Quando o coração faz turu turu turu turu…

Quando o coração faz turu turu turu turu…

Nessa data desejamos é estar ao lado de quem se ama, sentir seu toque, seu cheiro, poder pegar na sua mão e sorrir de alguma bobagem, relembrar momentos felizes que passamos fazer planos para o futuro, reinventar a própria história nesse dia e nos muitos dias que ainda virão, porque nossa vontade é de poder estar com nosso amor para sempre, mas…

Existem também aqueles momentos em que estamos sós e sem ninguém para compartilhar essa data tão romântica e não podemos entristecer, porque afinal nada como dar tempo ao tempo.

Esse ano você pode planejar algo com outra amiga, ir ao cinema, ver algum show, viajar! Não pode esquecer que sua alma gêmea pode estar exatamente como você. Procurando! Ou não!!! Você pode estar muito bem solteira (como eu!) e feliz com o esse estágio da sua vida.

A verdade é que estando você nesse 12 de junho com seu amado ou não seja feliz, porque o importante é se sentir bem nessa vida. E o mais importante. Não coloque sua felicidade nas mãos de outra pessoa. Seria um peso muito maior do que ele pudesse carregar a não ser você mesma.

O Dia dos Namorados é mais uma oportunidade de celebrar o amor – tal como o são outras datas. Alguns casais cumprem o ritual de ir jantar fora para celebrar o aniversário de casamento, o aniversário de namoro ou até o aniversário da data em que se conheceram. Outros não valorizam nenhuma destas datas mas alimentam a relação com viagens anuais – que são outro tipo de rituais.

Nos Estados Unidos e na Europa, comemora-se todo dia 14 de fevereiro o dia de São Valentim. Ele era um bispo da Igreja Católica que foi executado depois de ter se apaixonado pela filha do carcereiro, no século II. Ele escrevia para ela muitas cartas de amor e assinava sempre: do seu namorado, do seu Valentim. Por isso, o costume de enviar cartas para amigas, amigos e namoradas e namorados neste dia.

No Brasil, a data foi criada com o intuito de fazer com que as pessoas comprassem mais presentes. O dia escolhido foi o 12 de junho, véspera do dia dedicado ao Santo Antônio, o santo casamenteiro, segundo a crença popular.

A ideia inicial pode ter sido um tanto quanto interesseira, afinal, escolheram o mês de junho por ser um mês fraco de vendas, no entanto seja qual quer que seja a data que se comemora um namoro, uma paixão, um relacionamento a dois, o importante é o amor e o carinho que são demonstrados, compartilhados e vivenciados por um casal.

Para os psicólogos, a importância do amor na vida do ser humano é muito além do que imaginamos. Não só no sentido etimológico do amor, mas sim a soma das partes, o amor como um todo, não só palavras, é o amor de mãe, amor platônico, amor carnal, amor à primeira vista, todo amor que houver neste mundo, mas no sentido amplo do sentimento mais profundo que possa existir.

É preciso compreender que amor não se confunde com apego. A pessoa que ama não prende e sim liberta o ser amado para que este escolha o seu próprio caminho. O amor não é físico, portanto se contenta em vê-lo bem e feliz. A maior felicidade de quem já aprendeu a amar é saber que quem se ama está feliz, ainda que distante. É necessário entender que não devemos ser egoístas.

Para sobrevivermos temos que comer e amar. A comida – obviamente – tem a ver com a nossa sobrevivência física. Já, o amor, tem a ver com as nossas dores de existir. Não sabemos de onde viemos e nem para onde vamos. Não entendemos porque vamos envelhecer e porque vamos morrer. Não há respostas para essas nossas questões.

Para não enlouquecermos, precisamos nos submeter a alguma crença ou à proteção de alguém que – supostamente – achamos que amenizará esse nosso desespero de existir. Portanto, amar alguém e ter alguma fé, é de fundamental importância para a manutenção da nossa sanidade mental.

Como você se sente depois de assistir a um filme romântico? Fica sonhando acordada (o) com o momento em que também encontrará a pessoa dos seus sonhos? As comédias românticas são um dos gêneros mais populares do mundo do cinema. Super previsíveis, é possível adivinhar pelo cartaz do filme as cenas que aparecerão na telona. Mas não perde o encanto.

 

ODEIO O DIA DOS NAMORADOS (2013 – BRASIL)

Débora é daquelas pessoas que detestam o Dia dos Namorados, nem tanto por estar sozinha (é opção dela) mas por considerá-lo um sentimento bobo, que faz as pessoas agirem como crianças. Após dispensar Heitor, após Débora ser pedida em casamento por este, pois queria investir em sua carreira de publicitária e aceitar uma proposta de trabalho em Tóquio.  Anos depois, no Dia dos Namorados, surge uma campanha de publicidade, ela aceita e descobre que o assistente do seu cliente é Heitor, seu ex-namorado. Diante desta situação as coisas mudam quando ela é obrigada a rever toda sua vida ao lado de Gilberto, um ex-colega de trabalho que já faleceu e que retorna para ajudá-la quando ela está à beira da morte.

Uma comédia nacional, estrelado por Heloísa Périssé, Marcelo Saback, Daniel Boaventura, Daniele Valente, David Lucas, Julia Rabelo, André Mattos, MV Bill, Toni Tornado e Fernando Caruso. Filme dirigido por Roberto Santucci e escrito por Paulo Cursino.

 

IDAS E VINDAS DO AMOR (2010 – EUA)

O título original de Idas e Vindas do Amor já diz tudo: “Valentine’s Day“. O longa-metragem traz diversas histórias envolvendo a data, seja com casais comemorando-a ou pessoas desiludidas por estarem sozinhas.

O filme começa com Reed Bennet pedindo Morely Clarkson em casamento. Ela aceita, porém prefere não utilizar a aliança de noivado. A amiga de Reed, Julia Fitzpatrick também está muito contente com o seu novo relacionamento com o médico Harrison Copeland, porém ele terá que passar o dia dos namorados em São Francisco. Liz Corynn também está muito contente por ter passado a noite com o seu namorado Jason Morris. Já Felicia Miller deu saltos de alegria quando recebeu um grande urso de pelúcia de seu namorado Willy Harrington. O astro do futebol Sean Jackson está solitário porque quer muito ter um casamento e filhos. Kara Monahan também está solitária e em todos os dias dos namorados, ela tem a tradição de realizar uma festa de “eu odeio o dia dos namorados“. No voo para Los Angeles, Holden Bristow conhece a capitã Kate Greatson. Edgar Paddington) vive um casamento de longa data com Estelle Paddington enquanto cuida do neto Edison Hazeltine. Grace Smart trabalha como babá de Edison e é melhor amiga de Felicia. Ela acredita estar pronta para dormir com o namorado, Alex Franklin. Já Kelvin Moore é um repórter que odeia o dia dos namorados. Após muitas reviravoltas, idas e vindas, alguns casais se separam e encontram seu verdadeiro amor enquanto outros permanecem juntos ou sozinhos.

O lado comercial dos festejos e a cobertura da mídia não ficam de fora desta comédia romântica com elenco estelar: Julia Roberts, Jessica Alba, Ashton Kutcher, Jamie Foxx, Anne Hathaway, Bradley Cooper, Jennifer Garner, Jessica Biel, Patrick Dempsey, Emma Roberts, Héctor Elizondo, Shirley MacLaine, Quenn Latifah, Kathy Bates, Carter Jenkins entre outros. Filme dirigido por Garry Marshall, a história foi escrita originalmente pela Katherine Fugate, mas depois foi revisada por Abby Kohn e Mark Silverstein e teve produção de Mike Karz e Wayne Allan Rice.

 

EU ODEIO O DIA DOS NAMORADOS (2009 – EUA)

Não confundir com a comédia nacional, aqui a dupla Vardalos e Corbett está de volta e pela primeira vez reunida, depois de Casamento Grego. Genevieve é uma florista e Greg um restaurador, que têm um relacionamento descomprometido. Genevieve tenta não sair com um homem por mais de cinco vezes para não ficar com o coração partido e Greg já passou por uma porção de relacionamentos desastrosos. Apesar de Greg concordar com Genevieve de não sair com ela muitas vezes, eles não percebem que estão apaixonados de verdade. A trama aposta no velho medo de se arriscar demais em um novo relacionamento. É claro que nem sempre o coração obedece às regras impostas pela razão. Com Nia Vardalos, John Corbett, Bem Zook, Stephen Guarino, Zoe Kazan, Rachel Dratch, Mike Starr entre outros. Tem direção de Nia Vardalos e rodução de Stephen David.

 

 

Nem só de romances é o dia dos namorados

Comemorar qualquer data festiva nos Estados Unidos é um hábito arriscado, E quando qualquer data mais ou menos conhecida é desculpa para matar, sobrou até para o Dia dos Namorados!

 

DIA DOS NAMORADOS MACABROS (1981 – CANADÁ)

É um filme de terror de baixo-custo, do subgênero slasher. Veio na onda de Halloween (1978) e Sexta-Feira 13 (1980).

Durante o baile de namorados de 1961, ocorre um acidente numa mina canadense, deixando vários mortos. Mas parece que apenas um sobreviveu, segundo conta uma lenda local, e se chamaria “Harry Warden“. Após 20 anos (1981), o prefeito local resolve reabrir o baile de namorados. Mas isso não agradou a alguém e a delegacia da pequena cidade de Valentine’s Bluff recebe caixa de bombons contendo coração humano. É o primeiro de uma série que chegarão para tirar o sono do xerife da, anteriormente, pacata localidade. Direção de George Mihalka, com produção de John Dunning, André Link e Stephen Miller. No elenco Paul Kelman, Lori Hallier, Neil Affleck, Keith Knight, Alf Humphreys, Cynthia Dale, Helene Udy, Rob Stein, Thomas Kovacs, Terry Waterland, Carl Marotte, Don Francks.

 

DIA DOS NAMORADOS MACABROS (2009 – EUA)

É um remake do filme canadense de 1981, sendo está produção de 2009 uma produção americana. O filme é dirigido por Patrick Lussier, com produção de Jack L. Murray e roteiro de Zane Smith e Todd Farmer. Estrelado por Jensen Ackles, Jaime King, Kerr Smith, Edi Gathegi, Tom Atkins, Betsy Rue, Kevin Tighe, Marc Macaulay, Megan Boone, Richard John Walter, Gabriela de Sena e Selene Luna.

Na refilmagem o longa ganhou como atração extra o fato de ter sido lançado também em 3D – daí a imensa bola de fogo que avança sobre o público em uma sala de cinema.

A imagem do Dia dos Namorados como uma data feita para casais apaixonados por vezes é usada de forma bastante diferente no cinema. É o caso de Dia dos Namorados Macabro, terror que acompanha as consequências de um terrível assassinato, que resulta na morte de 22 pessoas em pleno Dia dos Namorados.

 

DIA DO TERROR (2001 – EUA)

O Dia do Terror segue a mesma linha de Dia dos Namorados Macabro, usando a data como pano de fundo para uma história de terror.

O enredo do filme gira em torno de Kate Paige, Dorothy, Lily e Shelley, amigas inseparáveis, que cresceram juntas, estudaram juntas e que têm o mesmo sonho de um dia encontrar o homem perfeito. As quatro eram um grupo extremamente unido no colégio: desprezando os nerds e dominando as outras garotas. O tempo passa e as meninas crescem ainda unidas, mas cada uma conduzindo a sua própria vida. Kate se vê envolvida por jornalista e escritor de esportes chamado Adam e sente que ele também está atraído por ela. O filme começa um dia antes de um dia dos namorados, quando as amigas se reúnem para o funeral de um amigo. Depois, elas passam a receber estranhas e assustadoras mensagens de dia dos namorados. 

No começo, elas acham que é brincadeira, mas, enfim, encontram um detetive Leon Vaughn investigando a causa da morte da amiga e ele diz que pode haver um elo entre as mensagens e algum acontecimento do passado – quando eram adolescentes, elas atormentaram um menino durante um baile de dia dos namorados. Um menino chamado Jeremy Melton. A polícia tenta traçar um paralelo entre aquele menino do passado com algum rapaz do futuro, mas estão longe de encontrar a verdade. Ela não encontra nenhum endereço recente, fotografia ou qualquer informação a respeito do suposto causador das ameaças. Se Jeremy Melton ainda existe, ele pode ser qualquer um, em qualquer lugar.

