Dica de Filme / Crítica: Cães de Aluguel - Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Dica de Filme / Crítica: Cães de Aluguel

Cães de Aluguel (Reservoir Dogs, 1992) é o primeiro longa metragem da carreira de Quentin Tarantino. Com as mesmas características imutáveis do diretor, o filme contém muitas cenas de sangue e montagem rápida.

O filme mostra o planejamento e as conseqüências de um assalto mal sucedido a uma joalheria. O grupo de bandidos descobre que um deles é um policial infiltrado e a partir de então começam a buscar por respostas.

Uma das características mais interessantes de Quentin Tarantino é a maneira como ele consegue caracterizar os personagens através de diálogos e de histórias que eles contam sobre o que lhes aconteceu. Em Cães de Aluguel, existe até mesmo um momento em que uma história inventada é exibida em forma de flashback, fornecendo assim a falsa impressão de que aquilo realmente aconteceu. Assim, entendemos que a mentira foi bem contada.

A ordem não cronológica dos fatos é especialmente importante para causar o impacto das revelações. Cortes rápidos nos levam a montar, aos poucos, o quebra cabeça de um assalto mal sucedido. Conforme vamos sendo apresentados aos personagens, entendemos seus objetivos na empreitada que eles tem juntos, e entendemos ainda mais suas atitudes. É interessante como Mr. White não tem flashbacks que remontem sua origem, mas podemos entender, pelos diálogos, que ele é bastante próximo do “chefe” Joe Cabot, e é um veterano do crime. Sua amizade com Mr. Orange demonstra que ele tem um mínimo de compaixão, ao contrário dos outros, especialmente daquele que não tem compaixão sequer para dar um dólar de gorjeta no restaurante.

A maneira como Tarantino move sua câmera para mostrar um novo elemento à cena, ou para poupar uma cena violenta ao espectador, guiam de maneira a mostrar somente aquilo que é necessário para o espectador entender os detalhes da trama no tempo certo. Tarantino sabe colocar somente as informações importantes na tela. Somente o que choca, o que conta a história, o que caracteriza os personagens e cria tensão. O assalto em si, os motivos, não são importantes.

Também é interessante pensar naquilo que Cães de Aluguel não conta. Ele não conta os motivos do roubo da joalheria, e nem o que seria feito, efetivamente, com os diamantes roubados. A informação não interessa. Interessa apenas saber quem traiu o grupo e como o impasse vai se acabar.

Cães de Aluguel é um ótimo exemplo de como um bom diretor não precisa produzir filmes medianos para ganhar maturidade. Afinal, Quentin Tarantino mostra sua inteligência e talento já em seu primeiro longa metragem.

Nota: 3 claquetes

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Material close icon