Ícone do site Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Sessão da Tarde: Os filmes que amamos e o quanto eles nos influenciaram!

Na década de 90 o DVD ainda não existia (certo, ele foi criado em 1995, mas só chegou por aqui nos anos 2000) e o vídeo cassete não era tão presente nas nossas casas. E caso você morasse em uma cidade que não tinha cinema, assim como eu, as opções para assistir um filme eram poucas. Só nos restava a TV, e um dos principais programas do gênero era a ‘Sessão da Tarde’ da Globo. Muitos filmes foram eternizados e elevados a status de clássicos por causa do programa. Alguns foram tão repetidos que até hoje nós sabemos cada cena e fala decorada. Mesmo assim, devemos a Globo por ter nos apresentado e feito com que apaixonássemos pelo cinema.

Eu, particularmente, fui muito influenciado pela programação. Meu gosto pela sétima arte começou lá e minha base sobre o assunto também. Filmes que até descartamos hoje, mas no passado era o que tínhamos de melhor. E como eram festejadas comédias como ‘Loucademia de Polícia’ ou aventuras como ‘Indiana Jones’. Quando chegavam às 3h30min da tarde e a novela terminava, eu já estava com uma “caçarola” (vulgo panela) cheia de bolacha assada na manteiga e um copo com café e leite prontos para degustar assistindo “uma aventura com uma galera muito pirada aprontando altas confusões!”.

Assim, os filmes da ‘Sessão da Tarde’ que mais me influenciaram foram:

ESQUECERAM DE MIM

‘Esqueceram de Mim’ fez com que me apaixonasse pelo Natal e pelos filmes que o representassem. Ele me mostrou que, independente da religião e do apelo comercial que a data promove, o importante da vida é estar junto das pessoas que amamos e que nos amam. Ali fica claro que felicidade só é plena quando compartilhada e que não adianta grandes feitos se você não tem com quem compartilhá-los. O filme conta a história de Kevin MecCallister (Macaulay Culkin) que foi esquecido em casa por sua família durante o Natal. Em casa e sozinho… Bom todos já sabem o que aconteceu! O longa teve mais três sequências e seu diretor (Chris Colombus) também é o responsável por outros clássicos do programa vespertino como: ‘Uma Babá Quase Perfeita’, ‘Nove Meses’ e ‘O Homem Bicentenário’. Ele também dirigiu ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’ e ‘Harry Potter e a Câmara secreta’.

A LAGOA AZUL

Quem nunca assistiu a esse clássico? Recorde de exibições nas tardes da Globo, o filme narra a história de duas crianças que são deixadas em uma ilha deserta e como elas passam a viver com a ausência da civilização e sem seus valores. É um romance inocente, mas que fez a alegria de muito menino. Isso porque o casal de crianças cresceu e se apaixonou. As cenas de nado na lagoa deixavam a gurizada sempre na espreita. O diretor Randal Kleiser já tinha se consagrado no estilo romance, com o musical ‘Grease – Nos Tempos da Brilhantina’ quatro anos antes, em 1991 produziu uma continuação (‘De Volta a Lagoa Azul, que trazia a estreante Milla Jovovich como protagonista) e em 2005 dirigiu outro filme que virou cativo na programação da TV: ‘S.O.S. do Amor’. Já os protagonistas tiveram resultados opostos com as atuações de sues personagens: enquanto o ator Christopher Atkins (que viveu Richard) foi indicado ao Globo de Ouro de Melhor Revelação Masculina, a atriz Brooke Shields (Emmeline) ganhou o Framboesa de Ouro de Pior Atriz. ‘A lagoa Azul’ é uma refilmagem de um filme inglês de 1949, e uma curiosidade interessante é que antes de escolherem Christopher Atkins como protagonista, vários nomes foram sondados e consultados, alguns até chegaram a fazer testes, como: Matt Dillon, John Travolta, Christopher Reeve, Silvestre Stallone (pasmem!), Richard Gere e Sean Penn.

CONTA COMIGO

Talvez seja o melhor dessa lista. O filme  narra a história de quatro amigos que vão à procura de um corpo de um adolescente morto na floresta e vivem aventuras inesquecíveis nesse período que passam fora. Sempre que lembro dele, me vem lembranças nostálgicas da minha infância, dos meus amigos da época, de como nos programavam para fazer uma aventura igual ao dos personagens. Ele me inseriu no gênero drama, que tanto gosto hoje e mostrou como a amizade é importante na vida. A cena dos meninos regressando da floresta e indo cada um para sua casa é uma das melhores do cinema. Baseado no conto ‘The Body’ (O Outono da Inocência – O Corpo) do escritor Stephen King, o filme apresentou os atores Kiefer Sutherland e John Cusack ainda criança. Quem dirigiu foi Rob Reiner, o mesmo diretor de ‘Harry e Sally – Feitos um para o Outro’ e ‘Questão de Horra’. Lançado em 1986, ainda chegou a concorrer ao Oscar de Melhor Roteiro Adaptado e aos Globos de Ouro de Melhor Filme – Drama e Melhor Diretor. E para fechar com chave de ouro, é tocada a música ‘Stand by Me’ (mesmo nome do filme em inglês) nos créditos finais.

TWISTER

Um dos gêneros que eu mais gosto é o de filmes-catástrofe. Podemos incluir aí filmes apocalípticos e pós- apocalípticos. E essa paixão veio depois que vi Twister. O filme fala de um grupo de cientistas que perseguem tornados a fim de pesquisá-los. Quando parei de contar as vezes que o assisti já ia em nove e olhe que faz muito tempo que parei de contar. O fato de tirar cientistas de dentro de laboratórios e colocá-los em perigo atrás de tornados me cativou, ele me influenciou no meu gosto por ficções científicas, apesar de não ser do gênero mais chega perto. De cara eu me apaixonei por Hellen Hunt (Jo Harding – protagonista) e pelos efeitos especiais. A cena dentro do tornado F5 é a melhor de todas. E justamente por isso o filme concorreu ao Oscar de Melhores Efeitos Especiais e Melhor Som. Não Levou o Oscar, mas levou o Framboesa de Ouro para Pior Roteiro de Filme que Arrecadou Mais de U$ 100 Milhões e de Pior Atriz Coadjuvante para Jami Gertiz. ‘Twister’ foi o primeiro filme lançado em DVD nos Estados Unidos.

CORRA QUE A POLÍCIA VEM AÍ!

Um dos meus fortes é a comédia. E as sátiras são minhas favoritas. O fato de tirar sarro com os outros, com coisas sérias, mostrar uma versão engraçada de algo que não se permite brincar é sempre prazeroso. Provavelmente ‘Corra Que a Polícia Vem Aí!’ foi o primeiro desse gênero que assisti. O filme narra à história do policial Franki Drebin (Leslie Nielsem) tentando salvar a vida da Rainha Elizabeth II (Jeannette Charles) que está visitando os Estados Unidos. Leslien Nielsem é o rei das sátiras e nesse ele satiriza de “Os Intocáveis” a ‘Ghost – Do Outro Lado da Vida’. O diretor David Zucker também assina a direção de ‘Apertem os Cintos… O Piloto Sumiu’ que é considerado um dos melhores filmes de comédia de todos os tempos. Infelizmente as sátiras de hoje não são como as do passado, nem um roteiro que se preze tem nos filmes. Mas vale a pena sempre está relembrando essas pérolas do passado.

Outros clássicos que também me influenciaram e que me levavam à loucura quando passavam, ficaram de fora dessa lista. O texto iria se prolongar muito e se tornar cansativo. Mas em outra oportunidade falaremos mais desses filmes que fizeram parte de nossas vidas de um jeito muito especial.

Hoje, com a popularização do DVD, o surgimento do Blu-ray e o fácil acesso a internet, ficou muito mais fácil conseguir assistir qualquer filme que queira. A ‘Sessão da Tarde’ perdeu seu brilho e sua personalidade. Mudaram até a sua famosa vinheta para uma coisa tosca e sem graça. Mas o tempo muda. Lembro que eu nunca perdia o último comercial do filme que estava passando porque sempre era anunciada a atração do dia seguinte. E quando era um filme que já tinha visto ficava irado (fiquei irado muitas vezes). Termino o texto com a música tema do programa na cabeça e desejando que tenham ótimas lembranças nostálgicas assim como eu tive.

Sim, deixem nos comentários quais foram os filmes da ‘Sessão da Tarde’ que vocês mais gostaram e que mais influenciaram os seus gostos!

Sair da versão mobile