Ícone do site Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: Mal Nosso (2018)

Ficha Técnica de Mal Nosso.

Direção: Samuel Galli
Roteirização: Samuel Galli
Elenco: Ademir Esteves, Fernando Cardoso, Ricardo Casella, Reinaldo Colmanetti
Gênero: Horror
Nacionalidade: Brasil
Sinopse: Ambientado nas profundezas de São Paulo, o longa conta a história de um exorcista (Arthur) que usa a internet para contratar um serial killer (Charles) para proteger sua filha (Michele) de uma possessão demoníaca.

Não há nada mais clichê do que começar o texto sobre um longa nacional de Horror do que falando sobre como o gênero ainda não alcançou o grande público apesar das pessoas no Brasil assistirem muito filme de Horror estadunidense. Não sei o motivo desse problema, pois temos sim ótimos filmes do gênero aqui nas terras tupiniquim sendo feito na raça pelos seus realizadores. Mal Nosso (Our Evil) é um exemplo disso, um longa com carreira em festivais internacionais e que vem angariando elogios ao redor do mundo.

Mal Nosso começa trabalhando o psicológico de seu personagem principal (Arthur) pelos pequenos movimentos de câmera e gestos de seu personagem. A forma como anda devagar, como mexe no mouse com nervosismo (num plano fechado da mão), o monitor tampando metade de seu rosto deixando apenas os olhos a mostra na parte superior da tela para representar a pressão pela qual está passando, e pelos planos médios no qual Arthur está no canto da tela olhando para o fim dela mostrando que sua situação não tem mais saída.

Além dessa construção psicológica bem feita pelo diretor Samuel Galli, ele também consegue criar um clima pré horror utilizando da trilha sonora que aumenta e abaixa sem que nada se revele gerando uma apreensão no público que espera o Horror começar, mas que não sabe por onde ele vem. Embora até aqui Mal Nosso parece ser um daqueles filme de horror psicológicos em que sugestão é o “monstro” principal, na verdade toda essa construção psicológica e do clima é somente a base para a verdadeira hora do horror.

E é nesse momento de horror que o longa chega em seu ápice. Principalmente nas duas criaturas criadas a partir de uma bela maquiagem (Rodrigo Aragão foi o maquiador desse longa) que nos traz uma mistura da beleza bizarra de Guilhermo Del Toro com o verdadeiro inferno. Essas criaturas tem aparições cirúrgicas na trama, a primeira delas (não revelarei nada das criaturas, pois acredito que o impacto será ainda maior) aparece em uma cena na banheira que evoca elementos de A Hora do Pesadelo (a famosa cena das garras de Freddy) misturado com O Iluminado (a parte em que Jack entra no banheiro e é abraçado pela mulher morta), mas Samuel nos revela somente o necessário da criatura para sentirmos medo e nojo. Já o segundo “monstro” (o principal da trama) tem sua aparição em uma sequência que lembra a principal cena de exorcismo da história do cinema em O Exorcista, tanto a parca iluminação do Abajur que fica piscando até a parte de vômito são recriadas, mas obviamente de uma forma bem criativa de Samuel Galli que vai além do sugestivo de um demônio e nos mostra tanto a criatura quanto um gore bem pesado.

Porém nada disso faria sentido sem uma trama para juntá-las e o roteiro de Mal Nosso fica somente um pouco atrás dos outros elementos citados. Dá algumas derrapadas no final ao tentar explicar mais do que deve sobre o sonho/pesadelo do personagem de Arthur, mas nada que tire o mérito de saber utilizar muito bem a Deep Web para nos mostrar as bizarrices e crueldades que um ser humano é capaz de fazer, algo que não vejo os realizadores de horror utilizar. Além de ter uma discussão moral que quase bate na trave em ser moralizador demais, mas que acaba funcionando ao discutir sobre como a humanidade está caminhando para uma estrada sem empatia, amor ou compaixão, e esse caminho é sem volta.

Por fim, Mal Nosso consegue tanto criar o psicológico de seu personagem para nos conectarmos com ele como também cria todo o clima pré horror para quando for chegar ao ponto conseguir deixar o espectador rangendo os dentes. E se o inferno realmente existe as criaturas de Mal Nosso o habitam e estão esperando por nossas almas impuras.

  • Nota Geral
4

Resumo

Mal Nosso consegue tanto criar o psicológico de seu personagem para nos conectarmos com ele como também cria todo o clima pré horror para quando for chegar ao ponto conseguir deixar o espectador rangendo os dentes. E se o inferno realmente existe as criaturas de Mal Nosso o habitam e estão esperando por nossas almas impuras.

Sair da versão mobile