Ícone do site Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: O Dilema das Redes – Netflix

O Dilema das Redes - documentário

O Dilema das Redes resume um cenário importante a respeito das redes sociais e dos algoritmos que levaram a nossa sociedade à atual polarização.

Ficha técnica:
Direção: Jeff Orlowski
Roteiro:  Davis Coombe, Vickie Curtis, Jeff Orlowski
Nacionalidade e Lançamento: Estados Unidos, 9 de setembro de 2020 (Netflix)
Sinopse: Voltando-se ao ponto fraco do Vale do Silício, “O Dilema das Redes” mescla um documentário investigativo com uma narrativa dramática esclarecedora. Depoimentos especializados de ex-funcionários informantes expõem um dilema preocupante: os serviços que as grandes empresas de tecnologia oferecem – mecanismos de busca, redes sociais, informação rápida, etc – são apenas iscas que nos seduzem.

Como montar um documentário sobre um tema importante e urgente de forma a conquistar o público? Isso a Netflix tem feito muito bem nos últimos anos: coloque especialistas falando de forma alarmante, utilize pausas dramáticas com frases impactantes, apresente gráficos charmosos e, se possível, crie uma encenação que deixe tudo bem didático.

“O Dilema das Redes” tem tudo isso, mas tais elementos não atrairiam tanto a atenção se não fosse seu tema, que de fato é importante: os algoritmos e a maneira como as redes sociais são desenhadas para atrair nossa atenção e servir nossos dados e nosso comportamento de bandeja aos anunciantes.

Até faz sentido que uma empresa como a Netflix se interessar por mostrar essa realidade. Não que essas decisões sejam feitas por uma única mente conspiratória, mas o fato é que um dos principais pontos de vista do documentário está na seguinte frase: “se você não está pagando pelo produto, então você é o produto”.

Afinal, estamos pagando pela Netflix.

Sem se aprofundar muito no modelo de negócios do Google, que envolve a nossa colaboração (sem que saibamos) no desenvolvimento de inteligências artificiais, “O Dilema das Redes” realmente faz jus ao título e mostra o dilema que é termos ferramentas tão poderosas capazes de causar tantos problemas. E segue no caminho de tentar descobrir o que fez com que o Facebook, Instagram, Twitter, Pinterest e companhia bela a tornar nossa política mais agressiva, nossos comportamentos mais previsíveis e nossas crianças mais depressivas e ansiosas.

O documentário é uma ótima forma de nos levar a pensar em como criar nossos filhos e tentar resolver problemas que temos hoje para que eles não gerem danos ainda mais graves à sociedade. O debate sobre as Fake News é imperativo e as entrevistas conseguem dar um bom panorama a respeito do que faz com que elas sejam disseminadas mais rapidamente que um vírus respiratório!

É curioso reparar, no entanto, como a visão dos entrevistados pode ser limitada. Quase todos são americanos e ex-funcionários das grandes empresas do Vale do Silício. Indicam uma série de problemas capazes de plantar sementes contrárias à democracia e à saúde mental das pessoas. No entanto, tudo o que eles conseguem apontar é a mudança do “modelo de negócios”. Não surpreende que americanos não consigam sequer cogitar a possibilidade de que a raiz de todo o problema está no capitalismo.

Afinal, a única coisa que se compreende como sendo oposta ao capitalismo é um palavrão para eles. “O Dilema das Redes” é um documentário que faz bem em resumir um contexto importante da atualidade para abrir os olhos do grande público que a Netflix é capaz de alcançar. As informações não são verdadeiramente novas e nem chegam a uma conclusão muito diferente do que especialistas apontam há algum tempo. Mesmo assim, a forma como ele sintetiza as informações o torna necessário.

  • Nota
4
Sair da versão mobile