Kim Maree Penn: Bela e boa de briga - Cinem(ação)

Kim Maree Penn: Bela e boa de briga

Ela já atuou com Dolph Lundgren, Jackie Chan, Van Damme e outros feras das artes marciais. Uma entrevista com a atriz perita em artes marciais Kim Maree Penn

Ela fez história no cinema de ação chinês nos anos 90, além de bela, a jovem provou ser boa de briga também. Hoje ela cuida da segurança pessoal das maiores celebridades mundiais.

Nascida na Austrália, ela estreou no cinema americano em 1989 como dublê, lutando com o ator Dolph Lundgren no filme O Justiceiro. O sucesso da obra foi o pontapé inicial para Kim começar uma bem sucedida carreira de atriz no cinema chinês, tendo atuado com grandes nomes das artes marciais como Jean Claude Van Damme, Jackie Chan, Jet Li e outros. Hoje ela prefere estar atrás das câmeras cuidando da segurança pessoal das maiores celebridades do momento.

Em uma entrevista realizada por e-mail direto de Mônaco, a bela loira de 1,78m, esbanja inteligência e carisma, em que abordamos os mais diversos assuntos.

Quantos anos você tinha quando começou a aprender artes marciais? 

11 anos de idade.

Você é especialista em cinco artes marciais, principalmente karatê. Quem a motivou a treinar lutas? 

Meu pai era pugilista e queria que eu aprendesse artes marciais para saber me defender até porque nós vivíamos em um bairro bastante tempestuoso.

Você fez 17 filmes de ação na China e nos EUA (a partir do final dos anos 80), tendo iniciado a carreira bem jovem. Qual filme você mais gostou de fazer?

Não dá pra escolher apenas um. Eu gostei de fazer Police Story 3 (Policial Acima de Tudo) com Jackie Chan e Michelle Yeoh. Eu amei fazer City of Darkness em Taiwan. Fazer filmes de ação asiáticos é muito diferente dos filmes de ação rodados nos Estados Unidos. Hard Knox foi o filme mais fácil que eu fiz em Sydney (Austrália) pela NewLine.

Você é uma mulher muito bonita, chegou a trabalhar como top model no passado?

Eu fiz alguns trabalhos como modelo na Ásia mas definitivamente não fui uma Top Model.

Por que você decidiu tentar a carreira em Hong Kong e não nos Estados Unidos?

Após ter vencido um campeonato mundial no Japão, eu estava nos noticiários devido a isso, e nesse meio tempo estavam filmando The Punisher (O Justiceiro) com Dolph Lundgren, e eles convidaram a Federação de Karate e perguntaram se eu poderia ser a dublê da atriz em uma cena de luta. O diretor das cenas de lutas, me perguntou se eu iria pra Hong Kong para estrelar um filme de kung fu lá. Eu deixei a universidade de lado e fiz o filme.

Eu adorei Hong Kong, tanto que acabei ficando por lá e fazendo outros filmes, fui também segurança de um famosa casa noturna de lá e então criei tempos depois a minha própria empresa de segurança chamada Signal 8 Security.

Você fez um filme com Jean Claude Van Damme (Golpe Fulminante em 1998), como foi essa experiência? Você lutou com ele também?

Foi uma experiência incrível, JCVD é adorável. Eu não diria que nós tivemos uma luta, mas havia uma cena onde eu corria em torno de um contêiner de carga e ele joga a faca na minha garganta. Essa foi a cena.

Você também já trabalhou com Jackie Chan, como foi isso?

Eu trabalhei com ele no filme Police Story e também em um jogo de videogame chamado Ultimate Revenge (1995). Você pode me ver lutar com ele e com alguns outros personagens. Era uma produção americana. Jackie é o ator mais dedicado com quem eu já trabalhei, sua atenção a cada detalhe é algo surpreendente.

Na minha última cena no filme Police Story, eu levava um tiro, e acabou voando estilhaços próximo do meu olho, ele foi muito generoso e se preocupou logo em saber se eu estava bem. Minha empresa tem feito a segurança dele em Hong Kong também.

Você também trabalhou com Michelle Yeoh neste mesmo filme, como foi trabalhar com ela? Hoje ela segue uma carreira nos Estados Unidos.

Sim, eu tive algumas cenas com ela nesse filme, Michelle era muito dedicada no trabalho, e entre uma cena e outra, ela estava sempre estudando o texto e fazendo exercícios como agachamento. Estou feliz pelo sucesso dela nos Estados Unidos. Ela é incrível.

Você teve a chance de atuar com os maiores astros chineses dos filmes de ação. Alguém me disse que eles são muito “fechados” com os de fora. Foi difícil trabalhar com eles sendo estrangeira?

Se você trabalha duro, tem talento, segue o caminho certo e “joga com o time”, você é aceito. Em um dos filmes que eu fiz, o orçamento havia excedido, e estavam correndo contra o tempo. Então, eles pediram se eu poderia ficar no set por 2 dias, para conseguir terminar uma cena de luta. Eu dormi no corredor, sobre um pedaço de papelão no set de filmagem, e nós conseguimos concluir a cena. Muitos filmes naquela época precisavam de estrangeiros no elenco para conseguir distribuição.

