Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

#ConexãoSundance: Passing

#ConexãoSundance: Crítica e análise do filme Passing.

Confira a cobertura do Festival de Sundance 2021 com resumos e críticas dos longas acompanhados pelo crítico Maurício Costa.

VEJA A COBERTURA COMPLETA DO FESTIVAL DE SUNDANCE AQUI!

Passing

A premiére do futuro original Netflix é Passing, dirigido por Rebecca Hall. O filme é sobre colorismo e racismo nos Estados Unidos. Tessa Thompson e Ruth Negga fazem duas personagens afro-americanas que se reencontram por acaso, e as duas têm posturas muito diferentes sobre a possibilidade de “se passar” por branca.

Na história dos Estados Unidos, você é considerado negro apenas por sua ascendência. Se não soubessem da sua ascendência negra e você tivesse a pele mais clara, pode se passar por branca. Isso acontece com a Ruth Negga, que se casou com um homem branco que não sabe que seus pais são negros. Enquanto isso, Thessa Thompson consegue se passar por branca, mas não quer ser assim e tem muitas restrições à destruição da sua identidade.

Mas o filme não tem um discurso pesado sobre racismo. O que é excelente nesse filme é que isso é trabalhado na relação entre as duas mulheres e seus dois mundos. E muito do filme é sobre como as duas lidam com a situação, especialmente no caso da Ruth Negga, enquanto a amiga se ressente por ela ser considerada mais bonita e atraente. São grandes e maravilhosas atuações de todo o elenco. O filme escolheu ser feito em preto e branco e 4:3, que acaba criando a ambientação do mundo como ele era nos anos 1920, o que facilita na direção de arte e nas questões orçamentárias.

O mais importante é que na escolha do preto e branco você consegue deixar óbvio quem consegue se passar por branco ou não. Isso marca bem a posição dos personagens e a questão da percepção social. O filme é baseado em um romance de mesmo nome e tem final muito impactante.

Nota: 5 /5

Sinopse e Ficha Técnica:

Irene Redfield (Tessa Thompson), uma refinada mulher de classe alta dos anos 1920, entra no grande salão de chá do Drayton Hotel, em Nova York. Do outro lado da sala, ela vê uma mulher loira olhando para ela. Antes de sair do local, Clare Kendry (Ruth Negga) a impede. As duas estudaram juntas no ensino médio e, embora ambas sejam mulheres afro-americanas que podem “se passar” por brancas, elas optaram por viver situações completamente diferentes.

Direção: Rebecca Hall
Roteiro: Rebecca Hall
País: Estados Unidos
98 min

Participam da cobertura do Festival de Sundance 2021 os seguintes sites e canais: Razão:de:AspectoCinem(ação)Getro.com.br e Wanna be Nerd.

Sair da versão mobile