As Mathildas #13: O que o pornô fez com a gente?

As Mathildas #13: O que o pornô fez com a gente?

Sim, elas causaram mais uma vez! As Mathildas Iole Melo e Grecia Baffa trouxeram neste episódio não uma, não duas, mas TRÊS girls power para falar sobre o polêmico e famigerado pornô. Elas tiveram o PRAZER de receber a Marcela Ponce de Leon (podcast Baseado em Fatos Surreais), a Daísy Quintino (que ainda não tem podcast mas tá super engajada na podosfera) e a Flávia Eloá, do canal no YouTube Quem Nunca?.

Pornô é legal? Afeta a autoestima da mulher? E a performance? As meninas assistem? Qual o melhor? E existe filme pornô feminista? Essas e outras perguntas elas respondem detalhadamente neste podcast que sim, está BEM polêmico! Tá esperando o quê para dar o play???

AJUDA NÓIIIIIS! Como? Sendo nossa fada madrinha ou fado madrinho! Entre no Apoia.se e contribua com alguns dinheirinhos para a gente continuar firme e forte aqui! <3

Download | Feed | iTunes

Alguns materiais citados durante o papo foram:

Cultura das Mathildas (indicações):

Jabá das meninas:

Marcela: Twitter @tudoquecabeaqui e @bfsurreais

Daísy: Twitter @daisyjs5

Flávia: YouTube Quem Nunca?

Citamos mais algo e não está na lista? Deixe um comentário!

Links das Mathildas:

Críticas, elogios, sugestões para mathildas@cinemacao.com, no Twitter @asmathildas ou no Instagram @asmathildasoficial.

Marca criada por: Letícia Locatelli | Edição do podcast por: ISSOaí Design Estratégico

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • Arthur CRRY

    Não só nos hentais de dragon ball, mas no próprio desenho original os japoneses colocaram muito de sua sexualidade reprimida, há inúmeras cenas de nudez de cunho erótico e até homoerótico!

  • Alan Michael Scott

    Não só nos hentais de dragon ball, mas no próprio desenho original os criadores colocaram muito de sua sexualidade reprimida, há inúmeras cenas de nudez de cunho erótico e até homoerótico!

  • Iole Melo

    Oi Alexander!
    Que legal que gostou do nosso papo e que vai continuar acompanhando a gente! Muito obrigada!!

    É bem interessante ver a diferença de ed. sexual entra as mulheres e homens dentro de casa (a minha instrução máxima era apenas: “não transe”).

    E o tabu ainda existe também, até em mios mais “informais”. Mas vamos continuar falando sobre!

    Concordamos que homens são escrotos haha

    Obrigada pelo seu comentário!
    Abraços!

  • Iole Melo

    Eu sinceramente nem lembro mais de Dragon ball, mas essas cenas eróticas devem estar no meu sub-consciente ainda. haha

    Obrigada pelo comentário! <3

  • Lohan Massote

    Ouvinte novo, conheci vocês no ACC de BDSM, aliás ótima participação.
    Tenho 16 anos e minha família sempre foi muito aberta quanto a sexo, desde de cedo eles tiravam todas as duvidas que eu e minha irmã tínhamos, e sobre os videos nunca entendi muito bem como aqueles videos em que a mulher esta visivelmente sentindo dor deixavam alguém exitado. Enfim, ótimo podcast, logo vou maratonar, e uma duvida: As mulheres tem orgasmo com mais facilidade com sexo oral ?

  • Alan Michael Scott

    Pois é, algumas delas eu olho hoje em dia e não acredito como isso passou na TV como por exemplo tem uns episódios onde o personagem Rikum tem a roupa rasgada durante a luta ficando com a bunda toda exposta, como se isso não bastasse ele ainda cai derrotado de bunda pra cima, a cena é absurda, olha só kkk: https://uploads.disquscdn.com/images/260bc70c4f290569589121bbcf01b611b681c8b310837e15892df743d941f6f9.jpg

  • Alexandre Gonçalves

    Meninas, só posso dizer que é uma honra editar o cast de vcs. Parabéns a todas por mais um cast fantástico, e às convidadas, Marcela, Daísy e Flávia pela participação, foram ótimas.
    Em relação ao tema, acho interessante o quanto a sexualidade é explorada de diversas formas nos filmes, principalmente filmes independentes ou de origem não americana (salvas exceções). Inclusive, vi recentemente um curta com a Natalia Dyer (Stranger Things – Nancy) chamado Yes, God, Yes, onde ela é uma estudante de colégio católico, e por acaso se depara com uma situação que a instiga. Achei interessante a abordagem e a conclusão dela. Assistam se puderem, vale a pena.

  • Grecia Baffa

    Oie Lohan!! Seja muito bem-vindo!! Que bom que tu chegou pelo ACC. Foi incrível gravar com o Febrini, e espero que você ouça mais a gente a partir de agora! hehe
    Acredite, pornô é um negócio muuuuito doido, rs rs. Mas tem para todos os gostos, por isso que é legal explorar e descobrir se você gosta de algum ou não.
    Sobre sua dúvida: depende! Tem mulher que nem gosta de sexo oral. Tem mulher que PRECISA ter para conseguir ter orgasmo. O melhor jeito de descobrir é perguntando, de verdade. Não precisa ser DURANTE o sexo, pode ser depois. 😀
    Espero ter ajudado!

    Beijo e volte sempre!

  • Grecia Baffa

    Geeeente, não!!! (entrei de curiosa na conversa, mas fiquei chocada! :O)
    E Alan, obrigada por comentar e ouvir a gente! Volte mais vezes <3

  • Iole Melo

    Que loucura, né!?
    A emissora brasileira nem se deu ao trabalho de cortar a cena, será? hahaha

  • Iole Melo

    Opa, Ale!
    A honra é nossa de ter você com a gente! Muito obrigada sempre!!

    Assim que puder eu vou correndo assistir a esse curta também (e tentar mudar minha imagem da Natalia Dyer pq fiquei com ranço da nancy rs)!

  • Iole Melo

    Obirgada pelo comentario e pelos elogios, Lohan!

    Sobre sua dúvida: isso vai de cada uma, mas estudos mostram que a maior parte das mulheres realmente tem dificuldade pra gozar com penetração e existem as que não conseguem at all, só com oral e masturbação, que estimulam diretamente o clítoris. Então já sabe, treina bem a língua que não tem erro pra fazer a mulherada feliz. hahaha

    Beijos beijos

  • Alan Michael Scott

    Quando vi aos 12 anos, nos anos 90 passou tudo na íntegra na band e cartoon network. lembro nitidamente, pois essas cenas causavam algum constrangimento la em casa, principalmente nos episódios onde esse personagem desfilava de bunda de fora fazendo poses extravagantes em closes maliciosos hahaha (sim, mostram ele caído por trás O.O)

  • Escutei agora o episódio.

    Pessoalmente nunca gostei de pornô, primeiro porque nudez nunca foi mistério para mim, então essa curiosidade não tinha. Filme pornô não me excita, a não ser algumas raras exceções, a ponto de chamar de pornô filme com uma representação bizarra do sexo, e erótico filme que trata o tema com mais naturalidade – e não naturalidade de um ponto de vista moralista, mas de uma realidade maior do filme. O fato das interpretações serem forçadas no pornô me tira o gosto desse tipo de filme. Na adolescência a imaginação funcionava melhor para mim.

    Achei muito interessante o comentário sobre as efeitos negativos sobre a sexualidade, principalmente do ponto de vista feminino. E realmente o pornô desinforma muito os homens, tanto as questões do estereótipo masculino do tamanho do pênis e da necessidade de ficar excitado muito rapidamente; como da completa desinformação sobre os pontos erógenos femininos, da sexualidade feminina e da própria vagina da mulher.
    A formação masculina já incita a considerar que o centro do sexo é o seu próprio pênis, e sobre seu próprio prazer e nisso o filme pornô tende a enfatizar o sexo como uma masturbação estendida com a presença de outra pessoa.

    Ainda do ponto de vista masculino, a masturbação pode ser bem saudável quando ocorre com alguém que namora ou é casado, e coisas do gênero. E como o exemplo que vocês deram, ele pode piorar a prática sexual do indivíduo.

    Penso que o problema em torno do pornô e do erótico é que o único momento em que o sexo pode ser discutido à parte da reprodução é nos últimos 50 anos,pelo menos para a grande parrte da população mundial. Então as pessoas misturam muitas coisas.

    Só um causo: estava em um curso de extensão universitária e tinha uma mesa próximo a cantina distribuindo camisinha e cartilhas informando sobre métodos anticoncepcionais e outras questões. Nenhum aluno e aluna da graduação, com 18 anos e tal, se aproximava da banca. Meninos e meninas olhavam de longe como algo proibido e tal. Estava conversando com a professora e ela apontou isso, aí chamou eu e o resto do pessoal do pessoal a ir lá para incentivar o povo que estava assustado, literalmente, a ver ujma mesa distribuindo camisinha gratuitamente. Ela até comentou: “Se esses meninos e meninas tem medo de olhar a camisinha, imagina de usar…”

    Tudo de bom a todas e parabéns pelo trabalho!

  • Ahhhhhhhhhh alerta textão de puro amor! <3
    Quando a gente recebe comentários assim, Tiago, a gente sabe que a reflexão foi longe! Obrigada por nos ouvir, por comentar e por fazer parte dessa podosfera que chamamos de lar! hehehe
    Fique à vontade para voltar outras vezes e para compartilhar com os amigos! Um mega abraço! o/