Crítica: Audrie & Daisy

Crítica: Audrie & Daisy

Audrie e Daisy é um documentário sobre adolescentes que sofreram as conseqüências de serem estupradas e terem o crime divulgado nas redes sociais.

Direção: Bonni Cohen e Jon Shenk

Elenco: Audrie Pott, Daisy Coleman, Delaney Henderson, Paige Parkhurst

Nacionalidade e Lançamento: EUA, 2016

Sinopse: Audrie e Daisy é um documentário original Netflix que trata sobre a história de duas jovens que foram estupradas em sua adolescência e que além do estupro também sofreram com a divulgação em redes sociais e a ignorância da sociedade.

Audrie Pott e Daisy Coleman é um daqueles documentários que faz você ficar revoltado e reflexivo ao mesmo tempo. Certamente não é um documentário para todo tipo de público, por tratar de temas extremamente delicados, como estupro e pedofilia, porém na nossa época de redes sociais e discussões feministas, o tema nunca foi tão atual e sua discussão necessária.

Audrie e Daisy eram ainda adolescentes, na faixa de 14 anos, quando foram embriagadas, sofreram estupro coletivo por colegas, de menor e maior idade e tiveram as fotos e imagens divulgadas na internet. Se isso não fosse o suficiente, elas também tiveram o julgamento da sociedade, colegas, delegados, promotores, culpando elas, as vítimas, pelo ocorrido.

O documentário norte americano, mostra um lado dos Estados Unidos que não temos muito contato, que é como os garotos em fase colegial são defendidos pela sociedade, principalmente se forem atletas. Isso porque lá na terra do Trump, o esporte é uma porta de entrada para Universidades melhores e campeonatos nacionais, fazendo a cidade X ou Y ter maior visibilidade. Com isso as autoridades protegem esses “heróis” de todo tipo de sujeira e crime, deixando-os praticamente impunes.

O documentário mostra a entrevista de dois jovens que estupraram a jovem Audrie, não é mostrado o rosto deles, apenas uma animação, onde narram todo o ocorrido, após apresentar a história de Audrie ele mostra a história de Daisy, sem antes mostrar a história de uma terceira garota, Delaney Henderson que servirá de um apoio necessário para Daisy e outras garotas que sofreram do mesmo crime.

O crime ainda mostra depoimentos de Daisy, seus familiares, e algumas autoridades como o delegado e o prefeito, esses dois últimos, você vai querer entrar na tela e dar um muro na cara deles, tamanho machismo e cinismo que essas duas figuras que representam a autoridade demonstram.

Audrie e Daisy pode ser complementado também pelo documentário The Hunting Ground, que aborda os estupros de jovens em universidades americanas, onde você verá a mesma culpabilidade da vítima e a impunidade dos agressores.

Um documentário que te causa um incômodo e tristeza, mas extremamente necessário para termos mais consciência do que as garotas e mulheres ao redor do mundo sofrem e lutarmos pela igualdade de direitos e a punição dos criminosos.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • Maurício Costa

    A pior parte é imaginar que grande parte do público as culpa pelo que ocorreu. Eu fiquei chocado com o nivel de cara de pau do delegado. Mais estúpido do que o promotor de Amanda Knox.