Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Crítica: Chef

Em determinados momentos, não há nada melhor que um “feel good movie”. Entre os melhores filmes para nos trazer sentimentos positivos, aqueles com comida são bastante comuns. Afinal, é muito difícil falar sobre a arte de cozinhar sem relacionar o ato com algo totalmente positivo.

Entre os longas de gastronomia, um bom exemplo de filme positivo é “Julie & Julia“, seguramente o mais próximo de “Chef“, que é dirigido, escrito e estrelado por Jon Favreau, famoso por seu trabalho nos dois primeiros filmes do “Homem de Ferro”. No entanto, ao contrário dos longas da Marvel, trata-se de uma comédia simples, despretensiosa e leve.

O filme conta a história de Carl Casper (Favreau), um chef que tenta inovar seu trabalho em um famoso restaurante, mas acaba sendo podado pelo proprietário do local. Após perder um pouco de sua credibilidade com um crítico gastronômico importante, ele decide acompanhar o filho e a ex-mulher até Miami, onde decide comprar um trailer e começar a vender comida do estilo “food-truck”.

Com uma trama sem grandes questões, que basicamente explora a relação de Casper com seu filho Percy (Emjay Anthony), bem como sua ex-mulher (Sofía Vergara) e seus colegas de trabalho, o longa não traz grandes reviravoltas ou dramas muito envolventes. A palavra-chave é simplicidade. A segunda palavra-chave é “sabor”. Com a típica fotografia quente e o bom e velho “food porn” invadindo a tela, o longa não hesita em mostrar muita comida.

O fato é que “Chef” se torna um filme tão suave, que qualquer grande falha se torna pequena diante da despretensão que o roteiro apresenta. Afinal, ele é eficiente o bastante para que o espectador sinta identificação pelos personagens principais, de forma a desejar que eles encontrem uma boa saída para os pequenos problemas que enfrentam.

No fim das contas, mesmo exagerando no uso de elementos gráficos para indicar o uso do twitter, e mesmo que o excesso de simplicidade alcance o status de inocência (ao retratar a cultura latina, a solução dos problemas e o final pouco desenvolvido), “Chef” é uma ótima diversão a quem busca apenas acrescentar felicidade no dia-a-dia.

3/5

Sair da versão mobile