As melhores canções do Oscar 2015 – Parte 5 - Glory - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

As melhores canções do Oscar 2015 – Parte 5 – Glory

É incrível como questões que deveriam estar ultrapassadas e muito bem resolvidas ainda vêm à tona. Infelizmente a descriminação racial e a descriminação de gênero ainda existem e isso gera problemas, inclusive culturais.

SELMA-articleLargeNo ano de 2014 foi lançado o filme “Selma – Uma luta pela igualdade” (“Selma” no nome original em inglês), que retrata a luta do pastor e militante pró direitos dos afrodescendentes nos E.U.A. Martin Luther King Jr. Este viveu na década de 60 na cidade de Selma no estado do Alabama nos E.U.A.,  e foi assassinado por causa do que defendia. Este filme foi indicado à melhor filme e melhor canção original, e acabou levando somente o prêmio da segunda indicação.

Durante toda a apresentação do Oscar no ano de 2015 aconteceram alguns protestos de atores contra hegemonia masculina e branca em Hollywood. Tal fato foi comentado no Podcast Cinem(ação) número 123, e lá sabiamente foi dito algo semelhante à: “Apesar da apresentação do Oscar ou até mesmo um filme ser um momento, uma janela, um palanque para expor e protestar sobre questões raciais e de gênero,  a  solução do problema surgirá apenas quando as bases financeiras, os grandes estúdios e até mesmo as bases da própria sociedade dos E.U.A. (e de uma grande parte do mundo) deixaram de ser representados por esta maioria branca e masculina. E isso demora… Nada nega o fato de filmes sobre o assunto e até mesmo a premiação do Oscar são ótimos momentos para levantar a discussão, porém a solução está longe de lá e não será a premiação do Oscar que vai resolver o problema.” Bem… se não foi isso que foi dito no Podcast Cinem(ação) 123, foi esse recado que eu peguei (alô direção! Me corrijam se eu estiver errado!).

selma-bridgeNão digo que o filme Selma foi ruim. Muito menos que a canção Glory, cantada pelo cantor de R&B “John Legend” e pelo o rapper “Common”, seja ruim (afinal a mesma música concorreu a outros prêmios de cinema como melhor canção e ganhou a maioria deles). Muito pelo contrário, pois ela consegue apresentar uma melodia que invoca esperança e a agressividade comum no rap, gerando uma mistura muito boa e muito dentro do contexto necessário, tanto para a temática do filme quanto para um hino a toar com o ritmo de passeatas.

O  que estou tentando dizer é que já passou da hora destas situações preconceituosas serem resolvidas, pois todos somos iguais e todos temos os mesmos direitos. Pena que isso não acontece. Portanto, em todo canal possível e em todas as vezes possíveis, sempre haverá alguém pedindo por direitos primários enquanto questões maiores (que deveriam ser maiores, mas não são enquanto problemas de raça, gênero e preconceitos em geral existirem) que atingem toda a humanidade ficam de lado. Algumas vezes estas questões diferentes são colocadas de alguma forma à concorrer com os problemas de preconceito, e são criticadas com objetivo de serem suprimidas, o que é errado. Concordo que possa haver uma falta de urgência em resolver questões que não abordam preconceitos, mas elas não devem ser suprimidas.

Após um ano (2014) quando durante a premiação do Oscar a máxima era “se você não gostou de ‘12 Anos de Escravidão‘, você é preconceituoso” fica o receio da Academia perder o foco nas artes e premiar apenas filmes com questões de preconceitos sociais, o que geraria situações estranhas como diretores que notadamente apenas gravam filmes “oscarizáveis” (como Clint Eastwood) a gravar apenas filmes sobre preconceitos raciais, de gênero ou ainda de opções sexuais. Porém, ela teve sensibilidade para premiar a canção mais impactante (não a mais bonita, pois para mim, “I’m not Gonna Miss You” é mais inteligente e mais tocante), mais urgente, mais necessária e infelizmente, mais atual, conseguindo equilibrar as questões de pura arte e as questões sociais que a própria arte demanda.

Então, sendo assim, parabéns para a “Academia de Artes e Ciências Cinematográficas” pela escolha acertada na escolha da melhor canção na premiação de 2015.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon