Ícone do site Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

10 filmes marcantes da década de 80

Com a tecnologia que se incorporou no cinema moderno, as ficções de hoje em dia contam com efeitos especiais extraordinários, e os diretores e produtores estão sempre almejando alcançar o que pensamos ser inatingível. Além das ficções, também nos deparamos com roteiros brilhantes, que dão um nó na cabeça dos espectadores e que geram uma chuva de surpresas. Embora os efeitos especiais tenham melhorado muito e tendem a superar expectativas no futuro, o cinema sempre surpreendeu os espectadores, seja com os efeitos da época ou com a história que desencadeia diferentes emoções. Portanto, separei uma lista de 10 filmes da década de 80, uma época nem tão distante assim, que são muito bons e valem a pena assistir!

1. De Volta Para o Futuro (Back to the Future, 1985)

Quem não tem saudade de Marty McFly (Michael J. Fox)? Ele é um adolescente que volta para o ano de 1955, onde conhece seus futuros pais, e acaba por deixar sua futura mãe apaixonada por ele. Mas Marty precisa fazer com que sua mãe se apaixone por seu pai, e deve arranjar um modo de voltar novamente para o ano de 1985. Para isso, ele conta com a ajuda de seu amigo cientista, Emmet Brown, o famoso Doctor (Christopher Lloyd). “De Volta Para o Futuro” é um verdadeiro clássico da década de 80, e levou o Oscar de Melhor Edição de Som. Também foi indicado ao Oscar de Melhor Canção Original pela música “The Power of Love” (quem não se lembra?), Melhor Roteiro Original e Melhor Mixagem de Som.

2. E.T. – O Extraterrestre (E.T. the Extra-Terrestrial, 1982)

Dirigido pelo famoso Steven Spielberg, “E.T. – O Extraterrestre” é considerado um dos melhores filmes de todos os tempos. É uma ficção emocionante que nos traz a história de um alienígena que se perde na Terra e encontra o menino Elliot (Henry Thomas). Enquanto Elliot tenta esconder o E.T. de todos, mantendo-o seguro, e encontrar uma maneira de mandá-lo de volta para casa, os dois acabam criando uma amizade pura e bonita. Curiosamente, foi o primeiro filme que me emocionou! Quando eu era criança, chorei rios de lágrimas no final do filme. O longa foi indicado a várias categorias do Oscar, e levou o Oscar de Melhor Trilha Sonora, Melhores Efeitos Especiais, Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Som. Nada injusto, uma vez que a trilha sonora do filme é uma das mais marcantes e lembradas na história do cinema. Só de me recordar, já sinto arrepios.

3. O Iluminado (The Shining, 1980)

Baseado em uma obra de Stephen King, “O Iluminado” foi produzido e dirigido por Stanley Kubrick. O elenco conta com Jack Nicholson, que interpreta Jack Torrance, um escritor que aceita o emprego de zelador de um grande hotel durante o inverno. Nessa época, o hotel não recebe hóspedes, portanto Torrance leva sua mulher e filho para lhe fazerem companhia. Porém, coisas estranhas passam a acontecer, e seu filho Danny (Danny Lloyd) parece receber premonições sobre o hotel, enquanto Jack é rodeado por uma força sobrenatural que aos poucos o leva à loucura. A versão americana possui duração de 144 minutos, com algumas cenas monótonas para transmitir o ambiente em que estão vivendo os personagens. Para quem gosta, a história abre portas para várias reflexões e interpretações sobre os personagens, e, embora seja um filme pesado, é de grande valia reservar um tempo para assistir.

4. Gremlins (Gremlins, 1984)

Vamos falar de algo sério: quem nunca quis ter um desses bichinhos fofinhos, pode parar por aqui. Mas não estamos falando dos Gremlins, e sim, dos Mogwais. Eles são peludos, possuem olhos grandes e orelhas parecidas com as de morcegos. Resumindo, os Mogwais são criaturas simpáticas e fofinhas. Porém, três regras devem ser seguidas para criar um desses: ele não pode entrar em contato com a água, não deve ser exposto a luz forte e não deve ser alimentado após a meia-noite. Se você seguir essas regras, ótimo! Você terá um amigo bonitinho para chamar de seu. Caso contrário, você terá problemas. Se um Mogwai se molhar, ele irá se multiplicar. Se entrar em contato com luz forte, ele irá morrer. Se for alimentado após a meia-noite, ele passará por uma metamorfose e se transformará em um endiabrado Gremlin. Entendeu? Essa ficção foi dirigida por Joe Dante e produzida por Spielberg. É considerada uma obra de humor negro, e não há como não achar graça dos Gremlins, por mais malvados que eles sejam. Os bichinhos não foram feitos por computação gráfica, e sim por bonecos, o que torna a coisa ainda mais surpreendente!

5. Meu Amigo Totoro (Tonari no Totoro, 1988)

Quem diria que teríamos uma produção do Studio Ghibli na lista! A história diz a respeito de duas irmãs que se mudam com o pai e passam a explorar o novo local. Quando a mais nova se perde na floresta, ela encontra Totoro, um espírito mágico. Então, as duas irmãs e Totoro se divertem e dividem os problemas uns com os outros. É uma história bela e simples, dirigida e produzida por Hayao Miyazaki. Embora seja de 1988, a qualidade da animação é excelente. Não é à toa que a imagem Totoro tornou-se tão famosa.

6. Dirty Dancing – Ritmo Quente (Dirty Dancing, 1987)

Quando Baby (Jennifer Grey) viaja para uma colônia de férias com sua família, ela acaba se apaixonando pelo instrutor de dança, Johnny (Patrick Swayze). Ela passa a ter aulas com Johnny e suas férias tornam-se uma história de amor de verão. “Dirty Dancing” é um musical bastante conhecido, e levou o Oscar de Melhor Canção Original pela música “The Time of My Life”. O longa foi dirigido por Emile Ardolino e ficou famoso por suas cenas sensuais. Fiquei encantada quando assisti ao filme pela primeira vez, e é impossível esquecer as cenas de dança de Johnny e Baby.

7. Indiana Jones e Os Caçadores da Arca Perdida (Indiana Jones and the Raiders of the Lost Ark, 1981)

Mais um clássico com direção de Steven Spielberg! E mais um filme com uma trilha sonora característica e inesquecível. O arqueólogo Indiana Jones, interpretado por Harrison Ford, está em busca da Arca da Aliança, que conteria os Dez Mandamentos. Entretanto, um grupo de nazistas comandado por Adolf Hitler também está em busca da Arca, pois Hitler acredita que pode tornar seu exército invencível. É o primeiro filme da saga Indiana Jones, e George Lucas e Philip Kaufman são os criadores da história. Recebeu nove indicações ao Oscar (inclusive o de Melhor Filme), e ganhou como Melhor Direção de Arte, Melhor Edição, Melhor Som e Melhor Efeitos Visuais.

8. Sociedade dos Poetas Mortos (Dead Poets Society, 1989)

Um filme delicado e inteligente, com Robin Williams como protagonista. John Keating (Williams) é um professor de literatura em uma escola tradicional e conservadora para meninos. Porém, seu método de ensino não é nada conservador, e instiga a curiosidade dos outros membros da escola. Sua técnica de estudos estimula um grupo de alunos a formarem a Sociedade dos Poetas Mortos, onde os membros discutem literatura e criam um pensamento crítico, defendendo a ideia do Carpe diem. O filme foi indicado ao Oscar de Melhor Filme, Melhor Diretor (Peter Weir) e Melhor Ator (Robin Williams), e levou o Oscar de Melhor Roteiro Original (Tom Schulman). O longa é gracioso e repleto de detalhes, e deixa o espectador com uma reflexão bonita e com um final emocionante.

9. A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street, 1984)

Em relação aos filmes de terror da década de 80, “A Hora do Pesadelo” tornou-se um ícone popular do terror. O famoso Freddy Krueger (Robert Englund) é o fantasma de um psicopata que ataca os jovens durante os seus sonhos. O melhor jeito de fugir de Freddy é não dormir. Dirigido e escrito por Wes Craven, o longa nos apresentou a um dos vilões mais conhecidos do cinema. Afinal, quem nunca foi dormir pensando nas garras de Freddy.

10. Brinquedo Assassino (Child’s Play, 1988)

Se Freddy Krueger nos aterrorizou com suas garras, imaginem um boneco possuído que mata as pessoas. A década de 80 também nos trouxe um dos vilões mais temidos até os dias atuais: Chucky. O filme dirigido por Tom Holland nos apresenta a história de um garoto de seis anos que recebe de presente de aniversário um boneco nada bonito e amigável, que, por sinal, está possuído pelo espírito de um assassino. Obviamente ninguém acredita no garoto quando ele alega que o boneco está vivo. Atualmente considerado um filme cult, tenho certeza que Chucky ainda aterroriza muita gente por aí.

Sair da versão mobile