Como Big Little Lies usa a trilha sonora para contar suas histórias

Como Big Little Lies usa a trilha sonora para contar suas histórias

Big Little Lies é maravilhosa e todos nós sabemos, mas um caso a parte é sua trilha sonora.

E o que as trilhas sonoras dizem sobre uma série e um seriado? O que as músicas de cada episódio de cada uma desses produtos televisivos tem a dizer sobre si? Comecei a pensar nisso re-assistindo à minissérie da HBO Big Little Lies, e é a usando como exemplo que vou falar sobre as narrativas escondidas nas suas músicas.

Eu estou fazendo meu trabalho de conclusão de curso sobre a obra, que é baseada no livro de Liane Moriarty (#VemFormatura2018), e percebi que a musica tocando durante a primeira aparição de Celeste (Nicole Kidman) tem tudo a ver com o enredo da personagem e até dá a dica para o espectador do que acontece com ela mais a frente na narrativa.

A série também incorpora a trilha sonora de outras maneiras em sua história. Muitas vezes o que escutamos ao fundo também é ouvido pelos personagens, como acontece em Birdman. Seja através do iPod da filha pequena de Madeline (Reese Witherspoon) ou dos shows dos personagens na Gala onde acontece o principal evento do seriado (o assassinato, onde não conhecemos vítima ou homicida).

Como uma consumidora ávida de ficção seriada televisiva, eu comecei a perceber como as músicas atuam nesses materiais, não somente como definidor de clima de uma cena, mas como parte intrínseca da história e da mensagem que quer ser transmitida. E para conseguir traduzir isso para quem está lendo, eu vou usar alguns exemplos de como Big Little Lies faz a trilha sonora trabalhar junto de todo o roteiro.

Devo avisar que daqui para frente encontraremos spoilers, MAS eles estão sinalizados e “escondidos”. para ver por sua conta e risco selecione os espaços brancos em parenteses. (Assim mesmo. 🙂)

 

Victim Of Love (Charles Bradley) apresentando Celeste Wright

Como disse mais acima, a musica que introduz essa personagem maravilhosa que é Celeste nos dá muito a entender do que acontece com ela, mas não somente, também nos conta como ela é, a pessoa que ela é e como ela se envolve e como ela ama. Spoiler fraco/médio (ela se encontra em um relacionamento abusivo com o seu marido, Perry [Alexander Skarsgård]. Ele a agride fisicamente, além de isolar sua vida social e fazer chantagem emocional com ela).

Ela é uma vítima do amor que sente pelo marido, pelos filhos e também pela vida que mantém. Ela adora a maneira como é invejada e vista como o exemplo de vida perfeita por toda a vizinhança de Monterey, California. Mas toda essa perfeição vem com um revés e ela não se vê mais tão disposta a pagar esse preço (e torcemos durante a trama que ela não esteja mesmo).

The Wonder of You (Elvis) e a total adoração de Ed por Madeline

Como este seriado é bem focado nas mulheres, os homens acabam ficando em segundo plano. E este fato não é problema na série. Mas… como dimensionar um sentimento gigante de um personagem que não aparece tanto na tela?

O marido de Madeline é absolutamente apaixonado por ela. Absolutamente. Ponto, parágrafo.

Mas temos um problema, Madeline não parece tão platonicamente envolvida com ele. Ela o ama, obvio, mas toda essa paixão ardente não está presente. É mais como ela estivesse feliz com a praticidade que tem no relacionamento com ele e com a falta de problemas que existiam em seu primeiro casamento. Ela passa por uma crise em relação ao que sente por ele, spoiler médio (ela o trai com seu colega de trabalho do teatro. Na série o caso já acabou, mas ela ainda sofre com a culpa de ter traído o homem que a ama tanto), mas Ed (Adam Scott) não hesita em nenhum momento em se declarar, inclusive dizendo que ela é the one, a escolhida, para ele.

A música e a performance na gala com seu olhar de apaixonado misturado com o de cachorrinho abandonado quando percebe que Madeline não o vê… traduzem um sentimento enorme de um personagem que não vemos tanto em cena.

 

You Can’t Always Get What You Want (Ituana) e a inesperada união das mulheres

Essa canção foi perfeita para terminar a série. Ela toca enquanto as protagonistas (Celeste, Madeline, Jane, Renata e Bonnie), que agora têm uma união inquebrável uma com a outra, relaxam na praia vendo seus filhos brincarem na areia. A letra diz “Você nem sempre consegue o que quer, mas se você tentar as vezes, vai descobrir que pode conseguir o que precisa” (algo assim).

Agora, a série não teve exatamente um final feliz (será?), mas todas essas mulheres terminaram a narrativa com o que precisavam e que no começo, pelo menos, elas não queriam ou não sabiam que queriam. Claro, nenhum problema foi magicamente resolvido, elas ainda tem os seus desafios pela frente. Só que agora elas tem uma a outra e elas tem o conhecimento de que podem enfrentar o mundo assim.

Se o tom do final da minissérie, ou o que ele representa, ficou em aberto pelas cenas e pela narrativa, nós só precisamos escutar a música que toca e se estende por todos os créditos de encerramento para entender a mensagem.

 


E se ficou aquela vontade de ouvir a playlist inteira, aproveite aqui:

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário: