“Bê-a-bá” Cinematográfico: O que é Plano e Cena?

“Bê-a-bá” Cinematográfico: O que é Plano e Cena?

Em tópicos anteriores, nós passamos por Som Diegético e depois explicamos o que era um Plongée e Contra-Plongée. Ambos assuntos são muito importantes para quem quer estudar cinema. Mesmo um tendo relaçãom com áudio e o outro com posicionamento de câmera, eles estão conectados por algo em comum: a cena e o plano.

Certamente você já ouviu alguém falar: “Nossa, eu adoro a cena “tal” desse filme” e é pouco provável que tenha ouvido um: “Que plano bem feito!”. Você sabe porque? Cenas e Planos estão entrelaçados e para quem está começando a entender a estrutura de um filme, esses termos podem confundir.

O Plano

O plano, é basicamente um trecho de um filme ininterrupto.

Você já deve ter percebido, que ao assistir a um filme, você se depara com cortes, certo? Cortes são aquele momento que podemos apontar como uma troca de câmera.

Vamos pegar como exemplo essa cena de Baby Driver:

Aqui temos uma sequência de cortes:

Vemos o banco, o carro chega. Corte. Cena interna do carro, mão no iPod. Corte. Ator olha para o lado. Corte. Vemos o outro ator olhando. Corte. E por aí vai…

Falamos que um plano é um trecho ininterrupto, certo? Então neste exemplo, os planos são todas essas tomadas antes e depois do Corte.

1) Vemos o banco, o carro chega;
2) Cena interna do carro, mão no iPod;
3) Ator olha para o lado;
4) Vemos o outro ator olhando;

Então fica fácil de entender que os planos são justamente o que vemos na tela. E para organizar isso, existe todo um linguajar próprio para especificar cada um, por exemplo: Plano Médio, Plano Geral, Plano Detalhe, e por aí vai.

Mas esse é assunto para um outro artigo do “Bê-a-bá” Cinematográfico.

A Cena

Entender o conceito de plano facilita o entendimento do que é a Cena, isto porque, podemos considerar a Cena, um conjunto de planos que se passa em um único local e tempo contínuo.

Vamos ao exemplo com o filme Judas e o Messias Negro:

Aqui temos uma Cena única, que se passa no interior da casa do personagem principal. Nesta cena, vemos: Detalhe da mão pegando um cigarro. Corta. Personagem coloca o cigarro na boca. Corta. Mão pega um diário e o abre. Corta. Vemos o personagem lendo.

Aqui, todo esse conjunto de ações é uma cena só. Isto porque, ela se passa em um único local (interior da casa) e tempo contínuo (presente).

Porém, se formos destrinchar a cena, podemos dizer que ela tem uma série de Planos. Plano Detalhe no diário. Primeiríssimo Primeiro Plano no ator lendo o diário, e por aí vai.

Então quando uma pessoa diz que “amou a cena do filme”, ela está correta, se estiver se referindo a uma única cena que se passa em um local contínuo. Agora, se no meio da cena, rola um “flashback”, o correto seria a pessoa dizer: “eu amo a sequencia de cenas do filme”, pois temos a cena que se passa no presente, e uma cena que se passa no passado.

Plano sequência e a confusão

O Plano Sequência é um take único que teoricamente não possui corte. É longo, e você pode não consegue identificar nenhuma mudança de planos.

Um exemplo é do filme de ação Resgate:

Aqui temos uma cena de ação complexa de resistência.

Perceba, que aqui não é possível fazer a mesma descrição que fiz nas cenas anteriores, com: Vemos o rosto do ator. Corte. Mão na arma. Corte. – não! Aqui é um plano só e não temos corte algum na cena.

Ou vemos?

O plano sequência pode trazer alguma confusão, pois por ser um plano longo e sem corte, entende-se como um plano único. Talvez, no cinema antigo, o plano sequência na sua forma mais pura, realmente fosse um plano longo sem cortes. Porém, no cinema moderno, os diretores tem feito essas cenas de uma forma mais mascarada. Como?

Bom, basicamente eles puxam algo para frente da câmera e escondem/mascaram o corte. Neste momento, você deixa de ter 2 planos, e passa a ter apenas 1.

Para exemplificar, vá até o minuto 0:39 deste vídeo. Lá é possível perceber que um soldado é empurrado e passa bem na frente da câmera. Se você pausar o vídeo, é possível inclusive ver que daria para fazer uma máscara muito simples ali para esconder o corte:

Ou seja, teoricamente, sim, estamos vendo um plano sequência. Na prática, talvez não seja, mas sinceramente, acho que isso não importa. O conceito está ali. Os mais puristas dirão que não é um plano sequência, os mais flexíveis dirão que é, porque não se vê corte.

Fica a polêmica… =P

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon