Crítica: Rock Dog (2017)

Crítica: Rock Dog (2017)

Rock Dog é uma animação chinesa que poderia ter arriscado mais”

Ficha Técnica

  • Nome: Rock Dog – No faro do sucesso
  • Nome Original: Rock Dog
  • Origem: China
  • Ano de produção: 2016
  • Gênero: Animação
  • Duração: 80 min
  • Classificação: Livre
  • Direção: Ash Brannon


 

É bem provável que você nunca tenha ouvido falar na Huaiy Enterteinament. A empresa de origem chinesa, desconhecida do grande público, é uma aspirante a entrar no seleto rol das grandes produtoras de cinema. A estratégia oriental consiste em se inserir primeiramente no mercado de produtoras de animação, que é dominado pelo pesado quarteto americano composto por Disney, Pixar, Dreamworks e Illumination. A Huaiy lançou em maio deste ano seu primeiro longa de animação, o filme infantil Rock Dog. Sem grandes alardes, a película não chamou atenção da crítica, não fez também a bilheteria esperada e já está disponível em mídias físicas e plataformas streaming.

Com roteiro e direção assinadas pelo experiente Ash Brannon (Toy Story 2), Rock Dog aposta na tradicional fórmula de apresentar um enredo clichê e até consegue bons logros. Em seus oitenta minutos de duração, a película conta a história do cãozinho Bodi, um jovem Mastim Tibetano guitarrista, que, por ordem do pai, está predestinado a se tornar o próximo protetor da vila interiorana em que vive, da eterna ameaça de uma gangue de lobos.

Já deu para perceber onde o enredo vai parar, não é? Sim o simpático cachorrinho vai à cidade grande em busca de realizar seu sonho. A partir desta premissa se desenvolve toda a trama de Rock Dog.

A película diverte e até pode ser considerada uma boa pedida para a criançada, porém nada além disso. Apesar de um protagonista carismático, falta em Rock Dog a construção de personagens secundários interessantes que elevem a produção para outro patamar.

O filme deixa claro a intenção de ser voltado para o público infantil, mas, mesmo assim, era de bom tom que o roteiro assinado pelo competente Ash Brennon não se desenvolvesse de forma tão previsível. Uma exploração maior do universo histórico do Rock n’ Roll, como parte integrante do enredo, aumentaria as perspectivas da película, que até flerta em poucos momentos em se tornar uma espécie de opera-rock infantil, mas que por questões de escolhas do roteiro acaba não saindo da zona de conforto da história clichê sem maiores aspirações.

Inexplicavelmente, há poucas menções roqueiras também na trilha sonora, que, uma hora e vinte, basicamente só toca uma música do grupo americano Foo Fighters. Algumas referências em nomes de personagens como o robozinho Ozzy e o gato mainstream Angus são boas homenagens que possivelmente vão passar batidas por grande parte do público.

Longe de ser uma desgraça, Rock Dog é uma estreia razoável. Porém, se os chineses da Huaiy Enterteinament têm mesmo a ambição de entrar de verdade no competitivo mercado cinematográfico… precisam mostrar coisas mais interessantes do que um cão fofo e ingênuo que toca guitarra. Nesse quesito fica difícil competir em carisma com o minion Stuart  já faz solos há quase uma década.



TRAILER

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário: