Podcast Cinem(ação) #254: Liga da Justiça

Podcast Cinem(ação) #254: Liga da Justiça

Liga da Justiça: um dos filmes mais esperados do ano? A melhor coisa da DC até o momento? Um filme incrível e fenomenal que todos estavam esperando, um lixo horroroso que nem chega perto dos concorrentes, ou algo mais complexo que a dualidade esperada pelas pessoas? Pois é… 2017 e as pessoas ainda causam quiproquós por conta de filmes assim. Mas tudo bem. Liga da Justiça é um filme que muitos estavam esperando, e exige um longo podcast para debater tudo o que pode ser debatido sobre o filme. Por isso…

Rafael Arinelli, Daniel Cury, Henrique Rizatto e Cauê Petito mostram que não são uma liga tão coesa de superamigos e debatem calorosamente sobre os prós e contras de Liga da Justiça! Afinal, o vilão do filme é bacana ou não? E qual a profundidade dos personagens apresentados mais brevemente no filme? Será que o Aquaman serve para alguma coisa? E por que a Gal Gadot explica tanta coisa de forma repetitiva?

Neste podcast ainda tem explicações “DCnautas” do Henrique e do Cauê sobre alguns personagens, tem críticas, apontamentos e dedos apontados para os furos de roteiro ou a forma banal com que algumas coisas acontecem, e ainda tem o debate sobre os personagens em formação: o Flash que ainda não é Flash, o Cyborg que nem sabe quem é, o Batman em fim de carreira… fora o arco do Superman. Será que os personagens estão bem delineados? O roteiro é ruim e raso? O que faz com que ele seja assim? E o debate come solto, chegando até mesmo em conversas sobre a proposta “Snyderiana” de super-heróis e a leitura que o diretor propõe, o que inlcusive muda bastante depois do dedo de Joss Whedon… UFA! Haja papo. Quer ouvir um debate merecido sobre Liga da Justiça? Então se LIGA no podcast (e perdoe os trocadilhos)!

Download | iTunes | Android | Feed | Soundcloud

> 05m38: Repercussão

> 15m39: Pauta Principal

> 1h50m38: Plano Detalhe

> 2h01m11: Encerramento & Erros de Gravação

Fale Conosco:

Contribua com o Cinem(ação)

A partir de 10,00 você contribui para que o Cinem(ação) se mantenha ativo. Com textos diariamente, trailers dos lançamentos, artigos picantes e podcasts inspiradores, queremos manter a máquina girando e é você o motor para nossa continuidade. Com o apoio mínimo você estará ajudando não só nosso canal, mas o audiovisual brasileiro, pois atingimos milhares de pessoas que pensam e sonham com o cinema. Apoie nosso projeto agora e contribua para um produto melhor.

Apoia.se do Cinem(ação)

Patreon do Cinem(ação)

Plano Detalhe:

Edição: !SSOaí Design Estratégico

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • Daniel Lemos Cury

    Preciso fazer uma errata: o diretor de fotografia de Liga da Justiça não fez a fotografia do filme “Sherlock Holmes”, e sim de alguns episódios da série Sherlock!

  • Darklinker

    Concordo 110% com o Rafael, esperei tanto tempo pra ver A liga da justiça no cinema que um filme ”bom” não é nem perto do que deveria ser. Eu queria ter gostado mais, eu fui pronto pra sair da sala e dizer que foi o melhor filme de herói ja feito, a expectativa era baixar as expectativas, depois de ter visto os outros filmes porque… né…, e mesmo assim…
    O filme não é horroroso, teve problemas de produção (que desconhecia até aqui, obrigado Cinem(ação)), mas é preguiçoso!!! Custava mandar alguém (Flash) ir pegar a porcaria da caixa depois de acordar o Super? Custava fazer um Batman um pouco mais esperto? Um Flash um pouco mais inteligente? Custava fazer um vilão um pouco melhor para que a maior ameaça do filme não fosse um Superman PUTO? Pelo valor da produção, eu acho que o valor seria bem gasto!!!
    E o maior problema é que a Liga só precisou existir pra poder ressuscitar o Super!!! Ou seja, não era preciso reunir gente com poder, era só reunir uns cientistas, umas máquinas, uns aparatos pra fazer o processo de ressurreição!!!

    Tenho a impressão de que a Warner/DC vão abandonar o projeto, a não ser que uma ameaça real esteja nos planos, uma que tenha a força suficiente pra poder atentar contra a vida do Super.. Denovo!… Fora isso, destruir o planeta como objetivo terá o mesmo efeito que o Lobo das Estepes: espera o Superman chegar que ele resolve!

  • Rafael Arinelli

    Fala @disqus_5SV8Qjt23X:disqus !!!!

    Cara, que bom saber que minha visão do filme vai de encontro com a de outra pessoa.

    Como falei no podcast, eu acho extremamente ruim para a categoria de “filmes de heróis” as pessoas irem e falaram…. “ah, é um bom filme” e só… se limitar pela mediocridade.

    As vezes é bom ser uma voz destoante em um podcast, pois ganho a oportunidade de conhecer pessoas como você.

    Muito obrigado pelo comentário!

  • Alan Michael Scott

    Eu discordo quando alguns fãs falam que o defeito dos filmes da DC pela Warner é a “visão sombria” do Snyder. Na minha opinião, a falha está nos roteiros; Parece-me que os retoristas e diretores da casa não conseguem executar a simples tarefa de nos conduzir pela trama; São roteiros falhos, cheios de furos, as motivações não são claras ou são insuficientes, chegam a insultar nossa inteligência.
    Se “visão sombria” afastasse público, a trilogia Nollan não teria sido o sucesso que foi, nem quadrinhos onde o Superman vira o vilão como Injustice que já vai para o seu quarto ano de publicação.
    Eles deveriam se focar em fazer bons roteiros, coisa que a concorrente faz, embora não sejam perfeitos nem tão bons, aliás, dos poucos filmes da marvel que acompanhei, notei uma semelhança incrível entre um e outro, na verdade, parecem ser ate o mesmo filme com personagens diferentes, mas apesar da crítica é inegável que eles tem o mínimo de cuidado com a trama e talvez essa, junto com toda a organização do universo seja o segredo do sucesso.

  • fala galera do cinemação! ótimo cast
    Eu vi o filme 2 vezes definitivamente não consigo dizer se gostei ou não porque apesar de ter grandes acertos não foi o files épico que eu

    esperava, acho que esse sentimento não foi só meu e provavelmente isso sera refletido na bilheteria do filme
    eu acredito mesmo que o filme do Zack Snyder teria sido mais épico! Falo isso pela sequencia inicial que acompanha a musica “Everybody

    Knows” tem um tom bem diferente mostrando um mundo sem esperança resultado da morte do superman
    Eu discordo muito do Rafa em relação aos persoangens e suas apresentações porque querendo ou não 90% das pessoas que foram ver o

    filme da Liga da Justiça ja conhecem seus personagens, com execeção talvez do cyborgue nenhum deles precisava de grande

    apresentação para explicar o personagem
    Sobre os personagens c omeçando pela trindade!
    Finalmente temos o Superman se importando com as pessoas, o senso de justiça na verdade é evocado pelo tema classico do Superman

    que foi bem utilizado, a Mulher-Maravilha se posicionando como líder, eu gosto do Ben Afleck como Batman ja como Bruce Wayne falta para

    mim um certo desenvolvimento, os momentos de piadas são pontuais e claramente são feitos pelo Josh Whedon
    Flash/Barry Allen interpretado por Ezra Miller, funcionou bem como alivio cômico, embora que se era para utilizar o personagem como alivio

    cômico faria mais sentido usar Wally West ao invés do Barry Allen, mas o Ezra Miller estava muito a vontade em tela, o que deixou o

    personagem interessante
    O Cyborgue interpretado por Ray Fisher teve muitas de suas cenas cortadas na pós-produção, cenas que estavam no trailer que mostrava

    parte de sua origem não foram pro corte final, mas apesar disso o personagem tem sua construção e desenvolvimento.
    Já o Aquaman interpretado por Jason Momoa não foi tão aproveitado no filme, já que como o filme de origem ainda não foi lançado não ficou

    claro a relação do Aquaman com o povo de Atlantis.
    A liga funciona de fato como equipe, mesmo com as tensões entre os personagens sendo exploradas o trabalho em equipe ficou organico

    gerou ótimas cenas de ação
    A Gotham criada no filme ta muito bem feita em materia de cenografia da sim para identificar, talvez Central City não tenha ganhando tanto

    destaque mas o restante é bem claro
    como expectadora achei um filme Ok da pra assitir tranquilamente, como fã digo de novo eu queria algo + épico, então no geral o filme da Liga da justiça fica tranquilamente com 3 estrelas

  • Marcio Lima

    não sei qual integrante usa o argumento de que as criticas feitas ao filme são meio que por má vontade com a DC enquanto são só aplausos com a marvel é um argumento tão pobre sinceramente esperava mais, não precisa pegar um filme da marvel para comparar com este basta pegar o filme da mulher maravilha que é um filme solo e bem superior a este, as únicas coisas que salvam neste filme contam-se nos dedos de uma mão e foi justamente as cenas da Diana e das Amazonas, aquela cena “épica” senhor dos anéis da vida contra o Lobo da estepe, algumas piadas do flash e as músicas tocadas, não a trilha as músicas

  • Marcio Lima

    A DC pode fazer um filme pipocão dispensável da marvel?
    Pode, mas estes são os maiores heróis da terra, trata-los como heróis de segundo escalão da marvel é bem bosta.

  • Marcio Lima

    e também os episódios Hardhome, The winds of winter e battle of bastards de Game of Thrones

  • Rafael é o único coerente desse programa e confirma a máxima que falo com meus amigos : por vezes, outros amam mais do que os próprios fãs!
    Um filme totalmente esquecível e que flerta com o abismo. Senti muita vergonha alheia vendo esse filme…
    E cara, eu amo a DC. O último filme que assisti da Marvel, por inteiro, foi ‘Era de Ultron’. Após isso, essas reciclagens de roteiro, não me pegaria mais. Tentei assistir o ‘Guardiões da Galáxia 2’e não aguentei. Nem as músicas têm o mesmo peso de seu antecessor, sendo totalmente jogadas em tela.
    Falando de música,’ Liga da Justiça ‘ é tão ruim que os caras tentam pegar o público pelo sinestésico: ah, põe uma trilha sonora hiper genérica, com pitadas dos temas conhecidos para que a idiocracia mantenha rindo e vibrando no cinema.

    Um filme podre e pobre!

    Amo HOMEM DE AÇO E BATMAN V SUPERMAN. Esses sim, além de respeito para com as histórias publicadas, um respeito com o próprio cinema.

    Respeito o elenco e suas opiniões, pois as ouço regularmente nos podcast’s, mas Rafael foi o mais acertivo e não caiu na armadilha da Hera Venenosa.

  • Daniel Lemos Cury

    exato! mas eu citei GoT no cast (só não detalhei os episódios)

  • Daniel Lemos Cury

    @disqus_MJtX013Uv9:disqus excelente!

  • Daniel Lemos Cury

    então o podcast deveria ter tido uma pessoa ponderada como você! rs ^^

  • Daniel Lemos Cury

    @disqus_73uGJMBZNK:disqus valeu pela opinião! vou ponderar melhor da próxima vez! valeu pelas críticas

  • opa estamos ai rsrsrsrs

  • Laisa Silva

    “Pra mim o Liga da Justiça é um filme tão bom ou tão ruim quanto quase, não todos, mas vários outros, inclusive da Marvel . Só que quando falam da Marvel que é divertido as pessoas falam assim “Legal ele é divertido…3 estrelas”. Aí chega o Liga da Justiça, dependendo da pessoa ela pode virar e falar assim “Meu Deus a Liga da Justiça, meu Deus que horror….3 estrelas”” – A MAIOR VERDADE JÁ DITA!!! kkkk

    Eu saí do filme da Liga com o mesmo sentimento que saio quando assisto um filme da Marvel, algo tipo “Hm, legal. Poderia ser beeeem melhor, mas foi legal”. Eu fiquei extasiada com Batman vs Superman acho um filme incrível, não vi a versão de cinema, mas a estendida para mim é fantástica, tirando os trejeitos do Lex e uma coisa ou outra. Mulher Maravilha nem tenho o que falar, depois de Cavaleiros das Trevas, é o melhor filme de heróis já feito na minha opinião. Só que para criticar Marvel o povo parece que vira cego, e para criticar DC usam uma lupa para achar erro até onde não tem.
    E o povo critica a versão dark da DC, só que ninguém criticou isso na trilogia do Nolan. Os filmes da DC sempre foram profundos como Batman vs Superman foi, só que o povo parece que acostumou com o formato mais ‘facil’ da Marvel e quer uma DC assim, o resultado disso é uma Warner perdida. Curioso que BvS com seu formato criticado faturou 870 milhões, Liga da Justiça ta sofrendo para arrecadar os 600 milhões que precisa para se pagar, colocando as sequências em risco.

    Parabéns pelo Podcast meninos. Conheci o site pelo podcast das Mathildas e tô curtindo todo o resto tbm rs
    Abs

  • Lou Bloom

    Eu to com o Rafa nessa aí!! Olha que eu abaixei bastante minhas expectativas, mas esse filme é tão ruim que até a montagem de abertura do Zack Snyder ficou zoada.

    De um ponto de vista de estrutura, o filme já é falho. O primeiro ato consiste em uma coleção de cenas sem a menor conexão entre elas, é simplesmente apresentação de personagens uma seguida da outra. O filme inteiro é copiado de outros filmes mais populares, dos flashbacks e macguffin chupados de Senhor dos Anéis, passando por Homem de Aço e reciclando o plano do Zod até chegar em BvS e copiar o plano do Lex Luthor com a nave kryptoniana.

    De um ponto de vista narrativo, o filme também é péssimo. A Liga foi criada com o pretexto de suprir a falta do Superman, mas na verdade só serviram para roubar o caixão do Clark e o ressuscitar, e essa é a única função dela durante o filme, já que eles apenas apanham do Steppenwolf e depois que o Superman retorna ele faz tudo sozinho.

    Os personagens não me agradaram, mas o Batman foi especialmente revoltoso. Não apenas o personagem é mal escrito (fazendo piadas que não combinam com sua personalidade, ser descuidado e passando
    dificuldades para lutar com minions), mas o Ben Affleck claramente não quer mais interpretar o personagem e não se dedica a uma linha de diálogo!

    Obs1: a forma como o filme usa diálogos expositivos para TUDO é insultante.

    Obs2: destaque especial para o Danny Elfman, essa é uma das piores trilhas sonoras desse ano. Não só muitas vezes não combina com o que está acontecendo em tela, como é preguiçosa ao extremo e apela para nostalgia.

    Obs3: eu quis deixar um espaço reservado para o Steppenwolf, pois ele é especialmente terrível. Toda vez que ele aparece eu me sentia assistindo uma cut-scene de videogame, ele não tem motivação nenhuma e, apesar de dar porrada em todo mundo, nunca chega a passar algum senso de ameaça palpável (o Superman pirado por alguns minutos é muito mais assustador). Sem contar que contrataram o Ciaran Hydes para interpreta-lo e não aproveitaram nem a voz, já que é completamente distorcida.

    E já que compararam com a Hela, permita-me discordar de eles serem equivalentes. Podemos analisar um vilão em duas camadas: como ele foi escrito/performado e o que ele representa, e em ambas as formas a Hela é muito superior.
    Ela é uma personagem que foi utilizada pelo seu pai enquanto lhe foi conveniente e depois foi reprimida, exilada e apagada da história; ela tem uma conexão com o protagonista, não apenas por ser irmã dele, mas pelo que ambos representam um para o outro (ela o vê como o beneficiado do que foi dela um dia e ele a vê como alguém que ele se via antigamente, o herdeiro de Asgard, empunhando o Mjolnir e braço direito de Odin); o plano dela faz sentido com a personagem criada, já que seu objetivo é “fazer Asgard grande de novo” através da única forma que conhece: opressão e derramamento de sangue; ela é interpretada por uma das melhores atrizes vivas, que tem presença de tela suficiente para carregar as cenas do segundo ato, mesmo sem ter nada para fazer, e que claramente está se divertindo bastante nesse papel.

    De um segundo ponto de vista, a personagem da Hela é temáticamente muito rica. Ela representa o passado colonialista que Odin tentou enterrar sem ter de sofrer as repercussões, causando problemas para futuras gerações durante seu ressurgimento, drenando poder daquele terreno construído sobre mentiras e sanguinolência e só sendo derrotada uma vez que este é completamente explodido. E eu não acho que seja possível traçar qualquer paralelo do tipo para o Steppenwolf, já que Liga da Justiça é um filme vazio, que não tem nada a dizer.

    No mais, o podcast foi ótimo, sempre bom escutar discussões legítimas hahaha

  • Bru Leão

    Todos os filmes de super herói, eu fico muito feliz de ter o Rafa na mesa. Ele me representa do começo ao final do cast todas as vezes. Porque a sensação que eu tenho é a mesma que ele tem, o resto dos comentários são pautados em “Ahhh, poderia ser melhor. Mas eu gostei.” E parece que não estamos julgando os filmes pelos segmentos: filmes. Estamos julgando filmes de super heróis como um nicho de cinema em que por norma os filmes já estão abaixo da média de outros gêneros. O argumento em que “Ah, mas nos anos 90 as pessoas também falavam da banalização dos filmes de ação mas mesmo assim todo mundo fica feliz em ter um Rambo 23” cai por terra, porque você olha hoje e ninguém jamais vai gostar desses filmes ou ser marcado por esses filmes de ação dessa época, do mesmo jeito que os filmes da DC e da Marvel estão saindo ultimamente. Eu duvido que alguém daqui há dez anos vá parar e comentar sobre a Liga da Justiça, Guardiões da Galaxia Vol. 2 ou Thor Ragnarok. Não por serem filmes ruins, mas por serem esquecíveis. Acho que filmes de super heroi não podem se limitar a se pautar por filmes de quadrinho, eu acho que eles deveriam evoluir para algo que qualquer amante do cinema possa gostar. Você não está fazendo filme pra quem leu os quadrinhos (o que é um grande problema quando se diz respeito a fan service nos dias de hoje). Você está fazendo filme para um público geral. Enfim, desculpem o textão, mas eu queria muito mais ver filmes que mexem comigo do que filmes para preencher a cota de lançamento da DC, Marvel Studios, Warner e Fox. Eu comecei um podcast há pouco tempo e um dos temas abordados foi “Qual o Melhor Filme de Super Heroi de Todos os Tempos” e a gente comenta sobre esse fenômeno de ver todo mundo comentando super bem de certos filmes e quando você vai ver é um filme ok, é um bom filme de super heroi, mas não um ótimo maravilhoso filme se comparado para fora do “nicho”. Continuem com o ótimo trabalho, meninos, fazia tempo que eu não comentava porque a vida tava corrida mas agora estou de volta.
    Um abraço,
    De um padrinho de vocês.

  • Daniel Lemos Cury

    Valeu pelo comentário, @bruleo:disqus !
    Eu entendo o que vc quer dizer com a questão de um filme marcar ou ter uma “vida” além da estreia nos cinemas. De fato, poucos são os filmes assim,, que se tornam cults ou clássicos. Mas o fato é que tem muito filme “apenas bom” que não entrou pra história e foi esquecido. Liga será um deles, provavelmente. Mas isso não me impede de poder dizer que ele é “bom”. Mas é claro q eu super respeito quem ficou indignado que o filme não é bom do tipo “foda”. Só que com o q vimos em BvS, Esquadrão (blergh) e até mesmo Mulher Maravilha (que é bom mas não é uma maravilha, rs), nem tinha como esperar tanto assim.

  • Lou Bloom

    Eu to com o Rafa nessa aí!! Olha que eu abaixei bastante minhas expectativas, mas esse filme é tão ruim que me lembrou Esquadrão Suicida.

    De um ponto de vista de estrutura, o filme já é falho. O primeiro ato consiste em uma coleção de cenas sem a menor conexão entre elas, é simplesmente apresentação de personagens uma seguida da outra. O filme inteiro é copiado de outros filmes mais populares, dos flashbacks e macguffin chupados de Senhor dos Anéis, passando por Homem de Aço e reciclando o plano do Zod, até chegar em BvS e copiar o plano do Lex Luthor com a nave kryptoniana.
    De um ponto de vista narrativo, o filme também é péssimo. A Liga foi criada com o pretexto de suprir a falta do Superman, mas na verdade só serviram para roubar o caixão do Clark e o ressuscitar, e essa é a única função dela durante o filme, já que eles apenas apanham do Steppenwolf e depois que o Superman retorna ele faz tudo sozinho.
    Os personagens não me agradaram, mas o Batman foi especialmente revoltoso. Não apenas ele é mal escrito (fazendo piadas que não combinam com sua personalidade, sendo descuidado e passando
    dificuldades para lutar com minions), mas o Ben Affleck claramente não quer mais interpretar o personagem e não se dedica a uma linha de diálogo!

    Obs1: a forma como o filme usa diálogos expositivos para TUDO é insultante.

    Obs2: destaque especial para o Danny Elfman, essa é uma das piores trilhas sonoras desse ano. Não só muitas vezes não combina com o que está acontecendo em tela, como é preguiçosa ao extremo e apela para nostalgia.

    Obs3: eu quis deixar um espaço reservado para o Steppenwolf, pois ele é especialmente terrível. Toda vez que ele aparecia eu me sentia assistindo uma cut-scene de videogame, ele não tem motivação nenhuma e, apesar de dar porrada em todo mundo, nunca chega a passar um senso de ameaça palpável (o Superman pirado por alguns minutos é muito mais assustador). Sem contar que contrataram o Ciarán Hinds para interpreta-lo e não aproveitaram nem a voz, já que é completamente distorcida.

    E já que compararam com a Hela, permita-me discordar de eles serem equivalentes. Podemos analisar um vilão em duas camadas: como ele foi escrito/performado e o que ele representa, e em ambas as formas a Hela é muito superior.
    Ela é uma personagem que foi utilizada pelo seu pai enquanto lhe foi conveniente e depois foi reprimida, exilada e apagada da história; ela tem uma conexão com o protagonista, não apenas por ser irmã dele, mas pelo que ambos representam um para o outro (ela o vê como o beneficiado do que foi dela um dia e ele a vê como alguém que ele se via antigamente, o herdeiro de Asgard, empunhando o Mjolnir e braço direito de Odin); o plano dela faz sentido com a personagem criada, já que seu objetivo é “fazer Asgard grande de novo” através da única forma que conhece: opressão e derramamento de sangue (inclusive, eu gosto bastante da cena onde ela retoma Asgard e diz “eu pensei que vocês estariam felizes em me ver”, a Cate Blanchet entrega a frase como se ela realmente acreditasse nisso); e é interpretada por uma das melhores atrizes vivas, que tem presença de tela suficiente para carregar as cenas do segundo ato, mesmo sem ter nada para fazer, e que claramente está se divertindo bastante nesse papel.
    De um segundo ponto de vista, a personagem da Hela é temáticamente muito rica. Ela representa o passado colonialista que Odin tentou enterrar sem ter de sofrer as repercussões, causando problemas para futuras gerações durante seu ressurgimento, drenando poder daquele terreno construído sobre mentiras e sanguinolência e só sendo derrotada uma vez que este é completamente explodido. E eu não acho que seja possível traçar qualquer paralelo do tipo para o Steppenwolf, já que Liga da Justiça é um filme vazio, que não tem nada a dizer.

    No mais, o podcast foi ótimo, sempre bom escutar dussões legítimas hahaha.

  • Lou Bloom

    Eu to com o Rafa nessa aí!! Olha que eu abaixei bastante minhas expectativas, mas esse filme é tão ruim que me lembrou Esquadrão Suicida

    De um ponto de vista narrativo, o filme é péssimo. A Liga foi criada com o pretexto de suprir a falta do Superman, mas na verdade só serviram para roubar o caixão do Clark e o ressuscitar, e essa é a única função dela durante o filme, já que eles apenas apanham do Steppenwolf e depois que o Superman retorna ele faz tudo sozinho.
    Os personagens não me agradaram, mas o Batman foi especialmente revoltoso. Não apenas ele é mal escrito, mas o Ben Affleck claramente não quer mais interpretar o personagem e não se dedica a uma linha de diálogo!

    Obs1: a forma como o filme usa diálogos expositivos para TUDO é insultante.

    Obs2: eu quis deixar um espaço reservado para o Steppenwolf, pois ele é especialmente terrível. Toda vez que ele aparecia eu me sentia assistindo uma cut-scene de videogame, ele não tem motivação nenhuma e, apesar de dar porrada em todo mundo, nunca chega a passar um senso de ameaça palpável (o Superman pirado por alguns minutos é muito mais assustador). Sem contar que contrataram o Ciarán Hinds para interpreta-lo e não aproveitaram nem a voz, já que é completamente distorcida.

    E já que compararam com a Hela, permita-me discordar de eles serem equivalentes. Podemos analisar um vilão em duas camadas: como ele foi escrito/performado e o que ele representa, e em ambas as formas a Hela é muito superior.
    Ela é uma personagem que foi utilizada pelo seu pai enquanto lhe foi conveniente e depois foi reprimida, exilada e apagada da história; ela tem uma conexão com o protagonista, não apenas por ser irmã dele, mas pelo que ambos representam um para o outro (ela o vê como o beneficiado do que foi dela um dia e ele a vê como alguém que ele se via antigamente, o herdeiro de Asgard, empunhando o Mjolnir e braço direito de Odin); o plano dela faz sentido com a personagem criada, já que seu objetivo é “fazer Asgard grande de novo” através da única forma que conhece: opressão e derramamento de sangue (inclusive, eu gosto bastante da cena onde ela retoma Asgard e diz “eu pensei que vocês estariam felizes em me ver”, a Cate Blanchet entrega a frase como se ela realmente acreditasse nisso); e é interpretada por uma das melhores atrizes vivas, que tem presença de tela suficiente para carregar as cenas do segundo ato, mesmo sem ter nada para fazer, e que claramente está se divertindo bastante nesse papel.
    De um segundo ponto de vista, a personagem da Hela é temáticamente muito rica. Ela representa o passado colonialista que Odin tentou enterrar sem ter de sofrer as repercussões, causando problemas para futuras gerações durante seu ressurgimento, drenando poder daquele terreno construído sobre mentiras e sanguinolência e só sendo derrotada uma vez que este é completamente explodido. E eu não acho que seja possível traçar qualquer paralelo do tipo para o Steppenwolf, já que Liga da Justiça é um filme vazio, que não tem nada a dizer.

    No mais, o podcast foi ótimo, sempre bom escutar dussões legítimas hahaha