Podcast Cinem(ação) #251: Thor: Ragnarok

Podcast Cinem(ação) #251: Thor: Ragnarok

Depois do sisudo Thor (2011) e do soturno Thor: O Mundo Sombrio (2013), chega a vez do colorido e serelepe Thor: Ragnarok. Mas será que o filme do neozelandês Taika Waititi agradou a todos e realmente encantou as pessoas por promover uma desconstrução do subgênero de filmes de super-herói? Talvez não necessariamente. Afinal, o longa estrelado por Chris Hemsworth promove mudanças grandes (ou nem tanto) nos personagens já apresentados pelo MCU – o Universo Expandido da Marvel.

Rafael Arinelli e Daniel Cury mantém o papo com amigos e se reúnem com Henrique Rizatto e Lucas Albuquerque para discutir se Thor: Ragnarok é bom ou se é ruim. Juntos, eles discutem a trilha sonora, os personagens e suas mudanças, os atores e suas atuações, e principalmente a situação da comédia: trata-se de uma boa comédia? Tem piadas boas? Isso traz um novo ar ou “quebra” demais com a linha da história dos personagens? E os personagens secundários, como os de Tessa Thompson, Karl Urban e do próprio Waititi: será que eles são válidos? E qual o sentido dos poderes dos vilões? E quais as explicações para a ordem cronológica dos filmes do MCU: está fazendo sentido? Desta vez, você vai ver um embate de opiniões bem divergentes sobre o filme – e uma média de notas bastante esquisita. Tudo vem com muito spoiler, é claro, então se apronte para entender melhor sobre a saladinha da Marvel e aproveite a discussão saudável! Bom podcast… e não se esqueça de comentar!

Download | iTunes | Android | Feed | Soundcloud

> 04m41: Repercussão

> 16m09: Pauta Principal

> 1h41m01: Plano Detalhe

> 1h54m25: Encerramento & Erros de Gravação

Fale Conosco:

Contribua com o Cinem(ação)

A partir de 10,00 você contribui para que o Cinem(ação) se mantenha ativo. Com textos diariamente, trailers dos lançamentos, artigos picantes e podcasts inspiradores, queremos manter a máquina girando e é você o motor para nossa continuidade. Com o apoio mínimo você estará ajudando não só nosso canal, mas o audiovisual brasileiro, pois atingimos milhares de pessoas que pensam e sonham com o cinema. Apoie nosso projeto agora e contribua para um produto melhor.

Apoia.se do Cinem(ação)

Patreon do Cinem(ação)

Planos Detalhes:

Edição: !SSOaí Design Estratégico

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • João Pedro Redmann

    Podcast de extrema qualidade em todos os sentidos, inspiração pra mim.

  • Daniel Lemos Cury

    @joopedroredmann:disqus muito obrigado! É uma honra! 🙂

  • Lou Bloom

    Adorei o podcast, mas acho que o Lucas e o Rafa estavam ranzinzas demais hahaha.

    Quanto ao filme, eu acho ele muito melhor do que a maioria dos filmes do MCU, provavelmente porque ele sabe exatamente o que quer ser e não tenta se levar a sério mesmo não sendo metade do que acha de si mesmo (cof cof O Soldado Invernal cof cof). Apesar de o humor ser muito infantil em alguns momentos, no geral ele funcionou muito melhor comigo do que na maioria dos filmes de super-heróis, talvez por ter o dedo do Taika Waititi e finalmente utilizarem bem o Chris Hemsworth (que não é um bom ator dramático e é ótimo comediante).

    Só uma observação, apesar do filme ser superficial em todas as suas abordagens, eu gostei bastante de como ele critica o colonialismo (que é um dos motivos pelos quais eu acho que a piada pós-destruição de Asgard funciona, pois o filme passa grande parte de sua duração mostrando que aquele império foi construído sobre mentiras, derramamento de sangue e escravização, então todo o papo de “Asgard são as pessoas, não o local”, que poderia ser brega e uma tentativa falha de passar uma mensagem, acaba fazendo sentido temáticamente).

  • Lucas Albuquerque

    Olá Lou, valeu por escutar o nosso debate e por elogiar o cast. De fato eu sou um pouco ranzinza mesmo rsrs
    Sobre o humor do filme, fiz um texto aqui no site, tentando me debruçar em uma parte das piadas e dizendo onde elas funcionam e onde deixam a desejar. Está um pouco longo, mas acho que vale a pena: http://cinemacao.com/2017/11/05/thor-ragnarok-comedia-piada-atrapalha/

    Gosto bem do Taika e uma das conclusões que chego no texto é que se ele tivesse mais liberdade para fazer o que fez em produções anteriores, acho que veríamos um filme bem diferente.