CRÍTICA: VIAJANTE DA MEIA-NOITE – 43ª MOSTRA DE SÃO PAULO - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

CRÍTICA: VIAJANTE DA MEIA-NOITE – 43ª MOSTRA DE SÃO PAULO

“A estrada da vida passa pelo inferno”

O cinema é poderoso, isso é inegável. Às vezes nós não imaginamos o poder que tem um filme, achamos que é simplesmente um mercado que visa lucrar e entreter, e esquecemos seu poder de denúncia, de incomodar, de nos tirar da zona de conforto e nos fazer refletir. De forma intimista o documentário Viajante da Meia-noite (MIDNIGHT TRAVELER), do diretor Hassan Fazili, estreante na 43ª Mostra de São Paulo, narra a trajetória da família de Hassan Fazili em busca de refúgio, após deixar o Afeganistão forçadamente.

Courtesy of Sundance Institute | photo by Lutfallah Bakhtary.

Viajante da Meia-noite é uma aula didática para entender como é a luta e o sofrimento diário de milhares de famílias que são forçados a deixar seu país devido à guerra, a miséria e os conflitos políticos. Conhecido por retratar os direitos das mulheres, crianças e pessoas afegãs com deficiência, Hassan havia gravado um documentário televisivo sobre um líder do Talibã que resolveu abandonar o grupo. Após a divulgação do documentário, o Talibã executou o ex-integrante e ameaçou matar Hassan, obrigando ele, sua esposa Fatima e as duas filhas do casal fugirem para se salvar.

Courtesy of Sundance Institute | photo by Lutfallah Bakhtary.

O filme-documentário chama atenção não só pela realidade crua, mas pela forma como o filme foi gravado. Toda trajetória familiar saindo do Afeganistão e entrando em outros países clandestinamente é gravada usando apenas três telefones celulares, sem grande tecnologia.

O documentário mostra que bons filmes podem ser produzidos com pouco, sem orçamentos bilionários e atores famosos. Viajante da Meia-Noite consegue ser sensível e tocante, mas ao mesmo tempo um soco no estomago ao mostrar as situações extremas, como o frio, a fome, as perseguições, que os refugiados são obrigados a enfrentar para ter uma vida melhor.

O longa não só traz o olhar do jovem cineasta, mas de toda sua família. Em diversos momentos as cenas são gravadas por sua esposa, além de uma das filhas do casal. Nessas ocasiões é possível conhecer o olhar de uma criança refugiada, suas angustias e sonhos, dando maior profundidade a narrativa.  

  • Viajante da Meia-Noite
4.5

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon