Ícone do site Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

#ConexãoSundance: God’s Country

Festival de Sundance 2022 - God's Country

#ConexãoSundance: Crítica e análise do filme God’s Country.

Confira a cobertura do Festival de Sundance 2022 com resumos e críticas dos longas acompanhados pelo crítico Maurício Costa.

VEJA A COBERTURA COMPLETA DO FESTIVAL DE SUNDANCE AQUI!

https://www.youtube.com/watch?v=tqtJVbpYIpI

God’s Country

“God’s Country” é mais um filme de suspense que teremos na cobertura do festival, já que o Conexão Sundance terá todos de suspense e terror deste ano. Estrelado pela Thandiwe Newton (Westworld), que vive Cassandra. Ela é uma mulher que mora em um Canyon nas montanhas, dá aula em uma faculdade, é ex-policial de New Orleans, perdeu a mãe há pouco tempo e está em luto. O filme gira em torno de uma semana da vida dela, em que ela precisa lidar com o luto, viver disputas na faculdade em relação à contratação de um novo professor, e o grande incidente do filme: caçadores que estacionam em sua propriedade para caçar nas montanhas, e a irritam demais por isso. Essa situação vai escalando, envolvendo a polícia, entre outras coisas. Então, temos as situações escalando paralelamente: a disputa, os caçadores e o luto. É um filme de suspense quieto, mas muito tenso. Ele tem poucos diálogos, e se baseia na rotina e isolamento, dependendo muito da interpretação da Thandie Newton. No final, a resolução é bastante forte. “God’s Country” não é um filme maniqueísta. Não se trata de uma protagonista boazinha e cheia de razão, pois a linha fica borrada. O próprio desfecho pode não ser algo com o qual o espectador se identifique, ainda que a história tenha sido desenvolvida para chegar naquele ponto. Mas é importante destacar que o filme tem um ritmo lento: é o chamado “slow burn”.

Nota: 4/5

Sinopse e Ficha Técnica:

Sandra (Thandiwe Newton) está muito cansada. Ela passou anos tentando (sem sucesso) agradar sua mãe recentemente falecida, enquanto também navegava pela política desafiadora e pela dinâmica de poder na faculdade onde leciona. Alé disso, tem o racismo, o sexismo e a masculinidade tóxica que ela encontra onde quer que vá. Mas é um confronto com dois caçadores invadindo sua propriedade que, em última análise, testa o autocontrole de Sandra, levando sua dor e raiva ao limite.

Direção: Julian Higgins
Roteiro: Shaye Ogbonna, Julian Higgins
País: Estados Unidos
102 min

Participam da cobertura do Festival de Sundance 2022 os seguintes sites e canais: Razão:de:AspectoCinem(ação)Getro.com.br e Wanna be Nerd.

Sair da versão mobile