Crítica: A Mulher de Preto - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: A Mulher de Preto

Na Inglaterra “vitoriana”, o jovem advogado Arthur Kipps (Daniel Radcliffe) tem como única grande chance de sua carreira ir a uma distante cidadela para criar o inventário de uma casa, cujos proprietários faleceram. Viúvo e triste, ele deixa seu filho com a babá e segue viagem.

Como é de se esperar, o filme do diretor James Watkins tem grandes clichês de filmes de terror (ou seria de “medo”?): casa abandonada, fantasmas, uma história dramática como pano de fundo, e mortes misteriosas.

“A Mulher de Preto” é um típico suspense de fantasmas muito bem realizado. Baseado no romance de Susan Hill, o filme marca o retorno da produtora de filmes de terror Hammer Films, após muitos anos inativa, e tem como chamariz a presença de Daniel Radcliffe em seu primeiro trabalho depois do sucesso de Harry Potter.

Incrível na direção de arte, o filme tem elementos assustadores muito bem colocados, como brinquedos muito bem feitos, cenários assustadores e janelas que revelam reflexos amedrontadores. A casa “mal assombrada” e seus arredores, juntamente com a fotografia saturada e cinzenta são elementos que aumentam a tensão. No decorrer do filme, são muitos os momentos de sustos acompanhados por uma trilha sonora nada criativa, porém eficiente o bastante.

O filme ainda conta com Ciarán Hinds e Janet McTeer como um casal que, como metade da cidade, perdeu o filho em circuntâncias misteriosas. O casal consegue a façanha de conquistar o espectador mais do que o próprio ppersonagem principal.

As grandes falhas do filme estão no roteiro e no protagonista.

Além de muitas vezes óbvio no seu gênero (existe outra maneira de fazer filmes assim?), o roteiro repete clichês desnecessários, como personagens terciários exigindo que o visitante vá embora, ou personagens femininas se identificando com o protagonista em momentos de “quase-flerte”. Sempre com um final “surpreendente” ou “inesperado”, o roteiro ainda se preocupa em explicar tudo “tintim por tintim” – como se o espectador estivesse em busca de um documentário sobre fantasmas.

O protagonista Daniel Radcliffe não convence muito como advogado viúvo. Ele não é um ator ruim (embora ainda tenha aquele jeito esquisito), mas é muito jovem para tudo isso. Sim, nós sabemos que na época as pessoas tinham filhos e se casavam jovens, mas um ator na faixa dos 30 anos seria mais convincente. Mesmo com um roteiro que tenta aproximar o espectador do protagonista (assim sentimos mais medo e vibramos nas situações de suspense), Radcliffe é jovem mesmo com a barba por fazer.

Mesmo sem grandes arroubos, A Mulher de Preto dá sustos no espectador (é pra isso que nós vamos assistir, não é mesmo?), e marca um bom recomeço, tanto para a Hammer Films quanto para Daniel Radcliffe.

Nota: 3 claquetes

 

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon