Ícone do site Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica – O Regresso

Diretor: Alejandro González Iñárritu

Elenco: Leonardo DiCaprio, Tom Hardy, Domhnall Gleeson, Will Poulter, Forrest Goodluck

Nacionalidade e Lançamento: Estados Unidos, 2015

Sinopse: Hugh Glass é um explorador e comerciante de peles que sofre um ataque de urso durante uma expedição. Enquanto alguns de seus companheiros querem ajudá-lo, outros o deixam à beira da morte em pleno inverno do Velho Oeste nos Estados Unidos. Glass tenta sobreviver aos perigos que o inverno e a floresta apresentam, enquanto busca um modo de se vingar de quem o deixou para morrer.

Atenção: esse texto possui alguns spoilers, mas nenhum que comprometa o final do filme.

Com estreia prevista para o dia 21/01 no Brasil, “ O Regresso” (The Revenant, 2015) é um dos grandes candidatos a ganhar o Oscar de Melhor Filme neste ano. Além dessa categoria, o filme também concorre em outras 11 categorias, incluindo Melhor Ator (Leonardo DiCaprio) e Melhor Diretor (Alejandro González Iñárritu), sendo o filme com mais indicações em 2016. No Globo de Ouro, o filme venceu em Melhor Filme de Drama, Melhor Diretor (Alejandro González Iñárritu) e Melhor Ator de Drama (Leonardo DiCaprio).

Baseado no romance de Michael Punke e inspirado na história real do explorador Hugh Glass, o filme nos apresenta a luta diária de um homem pela sobrevivência, após ser abandonado pelos companheiros quando sofre um ataque de urso e torna-se um fardo na expedição. Aqui já gostaria de elogiar a perfeição ao qual foi realizada a cena da luta de Glass (DiCaprio) com o urso gigantesco, que deixa o espectador apreensivo durante vários minutos. Depois de abandonado, Glass precisa enfrentar os desafios que o inverno oferece, além de ser cauteloso com os conflitos de povos indígenas naquela região. É uma história sobre a busca pela vingança, onde o protagonista confronta diversos obstáculos de uma natureza impiedosa até que ele consiga chegar onde deseja.

Iñárritu (ganhador do Oscar de Melhor Diretor em 2015 pelo filme “Birdman”) faz excelente uso das câmeras, que giram em vários planos e ângulos durante as batalhas, lutas e perseguições, criando uma dança que capta todos os detalhes da cena. Em minha opinião, o jogo com as câmeras foi uma das maiores qualidades técnicas do filme. Até mesmo em cenas com maior inatividade o diretor conseguiu atrair a atenção através das magnificas paisagens ao qual o personagem principal percorreu. Não vi todos os filmes indicados ao Oscar, mas acredito que “ O Regresso” possui grandes chances de levar a estatueta na categoria de Melhor Fotografia.

Embora o enredo do filme seja relativamente simples, o longa como um todo chega a ser bastante complexo. Iñárritu trouxe para o cinema temas delicados, como o conflito entre tribos indígenas e os americanos, ocasionando mortes e barbaridades em muitas das cenas presentes no filme. O diretor optou por não poupar os olhos dos espectadores da brutalidade de todos os atos, então preparem-se para cenas sem restrições ou cortes. Desse modo, nos Estados Unidos, o filme recebeu a classificação etária R, ou seja, proibido para menores de 17 anos desacompanhados.

E a grande pergunta que será respondida no dia 28/02: DiCaprio leva o Oscar dessa vez? Com toda certeza podemos afirmar que o ator se entregou totalmente ao papel do explorador Glass. Não há como se decepcionar com a atuação de DiCaprio, sendo que sofremos junto com ele todas as vezes em que o personagem encontra um novo desafio a ser superado. Ele consegue transmitir toda a amargura, raiva e medo que Glass está sentindo com o decorrer do filme. O ator ultrapassa todas as expectativas que são atribuídas a ele, e nos surpreende mais uma vez. O trabalho em conjunto de DiCaprio e Iñárritu torna o filme um concorrente poderoso em todas as categorias do Oscar.

Por último, mas não menos importante, gostaria de citar a atuação do ator Tom Hardy (Bane, em “Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge”), que interpreta o principal vilão da história, John Fitzgerald. Quando um vilão gera certo furor nos espectadores, é porque o ator fez seu trabalho certo. Fitzgerald é um personagem detestável, que nos cria questionamentos sobre até onde é possível um ser humano tornar-se tão desprezível. Através de sua atuação impecável, Hardy está concorrendo ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante.

As minhas únicas críticas negativas em relação ao longa são sua duração de 156 minutos e sua trilha sonora pouco explorada. Embora as paisagens sejam espetaculares, muitas cenas acabam tornando-se cansativas. Iñárritu soube balancear muito bem as cenas de ação com as cenas mais paradas, afinal a maior parte do filme é a trajetória solitária de Glass em territórios perigosos. Porém, acredito que o filme poderia ser menos longo, trazendo o mesmo impacto positivo e sem perder suas qualidades. A trilha sonora poderia ser melhor trabalhada, pois não chegou a ser um aspecto nem um pouco marcante no filme. Apesar disso, é uma ótima produção, e vale a pena conferir a atuação que provavelmente (será?) renderá o primeiro Oscar ao merecedor Leonardo DiCaprio.

  • Nota Geral
4.5
Sair da versão mobile