ROCHA)S( #11 - "G L A U B E R I Z A R . É PRECISO"

ROCHA)S( #11 – “G L A U B E R I Z A R . É PRECISO”

“Acorda HUMANIDADEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE”

 

O grito de clamor do personagem clássico da cinematografia baiana e nacional, SUPEROUTRO (Bertrand Duarte), fruto insano da mente complexa e extraviada do CRIADOR (o cineasta Edgard Navarro) e da CRIATURA.

Após ver o filme e passear pelos canais de TV a cabo, estacionei no Canal Brasil.
Na tela, um documentário – que não recordo o nome – sobre o fatídico “Anos de Chumbo” da ditadura militar no Brasil, e o exílio de cantores, poetas, pensadores (em especial Gil e Caetano).

 

REVOLUÇÃO: mudança || transformação || evolução (viagem ao determinismo do século XIX) || ideologia || posição social || coragem

CENSURA: proibições || imposições || arbitrariedades || intolerância

 

“O singular da ARTE e os plurais do VETO”.

 

Ver os registros daquela época nefasta da nossa história me fez constatar que hoje as balas não são mais de chumbo, mas gatilhos ainda são apertados.
O passado ainda assombra e se faz presente.
Mas triste do que a censura de um governo ditatorial é quando a mordaça parte de nós mesmos.
Os primeiros que se mostram à favor da liberdade, de lutar por ela, muitas vezes caímos na armadilha do auto-boicote.
Temos repulsa ao carimbo vermelho de “censurado”, mas enclausuramos o roteiro, minimizamos a narrativa, e amordaçamos as personagens.

A juventude atual, mais preocupada em sustentar a embalagem estereotipada de uma persona fake, com o objetivo da auto-afirmação e promoção, destroem o poder de construção ideológica conquistado há anos atrás.

 

“O senso crítico, não é mais crítico e virou nonsense”.

 

A juventude revolucionária, realizadora e contestadora do mundo e de si mesmos, é coisa rara, escassa, e em breve deve se restringir apenas à um imaginário coletivo-individual.
A alma da revolução ao qual me refiro, não se limita a vestir uma camisa representativa, sair pelas ruas ostentando cartazes e cuspindo frases de efeitos sonoros previamente construídas. A essência é muito mais profunda. Começa em um maturação individual, passa por um processo de compreensão e formação de opinião, e se finda
na construção de uma identidade, de um senso crítico apurado e contestador.

Como Millôr (cacófago antropofágico), o melhor!, não tenho nenhum carinho pelos gramáticos. Desde os que enveredam-se pela docência aos que engessam a língua nas páginas ocas das gramáticas normativas.
Apesar da minha aversão à ela e à eles, nesse processo de imersão diária que mergulhei para encontrar a “VERDADE” do filme, criei um verbo e obriguei-me a conjugá-lo diariamente, não apenas no processo alvenérico do roteiro.

 

G L A U B E R  I Z A R .
Verbo infinitivo, atemporal, conjugado de diferentes perspectivas.

GLAUBERIZAR, se faz necessário.
GLAUBERIZAR, é vital para a existência do CINEMA e do HOMEM.

 

Para ver essa arte, outras ilustrações, foto-montagens, colagens, e conhecer o trabalho da Adriana Lisboa: Tumblr: http://adrianalisboapictures.tumblr.com/ || Instagram: https://instagram.com/adrianasalisboa ||Pinterest: https://www.pinterest.com/adrianalisboa71/

 

E para comprar seu exemplar do livro “Griphos Meus: Cinema, Literatura, Música, Política & outros Gozos Crônicos” (R$25) com: FRETE GRÁTIS (para todo Brasil) & 01 GRIPHO BÔNUS (em forma de carta escrita à mão pelo próprio autor) é só enviar um E-MAIL ([email protected]) ou pelo INSTAGRAM (http://instagram.com/livrogriphosmeus)

 

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon