CRÍTICA: SOB A PELE DO LOBO (ORIGINAL NETFLIX) 2018

CRÍTICA: SOB A PELE DO LOBO (ORIGINAL NETFLIX) 2018

Sob a Pele do Lobo é um filme para contemplar o silêncio, a solidão e o que isso pode gerar nas pessoas.

Ficha Técnica
Direção: Samu Fuentes
Roteiro: Samu Fuentes
Elenco: Mario Casas, Irene Escolar e Ruth Díaz.
Censura: 14 anos
Nacionalidade: Espanha, 2018.

 

A sinopse de Sob a Pele do Lobo é nua, crua e direta assim como o filme: um homem vive isolado no alto de uma montanha. Os poucos contatos que faz com pessoas é quando desce para um vilarejo a fim de vender a pele dos animais que caça. Um dia, decide ter uma esposa. Eis nossa trama.

Este é um filme altamente contemplativo. Há pouquíssimos diálogos. O diretor Samu Fuentes direciona toda a força narrativa para as expressões e gestos dos atores. O protagonista é rústico, forte e seco. Mas há desenvolvimento de camadas mais profundas de personalidade quando o roteiro atinge o ápice e o clímax.

Mario Casas, o ator, convence na atuação.

 

 

Se faltam diálogos ao filme, a fotografia é um discurso por si própria. As paisagens são exuberantes e a câmera privilegia as tomadas abertas para intensificar ainda mais o tom selvagem e bucólico do ambiente.

Fotografia e atuação fazem com que o espectador fique preso à narrativa na busca de respostas para o que aquele homem faz ali, como sobrevive e para onde a história vai. O roteiro responde com metáforas visuais. Perceba como uma cena é resposta à outra. Nos detalhes, você compõem a história daquele homem.

É provável que você já tenha lido em livros ou visto em filmes como eram os casamentos no século XIX. Trocas políticas, de terra ou econômicas. O título, Sob a Pele do Lobo, já é um indício do que você encontrará a respeito dessas relações (amorosas?).

 

 

Sob a Pele do Lobo é um filme que eu indicaria a quem quer uma experiência diferente. É uma obra original no que se propõe como argumento e na forma de conduzi-lo.

Por retratar a magnitude da natureza, senti falta de uma melhor edição de som e a posterior mixagem. Tempestades, sons ambientes e de animais são pouco explorados.

Você pode encarar como um documentário (da Discovery) realista (mesmo) sobre um homem vivendo numa montanha ou como ode à solidão, à vida bucólica, rústica e selvagem. Eu fico com a opção mais poética.

4

Resumo

Sob a Pele do Lobo é um filme para contemplar o silêncio, a solidão e o que isso pode gerar nas pessoas, inclusive você, espectador.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon