As Mathildas #11: Porque precisamos de negras no audiovisual

As Mathildas #11: Porque precisamos de negras no audiovisual

É com muito muito muito orgulho que as Mathildas Iole Melo e Grecia Baffa convidaram a Camila Cerdeiro, do site Preta, Nerd & Burning Hell, que já participou do podcast Cinem(ação) #210, sobre estupro e abuso no cinema.

De forma leve, elas trouxeram na pauta assuntos sobre como a Camila começou a falar representatividade de mulheres negras no audiovisual. Você sabe por que isso é tão importante? Por que cada vez mais vamos falar sobre isso? Vamos parar de perguntar tanto e ir logo dar o play? rs rs

Ah, e tem novidade no podcast. Quem será que vai sacar? 😀

Download | Feed | iTunes

Alguns materiais citados durante o papo foram:

Cultura das Mathildas (indicações):

  • Camila: livro O ódio que você semeia; musical Hamilton (estilo rap e hip-hop); filme Get Out (monstro é o racismo!!!!)
  • Jabá da Camila:

Site: http://www.pretaenerd.com.br/

Facebook: https://www.facebook.com/pretaenerd

Instagram: https://www.instagram.com/pretanerdburning/

Twitter: https://twitter.com/pretaenerd

  • Iole: filme Cheappie
  • Grecia: seriado Dear White People (tá na Netflix!!!) e blog Blogueiras Negras;

Citamos mais algo e não está na lista? Deixe um comentário!

Links das Mathildas:

Críticas, elogios, sugestões para mathildas@cinemacao.com ou no facebook.com/asmathildas ou ainda pelo twitter.com/asmathildas

Marca criada por: Letícia Locatelli | Edição do podcast por: ISSOaí Design Estratégico

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • Henrique Rizatto

    Olá meninas, como sempre foi um excelente podcast, parabéns! Ouvindo vocês na hora lembrei de um excelente exemplo de atriz negra que está ganhando um grande e positivo destaque.. estou falando da atriz Sonequa Martin-Green, ela participava de The Walking Dead desde a terceira temporada e deixou a série no final da sétima temporada para protagonizar a próxima série da franquia Star Trek – Star Trek: Discovery, sendo a primeira protagonista negra da franquia. Lembrando que a franquia já teve uma personagem negra importante, a tenente Uhura, interpretada pela atriz Nichelle Nichols, mas na época seu papel era considerado coadjuvante. Mais uma vez parabéns pelo podcast e por falar de temas tão importantes…

  • Fernando Machado

    Olá garotas… Ótimo programa.
    Me fez lembrar da Leslie Jones que numa entrevista disse que só se tornou atriz depois de ver a Whoopie Goldberg atuando. Ali ela pensou “tem negras na TV / Cinema”. Isso é representatividade…
    Parabéns pelo programa, e bora chamar o pessoal para comentar aqui.

  • Danielle Pereira

    Parabéns pelo belo trabalho, Mathildas! Muito bom mesmo ver questões tão importantes pautadas com responsabilidade e com uma linguagem super acessível! Essa discussão me fez lembrar de um filme incrível e gostaria de deixar a dica aqui. Além de tratar de racismo a partir da ótica da mulher, ainda é uma referência brasileira. Para quem não conhece: https://www.youtube.com/watch?v=Ll8EYEygU0o

  • Iole Melo

    Obrigada, Danielle!!
    Queremos sempre trazer os melhores temas com diferentes pontos de vistas para as nossas ouvintes!
    Com certeza vou ver sua indicação e volto aqui para contar o que achei tb!

    Beijos beijos

  • Olá Mathildas 🙂 , tudo bem? Parabéns pelo episódio mais uma vez. Enquanto ouvia, lembrava de várias coisas. Uma delas já foi citada nos comentários que é a entrevista da Leslie Jone, de Caça-Fantasmas, quando ela comenta a importância da Whoopi Goldberg pra ela. A outra é em relação as personagens femininas em séries de Tv como em Legends of Tomorow e Flash. Mesmo sendo em menor número em relação as personagens brancas, elas pelo que vejo fogem de estereotipo. Talvez por esse mesmo motivo é que me incomodo em ver que grande parte do público não tenha aceitado a Iris em Flash apenas pela mudança na adaptação da personagem. Não conheço muito da personagem nos quadrinhos, mas pelo que sei a sua essência foi mantida. Além disso, a atriz faz um belo trabalho. Gostaria de dar um exemplo da 3º temporada, mas ai seria um grande spoiler heheh

    Outra série que tem um bom número de personagens femininas interessantes e fortes é Luke Cage. O trio Claire Temple, Misty Knight e a Black Mariah. Claro que a série não é perfeita, mas tem uma ótima variação e profundidade de personagens negros.

    Em relação as personagens, a gente realmente tem muito pouco. Além das citadas, que são mais voltadas para o público infantil, nas novelas temos poucas atrizes tendo espaço. Isso sem falar nos problemas dos estereótipos que muitas das personagens delas acabam caindo.

    Grande abraço, Mathildas 🙂

  • Opaa, tudo bem Marcus? Obrigada pelo elogio e pelo comentário! Eu morro de felicidade quando uma pessoa vem até aqui para comentar, de verdade. Espero que continue nos ouvindo! Um abraço grande!!

  • Tudo bem, Grecia, e você? Obrigado por me responder. E pode ter certeza que vou continuar ouvindo vocês sim. Curto muito!!!!