Entrevista com Maurício Costa, Diretor do Filme #UberXTáxis
#UberXTáxis - entrevista Maurício Costa

Entrevista com Maurício Costa, Diretor do Filme #UberXTáxis

A polêmica #UberXTáxis tem gerado discussões nas redes sociais, nos palanques do congresso e nas ruas. Essa questão resultou em um documentário nacional dirigido pelo gaúcho, atualmente morador do DF, Maurício Costa.

#UberXTáxis contará com uma pré-estreia no Distrito Federal, dia 18 de dezembro, às 20h, no Cine Brasília. Entrada Franca. E em breve o longa contará com uma crítica aqui no Cinem(ação).

Diplomata, crítico de cinema, professor e coeditor do site Razão de Aspecto, Maurício já nos deu entrevista no ano passado (que você pode conferir aqui) sobre o filme anterior, o também documentário #EradosGigantes. Desta vez, Costa fala sobre os novos desafios, projetos futuros e sobre o “acalorado” (palavras dele) tema.

#UberXTáxis - entrevista Maurício Costa

1)Maurício, como surgiu a ideia para o #UberXTáxis?

Quando estava no processo de finalização do meu primeiro filme, a discussão sobre chegada do aplicativo Uber no Brasil e, especificamente, em Brasília, estava começando a ganhar corpo. A polêmica em torno do tema chamou a minha atenção, devido às paixões que desperta e às questões que envolve. Naquele momento, pensei: este é um tema que precisa ser discutido para além das reportagens, mostrando todos os pontos de vista envolvidos. Assim, eu decidi executar esse projeto.

2) As entrevistas te surpreenderam de alguma forma?

Sim, meu ponto de vista estritamente pessoal mudou ao longo das entrevistas. Há muitas nuances em cada questão, nada é preto e branco. São mais de cinquenta tons de cinza. Fui surpreendido, especialmente, pelos relatos dos motoristas dos aplicativos.

3) Em relação ao teu filme anterior, o também documentário #EradosGigantes, você manteve a mesma linha ou alterou o teu estilo?

No geral, mantive meu estilo. Gosto de trazer para meus filmes os debates das redes sociais, afinal, os grandes debates de hoje em dia acontecem por lá. Por outro lado, a montagem segue um formato diferente, já que, neste filme, há muitas cenas externas e entrevistas em carros em movimento. Além disso, este filme coloca o espectador no banco do passageiro e explora os percursos e as paisagens de Brasília. Por fim, a concepção da trilha sonora é totalmente diferente, com músicas originais misturando ritmos brasileiros com efeitos cibernéticos – um grande trabalho de Ramiro Galas.

4) Tal qual o tema do primeiro filme, os aplicativos para transporte geram inúmeros debates. Como você espera que o público vá receber o teu longa?

Acaloradamente. Considerando o tamanho da polêmica em torno do tema, é possível que haja quem acuse o filme de tomar determinadas posições sem tê-lo visto. Espero que meu filme contribua pro debate sobre o assunto, afinal, praticamente nenhum tema relacionado aos aplicativos ficou de fora, incluindo o ponto de vista e a posição dos taxistas.

5) Qual foi a parte mais difícil de filmar/produzir o #UberXTáxis? E teve alguma que foi mais tranquila do que você previa?

Em termos de produção, as entrevistas nos carros em movimento foram as mais complexas. Há pouco espaço e muitas pessoas dentro do carro, há algumas limitações para a fotografiae para o som, mas conseguimos alcançar um bom resultado. Entre as mais tranquilas, incluo as entrevistas em São Paulo, com a Cabify, a 99 e o Sindicato dos Taxistas.

6) No ano passado você falou sobre um projeto de um documentário sobre cotas. O projeto está mantido? 

Sim, está mantido. Começo as filmagens agora em dezembro. Este novo projeto discutirá as fraudes nas cotas, o critério de autodeclaração, as comissões de verificação e a localização da população parda nesse processo. O nome provisório é “Autodeclarado”.

7) Maurício, deixe um recado final para os seus fãs e para aqueles que se interessaram pelo teu filme.

Não acredito que eu tenha fãs, mas deixo uma mensagem para os interessados no tema. Fizemos um filme totalmente independente, como muito esforço de dedicação, sobre um tema que mexe coma vida de milhões de pessoas no Brasil e no mundo. Para os brasilienses, fica o convite para a nossa sessão de pré-estreia, no dia 18 de dezembro, no Cine Brasília. Temos o primeiro filme sobre o tema no mundo feito aqui na nossa terra, e seria uma honra contar com a presença do fãs de cinema.



Você conhecer mais o Maurício no site Razão de Aspecto e na participação que ele teve no nosso

Podcast Cinem(ação) #224: A Netflix Vai Matar o Cinema?

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • Bruno Luiz

    Estou na dúvida se vou de Táxi ou Uber para o Cine Brasília… de qualquer forma, peguei carona na ideia, porém, confesso que me interessei mais pelo futuro documentário sobre Cotas.

  • Lucas Albuquerque

    Cotas acho que é um debate ainda mais quente… quero ver o que ele vai aprontar na questão da linguagem do filme. Depois de tornar um documentário sobre política externa algo palatável e de explorar os caminhos dos aplicativos, deve vir coisa boa por aí