Crítica: A Invenção de Hugo Cabret - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: A Invenção de Hugo Cabret

Há algo de saudosista no reino de Hollywood. E, no caso de “Hugo Cabret”, isso é muito bom e salva o que  poderia ser um filme mediano (especialmente em se tratando de Martin Scorsese).

O novo filme do diretor de Taxi Driver não parece ser o que realmente é à primeira vista, mas ele é uma grande ode ao cinema feito nos primórdios da indústria, especialmente uma homenagem ao diretor e mágico Georges Méliès.

O filme conta a história de Hugo, um garoto que vive na estação de trem em Paris onde trabalha com relógios, ao mesmo tempo em que tenta recuperar uma estranha máquina que recebeu como herança do falecido pai. Aos poucos, ele descobre quem realmente é o velho rabugento dono da loja de brinquedos da estação: um dos maiores inventores do cinema.

Além de qualquer coisa, “A Invenção de Hugo Cabret” é um dos melhores “3D” já feitos. Scorsese sabe como encantar os olhos com belas cenas tridimensionais nas quais a profundidade é importante, e especialmente com os planos abertos que mostram a Paris dos anos 1930.

Scorsese decidiu dirigir este filme a pedido de sua filha, que queria que ele fizesse algo que ela pudesse ver. Isso é bastante explicativo se pensarmos no fato de que “Hugo” se torna, em diversos momentos, uma aula de história do Cinema: é como se ele fosse guiado por tudo o que deseja ensinar para sua filha.

Talvez seja o clima de “paizão” que faz Scorsese tomar decisões um pouco exageradas como diretor. Mesmo com a fotografia excelente e uma ambientação cuidadosa, o filme tem subtramas desnecessárias e para o desenrolar da história, no afã de se fazer as crianças rirem: como a dos velhinhos apaixonados e da paixão do inspetor cômico (Sacha Baron Cohen incrível como sempre). Scorsese não tem muito jeito com crianças, e podemos perceber isso não somente pelas raras situações realmente “infantis” (leia-se cômicas) no filme, e pelo fato de o filme ser, em diversos momentos, arrastado e lento.

Mesmo contando com um inspirado Ben Kingsley uma emocionante Helen McCrory, além da presença ilustre de Christopher Lee, os destaques ficam para Asa Butterfield (Hugo) e sua amiga Cloë Grace Moretz (Isabelle). Mesmo que a simpática menina seja incrivelmente parecida com a Hermione de Harry Potter, o protagonista (já experiente em cinema) mostra uma capacidade pouco vista em atores infanto juvenis, tanto nas cenas mais dramáticas quanto nas de ação.

A maior beleza de “A Invenção de Hugo Cabret” talvez esteja na discussão a respeito de quem somos e quem seremos. Em determinado momento, Hugo é perguntado sobre seu propósito na vida, e logo em seguida é feita uma relação com a necessidade de saber quem foram nossos pais para que possamos entender a que viemos. No fim das contas, Scorsese mostra sua história para que o espectador (sua filha) entenda melhor seu próprio objetivo, mas ao mesmo tempo essa lição também vale ao cinema: ao contar como surgiu a sétima arte, ele também indica para onde ela deve ir, e como prosseguir. Ora, se foi a paixão pelos sonhos que levou Méliès adiante, talvez seja a partir daí que o cinema deva prosseguir, especialmente agora com essa tecnologia do 3D.

Nota: 3 claquetes

 

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon