Ícone do site Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, do brasileiro Karim Aïnouz, vence a mostra Un Certain Regard em Cannes

Nesta sexta-feira (24), o Festival de Cannes anunciou os vencedores da segunda principal mostra do festival, a Un Certain Regard (Um Certo Olhar), e entre eles estava o  brasileiro “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, do cineasta cearense Karim Aïnouz, sendo a primeira vez que um longa nacional é premiado na mostra, garantindo o prêmio principal.

Ao ser reconhecido como vencedor da mostra, Karim celebrou a presença de outros filmes brasileiros na edição do festival. “O Brasil está passando por um momento em que a intolerância é algo muito forte. As ameaças contra a educação, a criatividade, a cultura e a diversidade são gigantescas… Primeiramente, quero dedicar esse prêmio ao cinema brasileiro, às minhas atrizes que estão aqui e que o futuro seja melhor que o presente “, disse o cineasta emocionado.

O longa, situado no Rio de Janeiro nos anos 40, conta a história da vida de Guida e Euridice Gusmão, criadas para serem invisíveis aos olhos da sociedade brasileira da época, como  todas as mulheres daquela geração, de acordo com a sinopse. O elenco é composto por Carol Duarte, Júlia Stockler, Fernanda Montenegro, Gregório Duvivier, Márcio Vito, entre outros.

Carol Duarte e Júlia Stockler em “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão”

O diretor e roteirista Kleber Mendonça Filho (Aquarius), também selecionado para a edição do festival, na Mostra Competitiva, com “Bacurau”, aproveitou para parabenizar Karim por sua vitória.

A Un Certain Regard apresentou 18 filmes em sua competição, sendo 9 deles primeiras produções e seu filme de abertura foi “La femme de mon frère”, da canadense Monia Chokri. O júri da mostra para a 72ª edição do festival foi composto sob a presidência de Nadine Labaki (diretora e atriz, Líbano) com outros nomes da indústria cinematográfica como Marina Foïs (atriz, França), Nurham Sekerci-Porst (produtor, Alemanha), Lisandra Alonso (diretor, Argentina) e Lukas Dhont (diretor, Bélgica).

Vencedores da Un Certain Regard

Prêmio Un Certain Regard (Um Certo Olhar): “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” (Brasil, Alemanha), de Karim Aïnouz
Prêmio do Júri: “O que arde” (Espanha, França, Luxemburgo), de Oliver Laxe
Prêmio de Melhor Performance: Chiara Mastroianni, por “Chambre 212” (França, Luxemburgo, Bélgica)
Prêmio de Melhor Diretor: Kantemir Balagov, por “Beanpole” (Russia)
Prêmio Especial do Júri: “Libérte (França, Portugal, Espanha, Alemanha), de Albert Serra
Prêmio Coup de Coeur:“La femme de mon frère” (Canadá), de Monia Chokri; “The Climb” (Estados Unidos), de Michael Angelo Covino
Menção Honrosa do Júri: “Jeanne” (França), de Bruno Dumont

Sair da versão mobile