#ConexãoSundance 2020: Bad Hair - Cinem(ação)
Bad Hair - filme exibido no Festival de Sundance 2020

#ConexãoSundance 2020: Bad Hair

#ConexãoSundance: Crítica e análise do filme Bad Hair, de Justin Simien.

A cobertura do Festival de Sundance 2020 será postada filme a filme, com resumos e críticas dos longas acompanhados pelo crítico Maurício Costa.

VEJA A COBERTURA COMPLETA DO FESTIVAL DE SUNDANCE AQUI!

Bad Hair

O quarto filme do sexto dia de festival é Bad Hair, do mesmo diretor de Dear White People. É um terrir, mas intencional. É difícil de dar nota porque não se pode culpar um filme por fazer o que ele queria fazer. Por outro lado, o que ele faz não é que se pode colocar no cânone do melhor cinema.

A premissa de Bad Hair é a seguinte: no final dos anos 80, em Los Angeles, existe um canal chamado Culture, que é um canal de cultura negra no momento em que as coisas começam a mudar: a cultura negra começa a migrar para o mainstream, e começam a surgir problemas relacionados ao cabelo black power, por exemplo. A rede começa a tentar ampliar sua audiência, forçando as pessoas a alisarem o cabelo.

O termo “cabelo ruim” tem o trocadilho de ser o cabelo “mau”. Com isso, o cabelo liso começa a possuir o corpo das pessoas que alisam o cabelo. Claro que isso é uma alegoria e um comentário social sobre a questão racial dos EUA. O alisamento do cabelo é usado como uma transformação e perda da identidade. Então, o filme descamba para o terrir, com cenas de luta entre cabelos. É engraçado e não assusta.

É um comentário profundo sobre o racismo estrutural, a forma como a cultura negra e os negros são tratados de forma diferente nos EUA. Tem uma linha do filme que segue pelo orgulho negro, outra que remete ao folclore, e questões relacionadas à cultura pop. A fotografia é bonita e o filme foi feito em 16mm. Ele lembra um pouco aqueles filmes dos anos 1980 que passavam na TV. É um filme B de luxo, com bom orçamento.

Nota: 3 / 5

Sinopse e Ficha Técnica:

Los Angeles, 1989. Anna Bludso (Elle Lorraine) é uma sobrevivente cicatrizada de uma queimadura no couro cabeludo. Ela também tem a inteligência e a ambição de ser a próxima estrela no ar do Culture, um programa de TV com videoclipe. Depois de anos lutando para ser vista por suas ideias e trabalho duro, Anna teme o pior quando seu chefe com dreads é substituído por Zora (Vanessa Williams), que avisa Anna que seu visual precisa mudar. Acontece que o cabelo novo e esvoaçante é a chave do sucesso – mas ele chegou com uma cabeça feita… e morde!

Competição: meia-noite
País: EUA
Duração: 115 min
Idioma: Inglês
Produção: Endeavor Content
Direção e roteiro: Justin Simien
Roteiro: Craig Borten

Participam da cobertura do Festival de Sundance 2020 os seguintes sites e canais: Razão:de:Aspecto, Cinem(ação), Getro.com.br e Wanna be Nerd.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon