Batalhas Mitológicas - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Batalhas Mitológicas

por Rodrigo Stucchi

Às vésperas da estreia do novo filme de Hércules no cinema, que tal relembrar de algumas batalhas mitológicas retratadas na telona? No mês passado, escrevi sobre 5 Batalhas Medievais. Se você também é fã dos épicos, como eu, não deixe de ler os dois posts! Sem delongas, vamos à mitologia grega:

f6Fúria de Titãs
Clash of the Titans (2010)
Clash of the Titans 2: Wrath of the Titans (2012)

A mitologia grega sempre rende boas batalhas e nesses dois filmes não é diferente. A história é focada na trajetória de Perseu (Sam Worthington), que se recusa a aceitar a condição de semideus quando descobre que é o filho mortal de Zeus (Liam Neeson). Contudo, para salvar a cidade de Argos da fúria dos deuses do olimpo e da vingança de seu tio Hades (Ralph Fiennes), ele vai ter que enfrentar uma perigosa jornada contra terríveis criaturas como a Medusa para salvar os simples mortais e a bela Andrômeda (Alexa Davalos) do sacrifício para o monstro Kraken. Já no segundo filme, Perseu leva uma vida pacata de pescador enquanto cria seu filho, Hélio (John Bell), dez anos depois dos acontecimentos do primeiro longa. Os deuses estão enfraquecidos, já que os humanos não estão mais rezando para eles. Esta situação permite que Hades e Ares (Édgar Ramírez) elaborem um plano para libertar Cronos, o pai de Hades, Zeus e Poseidon (Danny Huston), que está aprisionado no tártaro. Para que o plano funcione Hades e Ares capturam Zeus, o que faz com que Perseus parta para salvá-lo.

Apesar do filme não ter sido rodado em 3D, ele também pôde (e pode em DVD) ser encontrado no formato porque recebeu uma conversão antes mesmo de estrear no cinema. A película recebeu muitas críticas por isso, mas eu particularmente achei os dois filmes demais! Por incrível que pareça, assim como em O Senhor dos Anéis, este também é um exemplo raro de série cuja sequência é melhor que o primeiro. Assista e opine!

troia1Batalhas de Troia
Helena de Troia (Helen of Troy: 2003)
Troia (Troy: 2004)

Há duas versões lançadas recentemente, pós ano 2000, sobre a história de Troia, suas batalhas contra os outros gregos, se defendendo atrás de uma grande muralha que circundava a cidade, os motivos pelos quais iniciou-se a sangrenta guerra que durou uma década e os papéis de seus principais guerreiros. Este, de 2003, retrata com fidelidade a Ilíada, poema grego que narra os acontecimentos ocorridos no período de pouco mais de 50 dias durante o décimo e último ano da Guerra de Troia. A Ilíada é atribuída a Homero, que se julga ter vivido por volta do século VIII a.C., na Jônia (lugar que hoje é uma região da Turquia), e constitui o mais antigo e extenso documento literário grego (e ocidental) que chegou nos nossos dias. O filme tem direção de John Kent Harrison e os atores principais são Sienna Guillory (Helena), Matthew Marsden (Paris) e Rufus Sewell (Agamemnon).

Ao contrário do anterior, “Troia” não é totalmente fiel à história conhecida, mas traz um super elenco e efeitos especiais dignos das melhores produções. Mas os principais, sem dúvida, são Brad Pitt (Achilles), Eric Bana (Heitor) e Orlando Bloom (Paris). O filme dirigido por Wolfgang Petersen vale a pena ser visto pela super produção, pelos efeitos e cenas de ação. Mas não tente comparar demais com o anterior ou com a história de fato. A chance de se frustar é grande.

300300
300 (2006)
300: A Ascensão do Império (300: Rise of an Empire: 2014)

Esta super produção retrata mais uma história grega. O primeiro filme se passa na Grécia no ano 480 A.C. Na Batalha de Termópilas, o rei Leônidas (Gerard Butler) e seus 300 guerreiros espartanos lutam bravamente contra o numeroso exército do rei Xerxes (Rodrigo Santoro). Após três dias de muita luta, todos os espartanos são mortos. O sacrifício e a dedicação destes homens une a Grécia no combate contra o inimigo persa. Já no segundo, após a morte do pai, Xerxes dá início a uma jornada de vingança e ruma em direção à Grécia, com seu exército sendo liderado por Artemisia (Eva Green). Enquanto os 300 espartanos liderados por Leonidas tantam combater o Deus-Rei, os exércitos do resto da Grécia se unem para uma batalha com as tropas de Artemisia no mar. Themistocles (Sullivan Stapleton) é o responsável por liderar os gregos. Os filmes possuem efeitos especiais bem diferentes. A câmera lenta é usada demais, o colorido da película é único e as batalhas são de tirar o fôlego! Ah, também vale a pena ver o “brazuca” Rodrigo Santoro brilhar nas telonas norte-americanas! Não acha?

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon