Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

THE DISCOVERY (2017) – ORIGINAL NETFLIX

The Discovery tem uma intrigante proposta, condução simplória e apresenta desfecho duvidável.

Ficha Técnica
Direção: Charlie McDowell
Roteiro: Charlie McDowell e Justin Lader
Elenco: Jason Segel, Rooney Mara, Robert Redford, Riley Keosh, Jesse Pleomons e Ron Canada
Censura: 16 anos
Nacionalidade: USA, 2017.

 

Após quarenta anos de pesquisa, Thomas Harbor, um conceituado cientista, consegue comprovar por meio de ondas cerebrais em níveis subatômico que existe algum plano existencial após a morte.

Em The Discovery (A Descoberta), não restam dúvidas quanto à comprovação científica, a questão a ser trabalhada pelo roteiro são as consequências dessa informação. Uma onda de suicídios global tem início com pessoas justificando querer chegar logo “do outro lado”.

Após estabelecido o argumento do filme, que são os primeiros cinco minutos, somos apresentados a mais dois protagonistas: Isla e Will. Eles se conhecem num barco e, ao fundo, pelo telejornal, sabemos que já se passaram dois anos da “Descoberta” e mais de quarenta milhões de pessoas já cometeram suicídio.

O filme tinha um argumento intrigante, afinal, essa indagação do “pós morte” percorre as ciências humanas e exatas desde o século VII antes da Era Comum. Mas a condução do roteiro desanda ao trabalhar com o tema.

O roteiro não consegue focar nos dramas das personagens, nem nas informações científicas a respeito do cérebro, nem na questão filosófica sobre o suicídio. Chama o espectador para discutir as questões, abre vários caminhos e não conclui quase nenhum.

 

 

Explicações rasas a respeito das conclusões e métodos do cientista, atitudes contraditórias do neurocientista Will e desenvolvimento nulo das personagens, sobretudo Isla, que tinha potencial para ser trabalhado no drama.

O laboratório do cientista foi montado num cenário que parece um filme com máquinas dos anos 60. As personagens entram e saem de lugares privados com uma facilidade simplória. O roteiro parece duvidar da capacidade do espectador em ter o mínimo de bom senso com situações assim.

 

 

As decisões da narrativa não favorecem imersão num tema tão complexo. Os diálogos avançam pouco a trama e as situações apresentadas não parecem críveis em quase nenhum momento.

The Discovery vale pelo argumento inicial, peca na condução, mas deixa um desfecho que pode gerar boas conversas para quem gosta do tema.

Se você se interessa por desenvolvimento de personagens, dê um olhada neste artigo clicando aqui.

Quer indicações de bons filmes do catálogo da Netflix? Clique aqui e veja duas opções apimentadas.

Para quem quer ler uma boa ficção científica, veja aqui algumas indicações!

Até a próxima!

 

2

Resumo

The Discovery vale pelo argumento inicial, peca na condução, mas deixa um desfecho que pode gerar boas conversas para quem gosta do tema.

Sair da versão mobile