Seu primeiro filme foi como dublê em “O Justiceiro” (1989) com Dolph Lundgren, eu me recordo daquela cena de luta, e ela é muito boa….

Pois é, eu estava nos noticiários, aí o produtor Mark Goldblatt me contactou através da Federação de Karate, eu fui para o set de filmagem e fiz alguns Katas (sequência de movimentos, técnicas de ataque e defesa) e a cena de luta com o diretor dessas cenas e então consegui o papel.

“O Justiceiro” abriu portas para a sua carreira no cinema não é?

Sim, o diretor das cenas de luta ficou impressionado com as minhas habilidades nas artes marciais e me levou para Hong Kong para protagonizar um filme. O resto é história!

No ano passado, eu entrevistei a atriz Cynthia Rothrock, o que você acha da carreira dela? Vocês já se encontraram alguma vez?

Eu acho que ela fez uma carreira fantástica. Eu voei pra Hong Kong enquanto ela estava deixando a China e retornando para os Estados Unidos, eu não tive a chance de encontrá-la.

Assim como Cynthia, você construiu uma carreira de sucesso na China, mas como foi viver em um país completamente diferente da Austrália?

Foi um choque cultural pra começar, eu vim do básico ou seja de um pai protetor e fui jogada em uma cidade como Hong Kong ainda muito jovem mas foi muito emocionante isso.

Já sofreu muitas lesões ou acidentes durante as filmagens de algum filme?

Algumas luxações nos dedos, muitos hematomas (o que é normal), o estilhaço batendo próximo do meu olho, tive uma distensão no tornozelo ao fazer um chute no ar. O diretor não havia me dito que teria uma explosão, então eu estava correndo para saltar e dar o chute e acabei pulando muito longe e batendo em uma haste, mas eu tive que voltar a atuar porque as filmagens tinham que continuar.

Às vezes era difícil devido a barreira do idioma. Uma vez eu estava fazendo uma cena de luta em Taiwan num local ao lado de uma montanha, quando estávamos terminando o take, eu dei um passo pra trás e cai em um buraco de um pouco mais de 2 metros. O buraco estava escondido com grama por cima mas ninguém sabia disso.

Atualmente, você é dona de uma empresa de segurança em Hong Kong, fornecendo guarda-costas para celebridades, homens de negócios etc, seria isso?

Sim, fazemos segurança privativa e também para eventos, gerenciamento de crises etc.

(A lista de famosos que Kim tem fornecido segurança pessoal é extensa, alguns exemplos são: Bjork, Bob Dylan, Celine Dion, Charlize Theron, Elton John, Eric Clapton, Fergie, Jamiroquai, Jennifer Lopez, Keanu Reeves e diversos outros artistas). 

Como você vê as mulheres no cinema de ação?

Eu acho que elas são incríveis e muito talentosas. Nós não tínhamos muitos efeitos especiais no passado, então o que você viu era muito bom pra aquela época. Dublê de corpo na Ásia não era tão comum para uma mulher loira de 1,78m.

Gostaria de voltar a fazer filmes de ação?

Eu gosto de onde eu estou nesta fase da minha vida. Eu prefiro estar atrás das câmeras garantindo a segurança de um artista do que na frente dela. Este é um lado mais confortável para mim hoje.

Você nasceu na Austrália, vive em Hong Kong e tem uma casa em Los Angeles. Onde você se sente melhor?

Sim, eu agora vivo entre HK e Mônaco. Eu viajo tanto com os clientes a trabalho que é bom voltar pra casa em Mônaco e descansar. Isso é como uma “estadia de férias”. Eu também amo ir pra Hong Kong para administrar meus negócios, participar de eventos enfim.

Você já veio ao Brasil?

Sim, eu fui ao Brasil com o Coldplay, quando eles estavam fazendo uma turnê mundial.

Quem são seus ídolos nas artes marciais?

Jackie Chan, Sammo Hung (ator e diretor), Frankie Chan, Jet Li e Bruce Lee.

Você acha que os filmes de ação do passado (anos 80 e 90) eram melhores do que os atuais, que contam com bem mais recursos de efeitos especiais?

Eu sinto que os filmes do passado eram mais autênticos, verdadeiros para o espectador.

Para terminar a entrevista, como você está lidando com essa pandemia atual, em que o mundo parou, principalmente porque você frequentemente está na China?

Atualmente eu estou em Mônaco, e estamos em torno de 1 mês em isolamento social, eles têm anunciado que no dia 03 de maio talvez sejamos liberados desse confinamento. Essa pandemia é muito triste, todavia, ela está dando ao mundo a chance de curar infelizmente os nossos atos. Espero que as pessoas compreendam e sigam em frente da forma mais sábia em relação ao modo que nós vivemos.

Texto escrito por: André Araújo

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon