O Matador x O Homem do Ano - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

O Matador x O Homem do Ano

O diretor José Henrique Fonseca, que está com “Heleno” nos cinemas, também dirigiu o filme “O Homem do Ano”, baseado no livro de Patrícia Melo.

“Tudo começou quando eu perdi uma aposta”

Máiquel perde uma aposta e se vê obrigado e tingir o cabelo de loiro. Em seguida, mata acidentalmente um bandido que todos odiavam, e por isso passa a ser venerado pela vizinhança, e a trabalhar como matador profissional.

“Depois que matei Suel, muita coisa mudou na minha vida. Acabou-se a lógica. Eu ia pela margem, no escuro, eu andava na contramão e tudo bem margens e contramão. Eu fazia tudo errado, ninguém via, e se via não ligava e se ligava, esquecia, porque a vida é assim, já foi dito que tudo acaba assim, no esgoto do esquecimento”.

O livro de Patrícia Melo se chama “O Matador”, e o filme “O Homem do Ano”. São a mesma pessoa: Máiquel (Murilo Benício, no filme).

A história fala dos medos da classe média, dos pensamentos fascistas que a falta de proteção policial faz as pessoas ter. Mostra o lado mais grotesco a que o ser humano pode chegar devido à violência.

No filme, o espectador pode sentir algum tipo de empatia com Máiquel. No livro, não. O personagem principal, e todos os outros que o cercam (com apenas uma exceção), são nojentos, canalhas, desumanos. O estilo seco e bruto do texto de Patrícia Melo faz com que o leitor sinta uma mistura de ódio e pena dos personagens, mas sem nunca ultrapassar o limite que faria o leitor deixar o livro de lado.

“Neno pediu pelo amor de Deus para eu não matá-lo. Mas eu não acreditava mais em Deus. Eu acreditava em úlceras. Eu vou te matar, seu filho da puta, eu vou te matar porque, a partir de agora, eu sou o matador. Eu sou a grade, o cachorro, o muro, o caco de vidro afiado. Eu sou o arame farpado, a porta blindada. Eu sou o Matador. Bang. Bang. Bang.”

O cinema brasileiro está cheio de adaptações de livros. Aproveite para ler também.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon