Crítica: La Casa de Papel (1ª temporada)

Crítica: La Casa de Papel (1ª temporada)

Ficha técnica: La Casa de Papel

Criação: Álex Pina

Elenco: Úrsula Corberó, Paco Tous, Alba Flores, Enrique Arce, Álvaro Morte

Nacionalidade e Lançamento: Espanha, 2017

Sinopse: Um homem conhecido como “Professor” recruta 8 pessoas para participar de um plano de assalto brilhante envolvendo a Casa da Moeda, na Espanha.

A primeira temporada de “La Casa de Papel” foi disponibilizada pela Netflix em dezembro de 2017 e já está fazendo grande sucesso. Não é por menos: a série é excelente. Não irei fazer uma análise profunda do seriado neste post, pois seria necessário citar muitos spoilers. E eu realmente não quero estragar as surpresas que cada episódio traz para o espectador!

O enredo gira em torno de um assalto épico. Um homem inteligentíssimo chamado de Professor (Álvaro Morte) organiza um plano incrível para invadir a Casa da Moeda da Espanha, local onde é impresso o dinheiro do país. Para isso, ele convida 8 participantes com diferentes habilidades necessárias para o assalto. Essas pessoas, para proteger seus próprios nomes, são instruídas pelo Professor a escolher o nome de uma cidade para a comunicação entre eles. Assim, os personagens são: Professor, Tóquio (Úrsula Corberó), Oslo (Roberto García), Rio (Miguel Herrán), Berlim (Pedro Alonso), Denver (Jaime Lorente), Nairobi (Alba Flores), Moscou (Paco Tous) e Helsinque (Darko Peric). Toda a história é narrada por Tóquio, através de sua perspectiva.

O Professor bolou uma série de regras para que o assalto seja um sucesso. Entre elas, há a regra do não envolvimento entre os assaltantes. Claramente isso será desrespeitado, fato exposto logo no primeiro episódio. A quebra de algumas regras causa importantes repercussões no plano. E, até certo ponto, parece que o Professor sempre possui uma resposta e um plano B para cada problema.

O assalto dura vários dias, e 67 reféns ficam dentro da Casa da Moeda com os assaltantes. Mas tudo isso faz parte do plano para conter e enrolar a polícia; afinal, tempo é dinheiro. Com o passar dos episódios, relacionamentos são criados e destruídos, novas partes do plano são reveladas ao espectador e mais apreensivos nós ficamos. Não se trata da história de um simples assalto, é muito mais do que isso. Até que ponto os assaltantes aguentam? E o que fazer quando a situação não sai como o esperado? Será que se render é a melhor saída? Obedecer ou não obedecer às regras impostas pelo Professor: São muitas perguntas que podem ter diferentes respostas para cada pessoa.

Além dos assaltantes, também acompanhamos a rotina da polícia. A inspetora Raquel (Itziar Ituño) é a responsável pelo caso, e fica em contato com o Professor, tentando uma negociação. Sem saber como, ela percebe que o Professor está sempre um passo à frente. Além de lidar com essa situação tensa e estressante, ela também deve dar conta de seus problemas pessoais.

Como geralmente ocorre nos seriados, criamos certo apego a alguns personagens e abominamos a atitude de outros. Foi durante esses sentimentos de raiva, indignação e até admiração que eu tive por alguns personagens que eu percebi como o elenco é excelente. Não há um ator ou atriz sequer que eu penso que poderia ter ficado de fora. Cada um deles desempenhou seu papel primorosamente, incorporando seus respectivos personagens de maneira íntegra. Em minha opinião, os maiores destaques foram de Pedro Alonso (Berlim), Jaime Lorente (Denver), Alba Flores (Nairobi) e Álvaro Morte (Professor). Mas é realmente difícil escolher, pois todos são excelentes. O mais incrível é que os personagens me convenceram e torcer pelos assaltantes, e não pela polícia. Muito louco.

Em suma, “La Casa de Papel” é um seriado incrível, um dos melhores que já assisti. O último episódio da primeira temporada é de tirar o fôlego, e com a melhor música para um momento crucial (aos curiosos, é uma música italiana chamada “Bella ciao”, na versão de Manu Pilas. Entretanto, se não conhecem a música, recomendo só escutá-la no próprio episódio!) Assim, a primeira temporada termina de um modo chocante, para deixar o espectador sedento pela próxima. E fiquem ligados, pois a segunda temporada será disponibilizada em abril deste ano!

  • Nota Geral
5

Resumo

“La Casa de Papel” é um dos melhores seriados que já assisti. Não conta a história de um simples assalto, mas sim de um assalto minuciosamente planejado por um homem muito inteligente. Podem contar com muita ação, planos incríveis e um final de temporada que te deixa sem ar.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon