Site icon Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Parem de dar ouvidos ao barulho dos idiotas

Bohemian Rhapsody

Já faz um tempo que eu quero escrever sobre isso. Não sabia como, tive várias ideias, mas agora é a hora.

Eu lembro que há algumas semanas, quando o filme Bohemian Rhapsody estava bombando nos cinemas, começaram a noticiar que as pessoas estavam vaiando os momentos em que Freddie Mercury beijava um outro homem. Revoltados, nós começamos a bradar aos quatro cantos nossa revolta quanto ao preconceito instalado nas pessoas, que foram ver um filme sobre a história do Queen e do Freddie Mercury sem saber ou imaginar que o filme teria tais cenas.

Não demorou muito para que, na mesma semana, fossem lançados o primeiro teaser do filme “live-action” de O Rei Leão, e o teaser da Netflix para a exibição do anime Evangelion. Com isso, há quem tenha declarado ideias malucas, como a de que a estreia de um novo filme do leão da Disney deveria ser para quem é “velho” e viu o longa no cinema, comprou a tal da “fita verde”, com aquele discurso de que “este momento é nosso”, em contraponto à tal da “geração Nutella” que assiste tudo com facilidade no streaming.

A outra ideia que parece ter surgido diria que o anime “Evangelion” deveria pertencer, de alguma forma, aos pobres coitados que sofreram para baixar o desenho nos antigos sites de download dos primórdios da internet, ou àqueles bravos guerreiros que enfrentaram o sofrimento de acompanhar o desenho no finado canal de TV a cabo “Locomotion”.

 

Mas tudo isso só aconteceu porque demos voz a um bando de idiotas!

Eu não estou dizendo que esses três fatos não ocorreram. Podem muito bem ter ocorrido: alguns idiotas devem realmente ter vaiado as cenas de “beijo gay” do Freddie Mercury, algum ser humano brincalhão fez um meme dizendo que “esse momento é só nosso”, e tuiteiros de plantão podem ter achado ruim que o anime preferido deixaria o submundo para ser visto por todos na Netflix.

O grande problema é que, assim como em outros âmbitos da sociedade, a rapidez da comunicação na internet permitiu dar voz aos idiotas, e o que é pior: reverberar ainda mais o que eles dizem.

Note, por exemplo, a repercussão das “vaias aos beijos” em Bohemian Rhapsody: começou com um depoimento no Facebook, alguns tweets com coisas do tipo “na sessão que fui, um cara vaiou”, e diversas matérias nos mais variados portais de notícias sobre a repercussão nas redes sociais, destacando sempre as mesmas publicações. O resto são apenas milhares de usuários discutindo o assunto, reclamando dos preconceituosos ou questionando a estupidez de quem faz algo assim.

No caso de “O Rei Leão”, apenas um meme foi espalhado pelas redes. “Esse momento é só nosso”, dizia ele, enquanto relembrava com saudosismo o fato de o desenho da Disney ter sido visto e revisto em fitas cassete. O mesmo com quem reclamou que Evangelion na Netflix supostamente tiraria o status “cult” da série japonesa.

 

Demos vozes aos idiotas porque idiotas geram cliques

Eu entendo, e confesso que eu mesmo cheguei a repercutir o assunto no twitter, reclamando que de fato existem pessoas que pregam o “privilégio” à geração que viu O Rei Leão na fita verde, por exemplo. Isso gera polêmica, e polêmica gera clique, repercussão, RT, compartilhamento, etc.

É aí que mora o problema. Imbecis existem, sim! Mas foram pouquíssimos, e mereciam ter sido ignorados. No entanto, preferimos expor suas ideias e ações na internet, dando a essas pessoas ainda mais visibilidade acerca de suas idiotices.

Os idiotas são poucos, mas fazem muito barulho. Tudo o que não precisamos é dar um alto-falante a eles.

Sair da versão mobile