positivo, mas que você já viu um milhão de vezes…

Confira a nossa crítica de outros originais Netflix lançados 2019 até agora:

Inspire, Expire , Lionheart  Revenger , A Última Gargalhada , IOPolarVelvet Buzzsaw , Close, High Flying Bird

  • Nota Geral
2

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon