Ícone do site Cinem(ação): filmes, podcasts, críticas e tudo sobre cinema

Melhores acontecimentos do cinema em 2012

A internet está cheia de listas no fim do ano. Melhores filmes, piores filmes, melhores momentos, etc.

Aqui no Cinem(ação), decidi criar um “Top 5” dos melhores acontecimentos do cinema no ano de 2012. Não são coisas específicas, mas acontecimentos que foram bons e trouxeram novos ares.

 —

5- Dos quadrinhos para as telas

O Ano de 2012 foi ótimo no quesito “adaptações de quadrinhos”. Além de um final incrível para a trilogia Batman, o ano de 2012 nos brindou com um ótimo começo para Os Vingadores. E mesmo com um recomeço do Homem-Aranha cheio de defeitos, tudo indica um novo respiro para o “amigo da vizinhança”. Com boas produções que prometem novidades pela frente (até mesmo o último Batman traz expectativas para futuros filmes), só temos a agradecer.

4- 4DX: a sala chega ao Brasil

Aquela tecnologia que transforma sala de cinema em parque de diversões chegou no Brasil. Não que vá mudar muita coisa, mas não deixa de ser um alento comercial para as salas de cinema.

3- 3D com qualidade

Não basta fazer filme em 3D. É necessário fazer filme em 3D com qualidade. Se não for pra usar planos abertos e grande profundidade de campo, o 3D se apaga. Em 2012, tivemos a estreia no Brasil do documentário “Pina”. Em grandes estreias, tivemos o ótimo “A Invenção de Hugo Cabret” e “Resident Evil 5 – Retribuição”, que não é ótimo como filme mas vale pelas três dimensões bem filmadas.

2- O Hobbit e os 48 quadros por segundo

Agora, no fim do ano, chegou “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada”. Com a volta do mundo da Terra Média criada por J. R. R. Tolkien, chegou uma nova tecnologia: a exibição em 48 quadros por segundo.

1-Cinema Nacional

Infelizmente, o ano de 2012 não foi dos mais felizes do ponto de vista comercial. Sem grandes sucessos de público, o cinema nacional teve menos bilheterias que os anos anteriores, mesmo com tentativas “populares” como “E aí, comeu?” ou “Até que a sorte nos separe”. Mas no quesito qualidade, o cinema nacional deu um show de como se faz cinema. A lista é grande: “O Som ao Redor” ganhou fama internacional, “Febre do Rato” conquistou a crítica, e “Eu receberia ás piores notícias dos seus lindos lábios” chegou em circuito comercial após tantos prêmios. Ainda tivemos grandes produções como “2 Coelhos”, “Xingu” e “Heleno”, que mereciam públicos muito maiores, mas conseguiram mostrar como o Brasil faz filmes tão diferentes – e tão bons.

Sair da versão mobile