Sombras da Noite - Crítica - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Sombras da Noite – Crítica

Algumas pessoas mantém uma conexão tão forte que mal conseguimos imaginar uma sem a outra. Um exemplo disso é como o trio Tim Burton, Johhny Depp e Helena Bonham Carter têm entre si e isso nos é passado de uma forma natural no novo filme Sombras da Noite que estreou essa sexta nos cinemas brasileiros. Esse é o 4° filme em que o trio trabalha junto, antes tivemos A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005), Sweeney Todd (2007), Alice no País das Maravilhas (2010), um filme diferente do outro mas com a marca registrada de Burton.

Sombras da Noite baseado no antigo seriado exibido entre 1966 e 1971 o qual já falamos aqui no Cinem(ação) pode ser considerado uma comédia sombria adulta. O filme tem algumas piadas mais voltadas a temática sexual, e cabe aos pais saberem se devem levar seus filhos ou não. A parte sombria do filme é uma grande homenagem aos antigos filmes de terror da Universal, a época clássica de Bela Lugosi, e não há como não comparar os trejeitos do vampiro Barnabas Collen (Johnny Depp) com o clássico Nosferatu.

A história do filme é narrada pelo próprio protagonista e que conta toda a sua sina no século XVIII até acordar na década de 70 onde se passa a trama. O filme tem muitos momentos engraçados, daqueles de fazer o cinema todo rir principalmente com a dupla Johnny Depp e Cloe Grace Moretz, aliás podemos ver que a atriz de apenas 15 anos já cresceu e está cada vez mais audaciosa em sua carreira, ela que sempre fez papel de personagens fortes, como a irmã conselheira no filme (500 dias com ela), a boca-suja e assassina profissional Hit-girl em Kick-Ass, e a vampira protagonista de Deixa Ela Entrar, e também no recente A Invenção de Hugo Cabret.

O filme se passa na cidade de Collinsport, uma cidade fictícia voltada a pesca no estado do Maine no nordeste dos Estados Unidos. O personagem de Depp é Barnabas Collins, herdeiro da fortuna Collins e que após ver sua amada morrer, interpretada por Bella Heathcote é amaldiçoado pela empregada de sua mansão que é loucamente apaixonada por ele, a bruxa Angelique Bouchard interpretada pela sensual Eva Green.

Acordando no meio dos anos 70, época conturbada dos Estados Unidos, por conta da guerra do Vietnã e a onda hippie, Barnabas volta a sua mansão e tenta criar laços com os membros que restaram de sua família. No papel da matriarca e chefe da família temos uma excelente Michelle Pfeiffer no papel de Elizabeth Collins, uma mulher forte e determinada a cuidar de sua família acima de tudo. Pfeiffer já havia trabalhado com Burton no filme Batman – O Retorno, onde foi a inesquecível Mulher Gato.

Temos sua filha rebelde e rockeira Carolyn interpretada por Chloe Moretz, que junto com Depp tem uma das melhores cenas do filme, mostrando o total choque de comportamento trazendo pela diferença de 200 anos de evolução social entre um e outro, não tem como não rir com ela tentando aconselhar Barbanas como conquistar uma garota nos anos 70.

Jonny Lee Miller é Roger o inescrupuloso irmão de Elizabeth, e pai de David (Gully McGrath) um jovem perturbado pelas visões de sua fantasma de sua mãe. Aliás o arco de David poderia ser melhor explicado e explorado por Burton, um dos poucos pecados do filme. Por causa do problema de David, junto da família vive a psiquiatra dra. Hoffman (Helena Bonham Carter) e também com a nova tutora, a cheia de segredos, Victoria Winter (também Bela Heathcote).

Mas não achem que o filme fica só no humor, Barnabas é um vampiro com V maiúsculo, não pensando duas vezes antes de se alimentar, ou hipnotizar alguém para seu benefício próprio. Aliás temos duas participações especialíssimas no filme. Uma é Christopher Lee, no papel do chefe dos capitães de barco de Collinsport, Lee que já foi um dos melhores Conde Dracula da história nas décadas de 50 e 60. E também a ilustre presença de Alice Cooper no papel de si mesmo e mandando rock and roll de excelente qualidade.

No filme também tem uma cena que a anos já percebi ser algo que ele gosta e nos remete aos antigos filmes de monstros citado no começo da crítica, a perseguição da criatura pelos habitantes enfurecidos da cidade. Cena essa que pode ser vista também em Edward Mãos de Tesoura e Batman o Retorno.

Sombras da Noite é um filme interessante, divertido, ideal para todos que gostam de um bom filme de monstros e principalmente do trio Burton-Depp-Carter.

 

 

 

 

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon