Crítica: Dead to Me (1ª temporada) - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: Dead to Me (1ª temporada)

Em primeiro lugar, a tradução completamente absurda do título do seriado é “Disque Amiga para Matar”, e aí mora a minha primeira crítica. Que tipo de título é esse? Quando me recomendaram esse seriado, disseram apenas para eu procurar por “Dead to Me”. Pesquisei na Netflix, e me deparei com esse título horrível. Confesso que enrolei para assistir, uma vez que esse título mais espanta do que atrai os espectadores. Porém, ignorando esse título péssimo, já adianto que a série é muito gostosinha de se assistir.

Essa mistura de comédia com suspense envolve a história de duas mulheres que se conhecem em um grupo de apoio a pessoas que estão de luto por algum motivo. Jen (Christina Applegate) ficou viúva após seu marido ser tragicamente atropelado, enquanto Judy (Linda Cardellini), carregada de segredos, tenta seguir a vida após perder seu noivo. A partir daí, uma amizade sincera entre as duas personagens começa a nascer, e os segredos que Judy carrega tornam-se cada vez mais perigosos.

Não vou comentar muito sobre a história em si, pois senão perde a graça. Logo no primeiro episódio o espectador se depara com situações que irão mudar o desfecho do seriado inteiro, e isso é muito legal. 

A série foi criada por Liz Feldman, e o elenco também conta com James Marsden (o Ciclope, em X-Men) no papel de ex-noivo da Judy. Em relação a química do elenco, não há o que reclamar. Applegate e Cardellini conseguem passar os dramas de suas personagens de maneira leve e convincente, nunca deixando de lado o humor ácido que é a base de construção do seriado.

O cenário dos episódios é de babar. Certamente todos terão vontade de morar na maravilhosa casa da Jen e tomar um vinho à beira da piscina (isso me lembra “Big Little Lies”, seriado da HBO que nos faz desejar viver na casa das personagens e tomar vinho todos os dias). Posso dizer que a produção caprichou nesse quesito!

Cada episódio possui um total de aproximadamente 30 minutos. E posso dizer que são 30 minutos muito bem aproveitados! O flashback é um recurso muito utilizado para causar reviravoltas e ajudar o espectador a construir uma linha de raciocínio, ao mesmo tempo que gera angústia principalmente em Judy. Não achei que o ritmo do seriado seja lento; acredito que a história se desenvolve em uma velocidade muito boa, com um total de 10 episódios. E, sinceramente, no final você fica desejando mais. A boa notícia é que a Netflix já anunciou que teremos uma segunda temporada! Aguardem!

Como eu disse anteriormente, “Dead to Me” é uma série muito gostosa de se assistir quando você quer ficar de bobeira. Como nem tudo são flores, não aguarde uma história mega surpreendente com um final 100% inesperado, até porque esse não é o objetivo da obra. A história é boa sim, e produzida com sucesso, mas conseguimos enxergar claramente seus limites. Acredito que “Dead to Me” cai muito bem naqueles dias em que não queremos pensar muito ou que queremos dar umas risadas. Ignore sua tradução horrível e dê uma chance! Garanto risadas e diversão!

  • Nota Geral

Dead to Me - 1ª temporada

“Dead to Me” é uma série cômica e interessante, tratando da amizade entre duas mulheres que se conhecem em um grupo de apoio a pessoas que estão de luto. Espere um teor de comédia com suspense, e algumas boas reviravoltas!

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon