Ícone do site Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Precisamos falar sobre Rango

Uma animação bastante esquecida da Nickelodeon, mas infelizmente muito atual, Rango trata sobre temas fortes e difíceis de serem engolidos facilmente. Com perdão da piada, esse filme é menos famoso do que deveria e ainda bem que nunca é tarde para conhecer um bom longa.

Principalmente aqueles que trazem aquela mensagem que vale como um soco no estômago, não é mesmo?

Bebendo da fonte das referências do faroeste, Rango chegou aos cinemas brasileiros em 2011 e hoje se encontra em serviços de streaming diversos. Ganhador do Oscar de melhor animação daquele ano, com um grande elenco, boa crítica e uma ótima trilha sonora, ainda assim, Rango não agradou muito o público.

Pode ser que esse filme pareça muito com outras animações que tem como protagonista um pet de estimação “abandonado”. Mas, em Rango o seu tema é bem mais forte e duro de ser encarado.

Por que falar sobre Rango?

Como Rango já tem 10 anos de lançamento, não será uma dor se alguns spoilers rolarem ao longo do texto. Não são muitos (eu prometo), mas você foi avisado!

Rango começa a sua jornada sendo deixado acidentalmente no meio do deserto dos EUA. Lá, ele retoma pensamentos que já há muito o perturbavam, afinal nem o nosso protagonista entendia o que estava acontecendo.

O que ele sabia era que sua vida era tranquila, em uma casa confortável e segura, mas que ao mesmo tempo aquilo não parecia correto (ou natural).

Então, jogado no desconhecido recheado de perigos, Rango caminha em direção a uma pequena cidade. Naquele local, ele encontra a oportunidade que precisava para se entender, se “vendendo” como um grande xerife e herói, sua vida sai de um animal que tem medo de tudo para se transformar em uma grande celebridade.

A cidade em questão está sofrendo com uma grande seca. A situação é tão crítica que a moeda de troca para tudo é a água, sendo o bem mais precioso que alguém pode ter. Os outros animais tinham sede, morriam pela ausência desse elemento e não sabiam o motivo da seca repentina.

O pequeno camaleão se vê obrigado a ajudar a “sua” cidade, investigando os detalhes do motivo da água ter sumido.

E o que isso tem de tão incrível?

Eis que a investigação leva a história para bem mais perto da nossa realidade. Como assim? Bom, como prometido, não vou dar muitas respostas, mas diria que abuso de poder, falta de água e uma população descrente com tudo, infelizmente, é muito próximo da vida do brasileiro.

E o que aconteceu? Qual o tema desse filme? Bom, como já falei no início desse artigo, Rango está disponível em diversas plataformas como Netflix, Globoplay e Prime Vídeo. Então, a recomendação é separar 1h47min do seu dia para digerir essa história.

Além disso, Rango se faz como necessário dentre vários filmes. Político, crítico e cirúrgico, a animação nada infantil pode te ajudar a aprender sobre esses temas e associá-los com a realidade brasileira.

No final das contas, talvez a gente não precise de um Messias, mas um Rango suficientemente capaz de trazer água e esperança para todos.

Sair da versão mobile