É um filme produzido em 2001, pela Warner Bros. Pictures, em Associação com Village Roadshow Pictures. Foi dirigido por Jamie Blanks, roteiro de Donna Powers, Gretchen Berg, Aaron Harberts e baseado em Valentine de Tom Savage. Conta no elenco com Marley Shelton, Denise Richards, Jessica Capshaw, Jessica Caulffel, Katherine Heigl, David Boreanaz, Fulvio Cecere,

 

O MASSACRE DE CHICAGO (1967 – EUA)

Nem comemoração entre casais, nem filmes de terror. O Massacre de Chicago parte de uma história real que, por acaso, caiu bem no Dia dos Namorados americano.

O longa-metragem produzido e dirigido por Roger Corman para a Twentieth Century-Fox. O roteiro de Howard Browne é baseado no Massacre do Dia de São Valentim, ocorrido em 1929 na cidade de Chicago, Illinois. Capangas de Al Capone fizeram uma emboscada para matar nomes importantes de uma gangue rival. Na época, durante a Lei Seca, a cidade de Chicago sofre com a guerra do crime organizado envolvendo Al Capone e George “Bugs” Moran. Moran usa seus principais capangas, os violentos irmãos Peter e Frank Gusenberg, para intimidar os donos de bares e forçá-los a lhes aceitarem como fornecedores de bebida ilegal no lugar de Capone. Ao mesmo tempo considera que Capone é protegido pela Máfia e decide matar o chefão Lolordo com a ajuda do traidor Aiello. Enquanto isso, Capone escolhe Jack McGurn para armar uma emboscada para matar Moran.

No elenco astros como Jason Robards, George Segal, Ralph Meeker, Jean Hale, Clint Ritchie, David Canary, Harold J. Stone, Joseph Campanella, Bruce Dern, Joseph Turkel, Jack Nicholson faz uma pequena aparição como um gângster, Dick Miller interpreta um dos falsos policiais envolvidos no massacre, entre outros.

 

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR (1959 – EUA)

O que faz este clássico dirigido por Billy Wilder neste artigo? Quanto Mais Quente Melhor não tem Dia dos Namorados, mas traz uma cena que é inspirada no massacre de São Valentim, em Chicago. No filme dois músicos de jazz acabam sendo testemunhas ocasionais do assassinato, sendo perseguidos por mafiosos que não fazem parte da gangue de Capone (mas é como se fosse). Disfarçando-se como mulheres, eles se juntam a uma banda de jazz onde todos os membros são do sexo feminino e pegam um trem com destino à ensolarada Flórida. Enquanto Joe finge ser um milionário para ganhar Sugar, a cantora sexy da banda, Jerry vê-se perseguido por um verdadeiro milionário.

De qualquer forma, é uma boa desculpa para assistir a esta divertidíssima comédia estrelada por Marilyn Monroe, Tony Curtis e Jack Lemmon. Ainda no elenco George Raft, Pat O’Brien, Joe E. Brown, Joan Shawlee, Billy Gray, George E. Stone e Dave Berry.

 

E com diria Drummond em seu poema “As Sem-Razões do Amor”

 

Eu te amo porque te amo.

Não precisas ser amante,

E nem sempre sabes sê-lo.

Eu te amo porque te amo.

Amor é estado de graça

E com amor não se paga.

Amor é dado de graça

É semeado no vento,

Na cachoeira, no eclipse.

Amor foge a dicionários

E a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo

Bastante ou demais a mim.

Porque amor não se troca,

Não se conjuga nem se ama.

Porque amor é amor a nada,

Feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,

E da morte vencedor,

Por mais que o matem (e matam)

A cada instante de amor.

Amar significa sobretudo compreender o verdadeiro significado da palavra. Quem compreende aceita, não julga nem critica.

Amor beira a loucura do existir, burla regras, lida com perigo, com falta de sentidos. E transcende as diversas limitações que nos contornam. O amor insiste em trazer novos significados, em lançar luz na escuridão do existir. E descobrimos que bom mesmo é morrer de amor.

Desejo – a exemplo de Victor Hugo – que você aprenda a se divertir mais e complicar menos. E que vivendo, possa morrer de amor…

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon