ROCHA)S( #01 - "Primeiro tratamento - O Boom da criação".

ROCHA )S( #01 – “Primeiro tratamento – O Boom da criação”.

(pós-big BANG)

– tratamento de roteiro nº 01 –

 

 

“Verbum volat, scriptum Manet.”

(A palavra voa, a escrita permanece).

 

Com medo da caixa preta ganhar o céu em voo rasante e se perder no tempo: Registro.

Com medo que a vida me acerte e que elas morram comigo, sem registro:

… Elas (as lembranças, os registros) me perseguem, sempre à surdina, na espera oportuna para adentrar em meus poros, e invadir as páginas da minh’alma.

 

CORTA PARA

(momentos antes do BOOM)

 

Antes de liberta-se da cadeia de ideias e pensamentos que regem o universo, a “criatura” passa por um processo de autofecundação que nos é inerente.  Ansiar, esperar, forçar, são verbos insuficientes no “big-bang” que a mente humana provoca diariamente. Ela surge de atos despretensiosos, situações cotidianas e em alguns casos reais.

 

Um surto criativo é como a morte. Uma certeza indefinida.

Não tem tempo, tampouco espaço.

Partículas que se juntam no cosmo. O esboço do todo. O rascunho de um quebra-cabeça que ainda virá.

 

Nesse caso, a época onde celebramos o nascimento, os laços (atados no pós parto). O solo fértil e familiar do Natal testemunha o surgimento de um ciclo e o fim de outro. A storyline de um filme – ironicamente, italiano – aperta o gatilho. Não de um revólver, mas de uma arma ainda mais eficiente. A palavra.

 

Nos laços italianos, a revolução é vista da janela do quarto.

Nos laços brasileiros, a guerra é fria e já está condicionada em todos os cômodos há anos, mas ninguém nota ou simplesmente finge não notar.

 

Os inocentes despertam a curiosidade, enquanto os ingênuos… Ah os ingênuos, eles já não comungam mais do mesmo presépio.

 

O laço se desfaz, as máscaras caem e a farsa acaba

(três que virão).

O teatro sai de cena e passa o bastão para um cinema, não necessariamente novo, mas essencialmente revolucionário. Uma revolução quente, aberta, decalcada de um acontecimento real, desenhada por um grafite afiado de crueza e nudez, desprovido de alegorias e acessórios natalinos sob a orientação espiritual da autenticidade do seu guia.

 

– 18 anos e cineasta [?]-

– Quase trinta e quem somos nós [?].

 

Sempre que a voz indaga a “PROFISSÃO”, o momento é da pausa dramática, e – ainda com dúvida e temor – respondemos com a firmeza de um ator medíocre.

Tenho o filme (na cabeça) e os diálogos (no roteiro).

– O mantra histórico “uma ideia na cabeça e uma câmera na mão” ainda funciona em tempos de ideias obsoletas e câmeras 4D?

 

O pano caiu e revela as reais respostas.

O querer, me fez sentir na prática – ainda que apenas na superfície da imersão – como é árdua e escrota, a tarefa de realizar cinema “independente” no Brasil. Sem papel, sem nome, sem “pistola”. Na guerrilha!

 

Para ver essa, outras ilustrações e conhecer o trabalho da Adriana Lisboahttp://adrianalisboapictures.tumblr.com/

E para comprar seu exemplar do livro “Griphos Meus: Cinema, Literatura, Música, Política & outros Gozos Crônicos” (R$25) é só enviar um e-mail diretamente para o autor ([email protected]). Quem reside em Salvador, o FRETE É GRÁTIS!

 

Próximo texto: Segunda-feira || Dia 30/03 || às 22H

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon