Jogos Vorazes - Critica - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Jogos Vorazes – Critica

“A única coisa mais perigosa que o medo é a esperança” essa frase dita pelo presidente Snow (Donald Sutherland) do fictício país Panem,  nos mostra vislumbre do mundo caótico em que Jogos Vorazes se passa.

Se pudermos explicar resumidamente do que se trata o filme do diretor Gary Ross com o apoio da própria escritora  e criadora do universo ficcional em que se passa a historia, Suzane Collins, é um misto de  Show de Truman misturado com Gladiador com Big Brother. Mas isso não deve ser motivo para não querer ver o filme e sim deve ser a motivação para você acabar de ler essa crítica e correr direto para os cinemas.

Um filme ímpar, no mundo de Jogos Vorazes, um lugar rico e abrangente, se faz  necessário  revisitá-lo nos cinemas várias vezes para buscar mais e mais detalhes e apreciar ainda mais este novo sucesso, já sendo considerada a 3ª maior abertura da história.

Em seu início já nos é mostrado “O Tratado da Traição”  no qual nos apresenta os motivos dos Jogos e sua real intenção. Onde em um mundo que ressurgiu após diversos desastres naturais, a nação de Panem ( do latim Panem et circus – Pão e Circo – ) era composta de uma Capital e seus 13 distritos, após uma tentativa de revolução o 13º distrito foi totalmente dizimado  e como lembrança de clemência e também de poder a Capital exige anualmente que cada um dos 12 distritos envie um rapaz e uma garota de idades entre 12 e 18 anos para participar dos Jogos Vorazes, onde apenas um poderá sair vivo e trazer prosperidade para seu povo durante um ano até o próximo jogo ocorrer.

O filme também conta com uma gama de excelentes atuações, em destaque especialíssima para a protagonista Jennifer Lawrence, que vem ganhando espaço e ótimas criticas, com destaque em sua atuação em X-Men Primeira Classe como a personagem mutante Mistica.

Quem tem excelente atuação, mas não é surpresa ante sua gama de bons papéis é o veterano Woody Harrelson, com um papel caricato mas super bem executado.

O filme é vendido como um sucessor de Harry Potter e Crepusculo. Mas em sua essência é totalmente diferente. Muito mais violento e visceral essa nova saga, ou trilogia melhor dizendo, prende os espectadores do começo ao fim. Totalmente imprevisível.

Incrível também ver toda a população em sua excentricidade e glamour e a diferença com os diferentes distritos.

O filme só peca em mesmo com suas mais de duas horas ainda correr um pouco no final. E também por não explicar ao público alguns elementos, como qual o significado do gesto que a protagonista Katniss faz e repercute de forma importante na trama deste filme.

Agora vão ao cinema e “que a sorte esteja  com você sempre”.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon