Crítica 2: Sibéria – 44ª Mostra de São Paulo - Cinem(ação): Filmes, podcasts e críticas

Crítica 2: Sibéria – 44ª Mostra de São Paulo

Ame ou odeio Abel Ferrara. Escolha seu lado. Eu escolho o meu, fico no time de Willem Dafoe. É impressionante como este ator consegue dar vida e cor a histórias que, em mãos erradas não sairiam nem do papel.

Se você ainda não assistiu Sibéria, já lhe aviso que é preciso mergulhar de cabeça (não sei exatamente onde), ou ficar completamente perdido assim como o personagem Clint.

Sibéria não é um filme para ser entendido. Os mais fissurados irão amar e venerar. Também existe o time que defende a ideia que um filme não deve ser explicado, e que, se foi preciso pesquisar sobre o filme para tentar entender é porque ele não atingiu seu objetivo. O que você me diz?

Vou manter meu posicionamento e ficar com mais uma ótima atuação de Dafoe. O qual parece ter uma aptidão para papéis que lhe exijam uma viagem pelo inconsciente da cabeça do homem. E acredito que Dafoe está completamente feliz fazendo filmes como Sibéria. Basta ver as diversas cenas de sexo em que o ator participa.

Em suma, Sibéria é uma aventura interior. Uma autodescoberta que Clint vai em busca nas montanhas geladas. Tive uma dificuldade até compreender a que ponto a trama pretendia chegar. Com cenas mesclando a calmaria e insanidade a narrativa é praticamente psicodélica.

Há quem admire esse tipo de cinema experimental e se sinta instigado a refletir por um lado psicológico. Eu preciso ficar apenas com a atuação de Dafoe.

  • Sibéria
3

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon