Crítica: Shame - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: Shame

shame_poster

Lentamente, Sissy (Carey Mulligan) canta “New York, New York”. Entre longos takes de seu rosto, vemos cortes que mostram uma leve emoção de Brandon (Michael Fasbender). Em determinado momento da projeção, acompanhamos Brandon, o protagonista, correndo pelas ruas de madrugada. Os motivos do personagem podem ser os mais diversos, e nunca são explicados. As tomadas de câmera longas e sem cortes, bastante comuns neste filme de Steve McQueen, servem como momentos de reflexão necessários para o espectador mergulhar ainda mais a fundo no personagem, de forma a tentar entendê-lo.

shame1“Shame” é, portanto, um grande estudo de personagem. Brandon é um homem aparentemente normal perante a sociedade, mas consegue esconder muito bem seu distúrbio psicológico: ele é viciado em sexo. Mais do que isso, o personagem procura manter-se completamente afastado de qualquer relacionamento que possa causar um mínimo de envolvimento emocional. No momento em que sua irmã canta uma canção, sua emoção é talvez um resquício de alguém que se dá conta da doença que o afastou de seus familiares.

shame2Entre vídeos pornográficos seguidos de masturbação, prostitutas e encontros casuais, Brandon segue sua rotina tranquilamente até que sua irmã Sissy reaparece, quebrando seus hábitos e fazendo com que eles saltem aos olhos dos outros e, principalmente, de si mesmo. A partir de então, o personagem segue em uma jornada quase tão difícil quanto a de um viciado em drogas. Podemos entender que seu vício chega ao ápice quando, com tempo de projeção já avançado, ele se relaciona com outro homem apenas para satisfazer seus desejos. Não se trata de um personagem homossexual ou bissexual: seu vício ultrapassa qualquer definição de sexualidade, já que sua busca não é por um relacionamento, mas pela simples satisfação de seu desejo incurável por orgasmo.

Vale ressaltar, também, a interessante relação entre Brandon e Sissy. Mesmo que não haja qualquer tipo de incesto entre eles, a intimidade que eles carregam e a liberdade com que lidam com a nudez apenas reforçam a teoria de que eles viveram um passado conturbado, a ponto de criar dois irmãos claramente problemáticos. A inexistência de um dia ensolarado e os cenários completamente frios, envidraçados e impessoais apenas reforçam a atmosfera de reclusão e afastamento. Vale ressaltar a força da cena em que Brandon, na busca de satisfação, faz sexo com duas mulheres, mas a câmera insiste em mostrar seu rosto, que mostra um sofrimento tão grande a ponto de modificar completamente a feição do rosto (sob uma luz amarelada, fria e inquietante).

shame3

É uma pena que a maioria das pessoas terá seu foco na nudez, tão presente no filme. Em uma sociedade conservadora, em que a simples aparição de um pênis é mais chocante que o decepamento de um braço, muitos vão se esquecer das complexas características psicológicas dos personagens para concentrar seus esforços em incomodar-se com cenas eróticas.

Mas o que é um bom filme senão aquele que causa incômodo?

Nota: 4 claquetes

4-claquetes1

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon