Tristan Aronovich: cineasta fala sobre sua dedicação por “Alguém Qualquer”

Tristan Aronovich: cineasta fala sobre sua dedicação por “Alguém Qualquer”

Tristan-Aronovich_diretorQuem vê o ator e diretor Tristan Aronovich demora a entender que é ele quem vive Zé, o protagonista de “Alguém Qualquer“, filme que estreia dia 4 de dezembro em São Paulo. O longa conta a história de amor entre duas pessoas muito diferentes, mas com algo em comum: são “invisíveis” na sociedade. Pelo trailer já podemos ver que o filme foi um grande desafio, já que há nele uma carga dramática muito intensa, além de um debate interessante sobre algumas pessoas que muitas vezes passam despercebidas no dia a dia.

Conversamos com o diretor, e ele nos contou como surgiu a ideia de fazer o filme, como foi a escolha do ritmo e desafio de viver o protagonista. Confira abaixo a conversa:

 

Como surgiu a ideia de fazer o filme “Alguém Qualquer”?
O embrião da ideia já vem de longa data. Acredito que a inspiração tenha surgido essencialmente de duas fontes: a primeira certamente foi minha mãe, Raquel Cunha, uma grande socióloga e humanista que me educou de modo privilegiado, me fazendo conviver sempre em completa igualdade e fraternidade junto às classes menos privilegiadas da nossa sociedade. Cresci frequentando assiduamente a pastoral do menor, albergues para sem-teto e movimentos indigenistas. Isso certamente influenciou minha perspectiva e gerou um interesse grande em contar as estórias das pessoas tão especiais com quem convivi. A segunda fonte de inspiração brotou já na idade adulta. Acabei me tornando muito próximo de um homem extremamente simples, calado, humilde. Um desses trabalhadores que dedicam suas vidas, de sol a sol, à labuta – ainda que as pessoas ao redor nem sequer saibam seu nome. Saber de sua história pessoal de vida me comoveu muito, e aí não fui mais capaz de segurar. Como artista, senti a necessidade de dar vazão a isso tudo. Foi então que nasceu o “Alguém Qualquer”.

Imagino que os estudos para conceber os personagens principais tenha sido intenso. Como você enxerga as pessoas “invisíveis” da sociedade?
Sim, a preparação para as personagens principais foi intensa. Me preparei como prepararia um concerto de música clássica: estudando a personagem de 4 a 6 horas por dia ao longo de 6 meses. Trabalhei verdadeiramente como faxineiro e aprendi a reparar e construir cestas, balaios, berços e brinquedos de palha e vime (de modo que tudo que aparece no filme pudesse ter sido de fato construído por mim) pois achava essencial mergulhar de corpo e alma na vida e na realidade da personagem. Outros atores e atrizes como a Amanda Maya também se dedicaram demais na preparação, realizando viagens de pesquisa e vivência e laboratórios intensos. Todos nós (elenco do filme) enxergamos os “invisíveis” da sociedade e criamos laços intensos de amor e carinho durante nossas preparações, logo, para nós não são invisíveis. Muito pelo contrário, são os motores que fazem nosso mundo girar!

Quais foram as principais dificuldades da filmagem no que diz respeito à linguagem, locações e luz, por exemplo? Como foi o processo de escolha de posicionamento de câmera e fotografia para que os personagens fossem retratados da melhor forma?
Ensaiei com minha equipe de câmera tanto quanto ensaiei com meus atores. Visitei as locações antecipadamente, criei todo o desenho e mapa de luz (luz é uma obsessão minha, algo que me fascina!) com base na estética barroca e “tenebrista” por uma série de razões estéticas referentes aos
conflitos internos vivenciados por cada personagem. Depois disso, testei e afinei com os fotógrafos cada plano e enquadramento até que chegamos às escolhas definitivas.

Desde o princípio, você já pensava em ser o Zé? Como foi o trabalho para desenvolver o personagem com seus trejeitos e características físicas?
Sim, já pensava em dar vida à esse papel devido ao amor que nutri pelas pessoas que inspiraram o roteiro. Foi sem dúvida um desafio e tanto, mas com muito laboratório, pesquisa, paciência e prática o personagem foi nascendo e ganhando vida. Utilizei diversas técnicas para compor o Zé, mas, sem dúvida, os pilares do desenvolvimento dessa personagem estão em Stanislavsky, Michael Chekhov e Stella Adler, três grandes mestres das artes dramáticas cujas técnicas e ensinamentos eu utilizo há mais de uma década.

AlguemQualquer02

Como têm sido as exibições do filme? De que forma o público tem reagido a ele?
Acredito que as reações não poderiam ser melhores. Me surpreendi com o estado emocional de algumas plateias e sem dúvida isso é muito
gratificante – saber que sua arte realmente tocou alguém. Todos nós conhecemos os protagonistas desse filme, convivemos com eles diariamente,
e acho que isso é o que provoca essa identificação intensa. Evidentemente, às vezes o público mais jovem não se identifica tanto, afinal de contas o filme não apresenta perseguições de carros, explosões nem efeitos especiais! Por outro lado, “Alguém Qualquer” dialoga com lado mais humano de todos nós, e isso não tem idade.

Após participações em festivais nos Estados Unidos, existe algum festival no Brasil que esteja nos planos? Ou só o lançamento comercial?
Não. No Brasil somente o lançamento comercial.

Você pensou em fazer este filme após realizar longas de ação. Houve alguma dificuldade em criar o ritmo mais lento de “Alguém Qualquer”? Você o considera resultado de um crescimento profissional enquanto cineasta?
Essa é uma excelente pergunta. Eu espero de coração estar constantemente evoluindo e me aprimorando como artista e como ser-humano. Nunca parei de estudar, praticar e aprender. Dessa forma, certamente espero que “Alguém Qualquer” seja mais maduro do que os trabalhos que eu havia feito anteriormente. Se realmente é, só o público poderá dizer. Quanto ao ritmo, creio que cada história, cada roteiro pede um ritmo próprio. Cabe então ao diretor descobrir esse ritmo e trabalhar com toda a equipe para que a história seja traduzida para a tela de acordo com esse ritmo. No “Alguém Qualquer”, até mesmo a música foi composta pensando no motivo rítmico do conjunto.

Quais filmes e cineastas mais te inspiraram na realização deste filme?
Muitos cineastas e artistas me inspiraram na realização deste filme, mas eu poderia citar alguns em particular: Wim Wenders (principalmente com “Paris, Texas”), David Lynch (em seu trabalho em “Uma História Real”), e Hal Ashby em “Ensina-me a Viver”.

“Alguém Qualquer” começa a ser exibido no dia 4 de dezembro, no Espaço Itaú de Cinema (Shopping Frei Caneca), em São Paulo.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • Gilson

    Assisti ao filme com minha esposa e nos emocionamos. Mas também, percebemos na trama como milhares de pessoas passam pela vida desapercebidas, sem sabermos que elas pensam ou como realmente são. A rotina do dia a dia nos condiciona a só nos preocuparmos com nossos problemas pessoais, nossos trabalhos, nossa família, nosso mundinho e nada mais. Esquecendo de observarmos a vida ao nosso redor, as pessoas, nosso vizinho, por exemplo, parece que nos tornamos autômatos de um mundo arquitetado para o individualismo.

  • aldinofilho AACF

    Foi por acaso, zapeando na tv que me deparei com essa obra prima. Assistimos ao filme e depois repensei em tudo o que já vi por ai…super produções etc…esse sim eh um filme serio que trata de um assunto humano com seriedade, humanidade e com amor de verdade que eh vindo de Deus. Parabéns ao ator/produtor Tristan Aronovich. Mais ALGUÉM QUALQUER, menos super-produções norte-americanas. PARABÉNS.

  • Daniel Lemos Cury

    realmente, o filme passa essa mensagem bonita e nos faz pensar a respeito

  • Daniel Lemos Cury

    Verdade, Aldino. E a trajetória do filme foi muito legal, já que ele está alcançando cada vez mais gente!

  • Alexsandro Ferreira

    Confesso que por alguns instantes estava odiando o filme, pois ainda não estava entendendo o real significado da historia, em pouco menos de 2 minutos já estava em lagrimas, o filme me deu um soco direto no coração, fiquei surpreso com a tamanha dramaticidade do filme, com os personagens e seus jeitinhos, que nos faziam ficar cada minuto preso ao filme( ou longa). na minha opinião, um Ótimo filme, irei recomendar sempre que possível!

  • Gean Cavalcante

    belo filme,desse tipo que faz se pensar qual é o verdadeiro significado da vida!!!