Crítica: O Artista - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: O Artista

Dizem que a chegada do 3D vai mudar o cinema definitivamente. Quem diz isso talvez não se dê conta de que, em outro momento na história do cinema, uma revolução mudou totalmente o conceito de se fazer (e ver) os filmes. Quando o cinema falado começou a ser produzido, a maneira de conceber filmes mudou completamente, e com a mesma rapidez que novos rostos surgiram na telona, outros foram igualmente defenestrados dos estúdios.

“O Artista” conta a história de George Valentin (Jean Dujardin), um dos maiores galãs do cinema mudo que passa a viver sua decadência com o surgimento do cinema falado. Ele será ajudado por Peppy Miller (Bérénice Bejo), uma jovem atriz que passa a ganhar fama em filmes sonoros. Qualquer semelhança com fatos reais não é mera coincidência.

Dotado de uma metalinguagem excelentemente estruturada, que mostra cenas de filmes sendo exibidos nos típicos teatros da época, “O Artista” é recheado de elementos deliciosos de se admirar e degustar repetidas vezes, como um bom vinho.

Ao contrário do que fazem pensar, o filme não é totalmente mudo como eram os filmes até o final da década de 1920: em determinados momentos, o filme contém sons diegéticos (que vêm diretamente da cena filmada, ou seja, que os personagens escutam), e há falas no filme, mesmo que pouquíssimas.

Com uma fotografia impecável, que trata o preto e branco com tons de antigo mas ao mesmo tempo mantém um ar moderno, o filme de Michel Hazanavicius traz letreiros de falas exatamente como eram nos filmes da época.

O filme também extrai atuações excepctionais dos astros principais, cujas expressões são extremamente adequadas ao cinema mudo mas jamais parecem exageradas ou ridículas. O cãozinho Uggie bem poderia inaugurar uma categoria canina nas premiações, dado o seu esforço em roubar cenas e atrair a simpatia do público.

A trilha sonora perfeitamente conduzida e as inúmeras referências ao cinema da época fazem de “O Artista” uma grande homenagem ao cinema mudo. Talvez o principal mérito do filme seja mostrar ao espectador que é possível se entreter completamente sem qualquer fala… algo que infelizmente muitos espectadores não acreditam ser possível.

O Artista trata de um novo advento do cinema, retrata uma época de maneira saudosista, e valoriza as origens do cinema como forma de fazer o público entender o que realmente deve buscar na sala escura (algo que vem se perdendo em meio a explosões e pirotecnias digitais tridimensionais). Apesar de francês, o filme valoriza muito o cinema de Hollywood, e talvez por isso tenha recebido tanta atenção da Academia.

Pela leveza e sutileza com que trata a sétima arte, pelo saudosismo positivo e pelas atuações (humanas e caninas), “O Artista” é um filme simplesmente excelente, mesmo que sem arroubos de inovação ou entusiasmo.

Nota: 4 claquetes

 

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon