Crítica: Bastidores de um Casamento - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: Bastidores de um Casamento

Existem muitos filmes norteamericanos que são lançados no Brasil direto em home vídeo (DVD/Blu-Ray). Na grande maioria das vezes, eles realmente são filmes desnecessários no cinema. Mas um filme desnecessário no cinema não significa um filme totalmente ruim: apenas razoável e com elementos interessantes. É o caso de “Bastidores de um Casamento” (Another Happy Day), filme do diretor estreante Sam Levinson, com Demi Moore.

Inconstante em diversos aspectos, o filme parece apenas usar o nome de Demi Moore para conquistar algum chamariz para o público, já que esta faz um papel pouco importante.

“Bastidores de um Casamento” se parece muitas vezes com um filme para TV principalmente por sua fotografia e pelo cenário quase único que exige pouco investimento, mas faz bem em modificar o formato de tela quando mostra cenas filmadas por uma câmera caseira, enquanto usa formato de cinema para as cenas normais. O filme mostra a problemática Lynn (Ellen Barkin) indo à casa de seus pais, onde ocorrerão os preparativos para o casamento de seu filho Dylan, que foi criado pela madrasta. Enquanto isso, Lynn terá que lidar com dificuldades de relacionamento em meio aos outros três filhos cheios de problemas psiquiátricos e parentes quase igualmente perturbados.

Sempre em tom de tragicomédia, o filme funciona como um mergulho em meio a personagens exagerados, malucos e que dificilmente seriam encontrados convivendo no mundo real (embora eu não duvide de mais nada ultimamente). Ao contar com diversas cenas cujo único objetivo é traçar o perfil psicológico dos personagens (até mesmo os secundários), o filme se parece com uma minissérie de TV editada em formato de longa metragem, o que resulta em algumas cenas desnecessárias quando se trata do conceito de cinema. A única cena filmada pela “câmera pessoal” que tem serventia é a primeira delas, que o diretor usa para apresentar os personagens e o conflito inicial da trama.

Apesar de conter uma quantidade de personagens digna de novela, o filme consegue centrar as ações em Lynn e seu filho viciado Elliott (Ezra Miller) quase que todo o tempo, embora se perca diversas vezes em algumas situações cômicas gratuitas ou eventuais momentos dramáticos pouco explicados, como a tentativa de aproximação entre Paul (ex-marido de Lynn) e sua filha Alice (Kate Bosworth). Entretanto, Levinson mostra sensibilidade ao adotar uma câmera instável e hesitante para demonstrar o desconcerto entre os personagens quando vão conversar.

Em alguns momentos, a captação de som das falas de quem está ao longe beira o amadorismo, mas isso não é o suficiente para eliminar por completo a construção dos personagens, que são bem encaixados nas suas situações, apesar de serem quase caricaturais, de tão intensos.

Enquanto as atrizes Ellen Barklin (Lynn) e Ellen Burstyn (Doris) vivem intensamente seus dramas, Ezra Miller mostra maturidade ao encarar um personagem alcoólatra e drogado que se torna paradoxal ao ter uma visão ampla da situação da família, ao mesmo tempo em que tem comportamentos absurdamente infantis. E é fácil de prever que um comentário seu vai obviamente acontecer ao final da longa sucessão de chiliques, lágrimas e farpas trocadas.

No fim das contas, “Bastidores de um Casamento” (péssima tradução do título) é quase uma novela mexicana condensada, com toques de loucura e alguns elementos curiosos, mas que não deixa de ser divertida.

Nota: 2 Claquetes

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon