O caso Aileen Wuornos e a história real do primeiro filme de Patty Jenkins

O caso Aileen Wuornos e a história real do primeiro filme de Patty Jenkins

O filme da Mulher-Maravilha bateu muitos recordes e foi um sucesso estrondoso de crítica e público, com isso a carreira da atriz Gal Gadot está em grande evidência assim como a diretora do filme, Patty Jenkins que agora tem uma merecida atenção do grande público.

Jenkins tem uma carreira atrás das câmeras bem interessante principalmente na televisão. Com relação aos cinemas ela só estava creditada em um filme, “Monster – Desejo Assassino“, filme de 2004 protagonizado por Charlize Theron e Christina Ricci.

O é uma adaptação da história de vida de AileenWuornos, considerada a primeira serial killer dos Estados Unidos. Mas essa é um resumo pobre e injusto de um caso e de uma vida tão complexa e cheia de controvérsias. Para quem quiser saber mais sobre a real história de Aileeen Wuornos pode encontrar na Netflix dois documentários.

O primeiro documentário é “Aileen Wuornos: The Selling of a Serial Killer”, dirigido por Nick Broomfield, esse documentário de 1992 é composto de algumas entrevistas feitas pelo próprio Broomfield onde ele conversa com Arlene Pralle, uma amiga de Aileen e que a adotou legalmente após a sua prisão, Steve o advogado de Aileen, alguns policiais e conhecidos dela e a própria ré.

Já o segundo documentário, lançado em 2003 é “Aileen: Life and Death of a Serial Killer”, também dirigido por Nick Broomfield juntamente com Joan Churchill, e que serve como uma continuação para o primeiro documentário, mas se aproveita de diversas cenas do mesmo, podendo ser assistido em conjunto ou apenas o ultimo.

Aileen sofreu diversos abusos em sua infância, onde foi criado pelo avô, uma vez que sua mãe abandonou ela e seus irmãos quando tinha apenas 6 meses de vida e seu pai, que estava preso por abusar sexualmente de um menino de 8 anos cometeu suicídio na cadeia.

Em certa ocasião, segundo Aileen, ela foi sodomizada e estuprada por um cliente e ela o assassinou em legítima defesa. Ocorre que além desse primeiro crime, Aileen voltou a matar por mais cinco vezes, em casos semelhantes.

Ocorre que o caso policial e judicial foi repleto de problemas e armações, onde oficiais da lei “venderam” material legítimo para produtoras de Hollywood poderem explorar o caso assim como a defesa de Aileen não trouxe uma informação crucial em seu julgamento, de que a primeira vítima dela na verdade era um criminoso condenado a 10 anos por crimes sexuais.

Aileen foi condenada a morte por meio de cadeira elétrica pelos seis assassinatos e seu caso até hoje é envolto em mistérios e conflitos de bastidores.

Os documentários são de certa forma “crus”em sua edição, mas valem a pena ser vistos para conhecer mais dessa bizarra história, já Monster – Desejo Assassino foi aprovado pela própria Aileen que forneceu cartas e outras informações.

 

 

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • Peter Spielberg

    Valei
    Não sabia disso