Precisamos falar sobre O Serviço de Entregas da Kiki - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema
kiki

Precisamos falar sobre O Serviço de Entregas da Kiki

O Serviço de Entregas da Kiki é uma animação lançada em 1989 que conta a história de uma bruxinha e seu gato se aventurando na cidade grande após criarem um serviço de entregas. 

Com essa descrição bem genérica, o anime pode parecer infantil ou bastante bobo, mas a história de Kiki é bem mais profunda.

Kiki é uma bruxa que acabou de chegar aos 13 anos e, pela tradição, deve deixar sua casa no campo e partir para o desconhecido em busca de aperfeiçoar sua magia. Junto com o seu gato preto Jiji, ela resolve se instalar na cidade fictícia de Koriko, uma região calma à beira mar. 

Ao chegar naquele lugar estranho, Kiki acaba se sentindo insegura, pois tem medo de não conseguir se tornar uma boa bruxa. No primeiro dia em Koriko, ela conhece uma senhora simpática chamada Osono que é dona de uma padaria e, após uma cliente esquecer a chupeta do filho no balcão, a garotinha tem a ideia de iniciar um serviço de entregas.

Dirigido, produzido e roteirizado por Hayao Miyzaki, o filme é uma adaptação do livro de mesmo nome. O autor da obra original não foi muito a favor da versão de Miyazaki, pois o diretor realizou algumas mudanças, mas isso não foi problema para o público, já que a bilheteria do filme foi uma das maiores do Studio Ghibli.

cena do filme O serviço de entregas da kiki
Kiki, Osono e sua primeira cliente no serviço de entregas

Por que precisamos falar sobre?

Por trás de uma áurea fofa e até bem gostosinha de assistir, O Serviço de Entregas da Kiki se aprofunda em questões como independência, insegurança e até sobre a liberdade feminina.

São 32 anos desde o seu lançamento, mas as situações vividas por Kiki são bastante atuais. Por não haver um vilão personificado, o filme foca no íntimo, nas emoções da protagonista, evidenciando suas pequenas decepções, os imprevistos da vida e acaba colocando a personagem como alguém humano.

Quando Kiki perde seus poderes, podemos relacionar com a tristeza que sentimos ao encarar uma situação difícil, ao passar por pequenas provações e sentir aquele desânimo tomar conta. A independência não é algo fácil, se encontrar no mundo muito menos, mas como diz o Chorão: “Quanto mais a gente rala, mais a gente cresce”.

Claro que aqui no Brasil, uma criança de 13 anos sair sozinha de casa em busca de sua independência é incomum, por isso, é natural sentir certa empatia por Kiki, pois já estivemos naquela idade em que tudo é meio desconhecido e o mundo é um lugar desconhecido.

Fazendo uma rápida observação, o Studio Ghibli possui diversos filmes com mulheres como protagonistas: A Viagem de Chihiro, Princesa Mononoke, O Conto da Princesa Kaguya, e vários outros. Talvez, Kiki tenha sido uma das primeiras personagens femininas fortes do estúdio.

O Japão possui suas questões com o gênero feminino, por isso, é muito mais fácil encontrar animes e mangas com protagonistas masculinos. Saber que, ao colocar a personagem principal como feminina, sem estereótipos relacionados (hipersexualização, futilidade,  oportunismo, etc) foi uma aposta perigosa do estúdio, beira o absurdo.

Mas, de todo modo, O Serviço de Entregas da Kiki é um filme profundo, feito para qualquer idade, que nos ensina que tudo bem errar e se sentir triste, o importante é aprender, evoluir e não desistir de seus sonhos.

O Serviço de Entregas da Kiki está disponível na Netflix.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon