Crítica: Quando Estou com Marnie - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: Quando Estou com Marnie

Quando Estou com Marnie é uma animação indicada para o Oscar da categoria.

Ficha Técnica:
Direção: Hiromasa Yonebayashi
Roteiro: Hiromasa Yonebayashi, Keiko Niwa, Masashi Ando e David Freedman
Nacionalidade e lançamento: Japão, 2014 (19 de novembro de 2015)

Sinopse: A jovem Anne vai morar com os tios em uma pacata cidade. Nos arredores da região ela se depara com uma instigante mansão e uma enigmática menina, a Marnie. As duas estabelecem uma relação envolvente e encantadora.

quando estou com marnie poster

Mais uma produção do glorioso estúdio Ghibli (que já fez, dentre outros, O Conto da Princesa Kaguya e A Viagem de Chihiro). Quando Estou com Marnie – que também pode ser encontrado por As Memórias de Marnie – nos apresenta uma bela animação focada na história de Anne.

Anne tem 12 anos, alguns problemas de saúde e é uma excelente desenhista. Na primeira cena já fica marcado que tem um certo desconforto social. Ela descreve um círculo invisível onde as outras pessoas estão no interior dele e ela no exterior (o que pode denotar que ela está na posição de observadora, para por exemplo, pintar ou ainda que as demais crianças estão em um grupo fechado que ela não faz parte). Essa incompatibilidade é retomada em outros momentos da trama. Mas tudo muda quando ela encontra m Marnie uma amiga com quem consegue estabelecer um novo tipo de relação.

Marnie é uma garota que mora em uma mansão se veste de maneira pomposa e tal como Anne tem que lidar com questões familiares fortes – cada uma por motivos diferentes. Vamos descobrindo, aos poucos, pelas conversas das duas uma parte do passado e presente das garotas e também da personalidade delas. Essa descoberta é uma das melhores coisas do filme, pois vemos as personagens sendo construídas aos nossos olhos sob a perspectiva da outra.

quando estou com marnie fotografia

Os demais personagens tem funções bem secundárias e estão ali como muleta do roteiro. Alguns como o canoeiro silencioso ou a pintora Hisako poderiam ser melhor desenvolvidos. Mas é algo, até certo ponto, compreensível pela proposta da trama… o foco aqui é o autoconhecimento da personagem Anne.

A fotografia do filme nos expõe paisagens muito belas, principalmente envolvendo as águas daquela região (aliás, a natureza tem um papel sutil, porém importante aqui). Algumas vezes percebemos uma semi aquarelação na imagem, o que coaduna com o viés artístico de Anne. O belo trabalho se sobressai, também, ao contrapor as cores quentes, predominantes no longa, com um jogo de luz e sombra. Na primeira cena, por exemplo, a única pessoa que vemos “às escondidas” é Anne. E esse bom artifício é utilizado mais vezes para destacar outras sensações e personagens. A trilha, no todo bem suave, ajuda também a compor bem o cenário audiovisual.

quando estou com marnie aquarela

Se a apresentação e o desenvolvimento daquelas personagens, notadamente Anne, beiram a excelência, o final perde muita força. O bom plot acaba se diluindo em explicações desnecessárias em uma exposição bastante esquisita. Além de dar muitas voltas para ser um tanto óbvio no fim das contas. Mesmo assim, ainda há méritos ali (que prefiro não tratar aqui para evitar o spoiler).

Quando Estou com Marnie, no geral, é bem escrito pelo Hiromasa Yonebayashi (junto com Keiko Niwa, Masashi Ando e David Freedman), com diálogos interessantes e uma trama envolvente. A direção, também de Yonebayashi, permite uma humanização onírica daquela história: há momentos que nos pegamos envolvidos por um realismo assustador e em outros nos deixando levar por devaneios em uma mescla peculiar.

A indicação ao Oscar foi acertada, mas temos uma obra um tanto inferior a Anomalisa, Divertida Mente e ao nacional O Menino e o Mundo. A animação japonesa, contudo, supera, e muito, Shaun, O Carneiro – que apesar de engraçadinho está sobrando aqui dentre os indicados (O Bom Dinossauro ou Charlie Brown e Snoopy- Peanuts poderiam estar presentes).

Quando Estou com Marnie ainda está em cartaz, mas em pouquíssimos cinemas no Brasil. Apesar dos probleminhas do filme é muito válido conferi-lo na telona.

O Trailer contém spoileres, mas para quem quiser assistir o faça por conta e risco:

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon