Site icon Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

A Propaganda e o Cinema

Com o uso às vezes exagerado das formas mais tradicionais de propaganda, as empresas precisam se utilizar de diferentes meios para conseguir seu espaço na mente dos consumidores. Então, conforme o cinema foi crescendo, o desejo das empresas de terem sua marca, produto ou serviço inseridos nos filmes de sucesso também cresceu, criando assim uma nova e muito lucrativa mídia.

Conhecida como merchandising ou product placement, uma referência direta ou indireta a uma determinada marca é bastante comum no cinema. Desde a época dos filmes mudos as empresas pagam para serem vistos na telona, como no filme Asas (Wings) de 1927, que conta com uma não-tão-sutil presença da barra de chocolates Hershey’s. Como essa forma de propaganda costuma dar muito resultado, ela ainda é usada (e muito) até hoje, contribuindo (e muito também) para a receita de uma produção.

O site americano Ad Age anunciou que o filme O Homem de Aço faturou US$160 Milhões antes mesmo da estreia apenas com merchandising, provando que essa forma de mídia é excelente para as produtoras e mais ainda para as empresas anunciadas. Toy Story, por exemplo, impulsionou as vendas do Senhor Cabeça de Batata em 800% e do Etch-A-Sketch em 4.200%.

Pela média do filme Homem de Aço podemos ver que o preço para a inserção em um filme de sucesso não é baixo. A BMW desembolsou US$3 Milhões para James Bond dirigir seu Z3 Roadster no filme GoldenEye de 1995, valor que não chega perto dos US$240 Milhões de aumento nas vendas após o filme.

Mas nem de propaganda paga vivem as empresas: A FedEx não pagou nenhum centavo pela aparição da marca no Náufrago, talvez pela expectativa baixa de retorno já que o roteiro girava em torno de um acidente aéreo envolvendo um avião da empresa. Mas acaba que após o sucesso do filme a marca notou um aumento de sua participação na Europa e na Ásia, lugares em que era pouco conhecida.

A Apple também tem uma história em propaganda gratuita. A empresa foi a primeira a contratar um “promotor” de seus produtos em Los Angeles, e assim consegue exposição gratuita em várias produções para TV e Cinema. Toda essa mídia gratuita retorna muito para a empresa, e a Front-Row Marketing, uma analista de mercado, estimou quanto a custaria para a Apple caso ela pagasse por algumas aparições:

 

E a TekPix, quanto paga/ganha?

Fontes:

http://www.businessinsider.com/15-worst-movie-product-placements-2013-5
http://www.brandchannel.com/home/post/2012/02/13/2012-Brandcameo-Product-Placement-Awards-021312.aspx
http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2006/04/14/AR2006041401670.html
http://adage.com/article/news/superman-reboot-man-steel-snares-160m-promotions/241822/

Sair da versão mobile