Crítica: Thor - O Mundo Sombrio - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: Thor – O Mundo Sombrio

Dos super-heróis que compõem os Vingadores da Marvel Studios, o único que tinha seus poderes não por conta de tecnologia e sim por causa de uma herança genética tida como divina é o Deus do Trovão Thor.

Mas essa “divindade” vai embora no filme “Thor – O Mundo Sombrio”, segundo filme solo do herói asgardiano agora muito mais humano e divertido. No elenco são poucas novidades, portanto não perdemos tempo conhecendo enxurradas de novos personagens. Como no primeiro filme o início é marcado por um flashback narrado por Odin, “O Pai de Todos” (interpretado por Anthony Hopkins) onde conta a história do primeiro povo a habitar um  nove Reinos existentes, os malignos Elfos Negros liderados por Malekith (Christopher Eccleston), que quer trazer uma era de trevas para todos os Universos.

Thor e Loki

Voltando ao presente, o filme faz referência direta ao final dos Vingadores com o vilão Loki (Tom Hidlleston, fenomenal) sendo julgado e condenado por ter tentar dominar a Terra ou Midgard.  Aliás, a relação de Loki e Thor (Chris Hemsworth) é um dos pontos fortes do filme, sendo essa relação um misto amor, ódio, afeição e esperança.

Dessa vez conhecemos muito mais do mundo de Asgard que realmente mostra a fusão entre ciência e magia, com guerreiros com espada e escudo e armas laser, além de naves espaciais, o que acaba por lembrar o reino de Etérnia (sim o do He-Man!). Quanto à trama do filme, ela é bem interessante ao retratar os nove reinos e sua conexão, e o roteiro traz algumas coincidências meio forçadas para o espectador, mas isso não chega a atrapalhar o andamento do filme.

Darcy e Natalie

O filme dessa vez é mais engraçado que seu antecessor, mas a personagem mais divertida sem dúvida é a parceira da Jane Foster (Natalie Portman), a divertidíssima Darcy Lewis (Kat Dennings), que é conhecida do grande público por conta do seriado Two Broke Girls. Quem também tem uma participação maior e mais interessante são os asgardianos Heimmdall (Idris Elba) e a Rainha de Asgard Frigga (Rene Russo) com direito até mesmo a uma boa cena de ação.

No total, “Thor – O Mundo Sombrio” é um dos melhores e mais divertidos filmes da Marvel Studios junto com Homem de Ferro 1 e os próprios Vingadores, com personagens multidimensionais e belíssimos cenários.

thor1

* O filme traz ainda duas cenas pós crédito, uma após os créditos iniciais que faz link com o vindouro filme Guardiões da Galaxia e outra no fim dos créditos de rolo com os personagens principais de Thor.

 

 

 

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon